Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-17T16:25:21-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Leve alívio

Ibovespa acompanha o tom ameno visto no exterior e sobe perto de 7%; dólar cai e fica abaixo de R$ 5,00

O Ibovespa e as bolsas globais mostram uma certa tranquilidade nesta terça, repercutindo as medidas de estímulo anunciadas no Brasil e no mundo, embora a situação ainda seja de forte preocupação por causa do coronavírus. O dólar opera em leve baixa

17 de março de 2020
10:33 - atualizado às 16:25
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa passou por um momento de turbulência no meio da manhã desta terça-feira (17), em meio à confirmação da primeira morte por coronavírus no Brasil. No entanto, o clima menos negativo visto no exterior prevaleceu, dando força ao índice brasileiro.

O Ibovespa abriu em alta de mais de 3%, mas, em meio à confirmação da primeira morte causa por coronavírus no país, enfrentou instabilidade e chegou a aparecer no campo negativo. Às 15h45, contudo, o índice já subia 6,94%, aos 76.106,07 pontos.

Lá fora, os investidores tentam colocar os nervos no lugar e controlar o pânico: na Europa, as principais praças fecharam em alta; nos Estados Unidos, o Dow Jones avança 5,45%, o S&P 500 sobe 6,19% e o Nasdaq tem ganho de 5,99%.

Os investidores recebem bem as últimas iniciativas dos governos mundiais para tentar conter o avanço do coronavírus. Nos Estados Unidos, por exemplo, o governo Trump tem anunciado desde ontem pacotes de estímulo econômico e iniciativas para fortalecer o sistema de saúde do país.

  • Eu gravei um vídeo para comentar esse movimento de recuperação visto nas bolsas globais. Veja abaixo:

Obviamente, a percepção de que a economia global será afetada fortemente não se dissipou com essas medidas, mas a postura diferente dos EUA — até agora, o alto escalão da Casa Branca mostrava certo desdém com o coronavírus — foi bem recebida pelo mercado.

Nesta terça-feira, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deu mais um passo em direção ao auxílio da economia, anunciando um programa de US$ 10 bilhões para reforçar a disponibilidade de crédito para famílias e empresas.

No Brasil, também tivemos o lançamento de medidas de estímulo econômico. Ontem, o ministro Paulo Guedes anunciou um pacote de até R$ 147,3 bilhões para conter os impactos da doença, dos quais R$ 83,4 bilhões serão destinados à população mais vulnerável aos efeitos da crise.

Vale ressaltar que, dadas as fortes quedas vistas nas bolsas globais desde a semana passada, os níveis de preços de muitas ações caíram muito, o que naturalmente atrai investidores. E, considerando o noticiário mais animador, há quem opte por aumentar ligeiramente a posição em bolsa, apostando numa recuperação mais adiante.

No entanto, o bom desempenho visto nas bolsas globais nesta terça-feira não neutraliza as perdas relevantes contabilizadas ontem e na semana passada. Apenas no pregão de segunda-feira (16), o Ibovespa despencou quase 14%.

Mesmo com esse viés mais otimista visto hoje, a pandemia de coronavírus continua em primeiro plano para os mercados globais e ainda gera enorme preocupação. No mundo todo, já são mais de 7,3 mil mortos e cerca de 185 mil contaminados.

No câmbio, a reação foi a mesma. O dólar à vista abriu em queda, virou para alta após a confirmação da primeira morte no Brasil e, agora, volta a cair: no momento, recua 1,47% a R$ 4,9782.

Indecisão

Ainda por aqui, os investidores seguem apreensivos quanto ao futuro da Selic, em meio à postura agressiva do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Desde o início do mês, a autoridade dos EUA cortou os juros do país de maneira extraordinária em duas ocasiões, derrubando as taxas ao nível entre 0% e 0,25% ao ano.

Dada a influência do BC americano e de movimentos recentes por parte de outras autoridades monetárias do mundo, há a expectativa quanto a um corte semelhante por parte do Copom — a reunião que decidirá o futuro da Selic ocorrerá amanhã (18).

Muitos, inclusive, apostavam que o Copom também mexeria na Selic de forma extraordinária, o que não se concretizou. O argumento global para esse novo ciclo de alívio nos juros é o fornecimento de estímulo à economia, num esforço para reduzir os impactos do surto da doença.

No entanto, há quem acredite que mais cortes de juros não surtirão o efeito desejado, uma vez que a crise do coronavírus cria um gargalo na oferta, e não na demanda. Além disso, há a questão da cotação do dólar: mais reduções na Selic fatalmente trarão ainda mais pressão ao câmbio.

Por mais que o dólar à vista esteja recuando nesta manhã, vale lembrar que o BC promoveu um leilão de linha de até US$ 2 bilhões mais cedo, de modo a trazer algum alívio à moeda americana — iniciativa que, no entanto, teve efeito limitado.

No front das curvas de juros, os vencimentos mais curtos seguem em baixa, evidenciando que o mercado está convencido de que o BC irá sim cortar a Selic. Veja abaixo como estão os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 3,84% para 3,62%;
  • Janeiro/2022: de 4,92% para 4,43%;
  • Janeiro/2023: de 5,93% para 5,33%;
  • Janeiro/2025: de 7,08% para 6,50%.

Top 5

Saiba quais são as cinco maiores altas do Ibovespa às 14h50:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
CRFB3Carrefour Brasil ON20,06 +13,98%
BRFS3BRF ON14,88 +12,30%
BBSE3BB Seguridade ON26,77 +11,17%
MULT3Multiplan ON20,55 +11,02%
HYPE3Hypera ON31,35 +10,70%

Confira também as maiores baixas do índice no momento:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
AZUL4Azul PN14,45 -7,37%
CVCB3CVC ON9,66 -7,12%
SBSP3Sabesp ON45,88 -3,41%
SMLS3Smiles ON17,39 -3,12%
VVAR3Via Varejo ON7,40 -2,12%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

roxinho com mais crédito

Nubank promete aumentar limite em cartão de crédito de 35 milhões de clientes

Segundo a companhia, até o final de 2021, 10 milhões de clientes serão impactados pela novidade do cartão; três milhões em agosto

A vida depois da pandemia?

Ações da Multiplan sobem 5% após balanço que mostra recuperação dos shoppings

Resultados mostram avanço nas vendas e nas receitas de aluguel, à medida que a vacinação avança e os shoppings reabrem

Balanço sólido

Lucro líquido da Mastercard dispara 46% e vai a US$ 2 bilhões no segundo trimestre; resultado superou previsões dos analistas

O resultado foi impulsionado, segundo o CEO da empresa, pela contínua recuperação dos gastos domésticos e internacionais

De olho no futuro

Lucro e receita acima do esperado, mas ação em baixa. O que acontece com a Ambev?

Como de costume, mercado toma decisões baseado nas projeções, e segundo analistas, custos de produção e margens ainda preocupam

Estreia do dia

Brisanet estreia na bolsa em queda de mais de 4% após IPO no piso da faixa indicativa

A empresa desembarca na bolsa brasileira após uma oferta bilionária que levantou R$ 1,4 bilhão, com os papéis no piso da faixa indicativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies