Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-19T17:25:28-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Bolsa e dólar hoje

Dólar sobe a R$ 4,36 e renova a máxima de fechamento; Ibovespa avança, em linha com o exterior

O dólar à vista subiu pelo terceiro dia seguido e terminou a sessão no nível de R$ 4,36 pela primeira vez na história. O Ibovespa sobe mais de 1%, aproveitando a calmaria vista nas bolsas globais

19 de fevereiro de 2020
10:35 - atualizado às 17:25
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa começou o pregão desta quarta-feira (19) em baixa, mas logo ganhou força e virou para o campo positivo. O clima mais ameno visto lá fora, somado à reação positiva aos balanços trimestrais, dá sustentação ao índice neste início de tarde.

Por volta de 17h10, o Ibovespa operava em alta de 1,21%, aos 116.369,42 pontos, após chegar a cair 0,18% mais cedo, aos 114.774,04 pontos. Com isso, a bolsa brasileira acompanha os mercados acionários externos: nos EUA, o Dow Jones (+0,49%), o S&P 500 (+0,58%) e o Nasdaq (+0,96%) sobem em bloco.

Já o dólar à vista continuou pressionado. A moeda americana passou o dia em alta, terminando a R$ 4,3656 (+0,19%) e cravando mais um recorde de fechamento em termos nominais — é a primeira vez que a divisa encerra uma sessão acima de R$ 4,36.

Lá fora, as preocupações relacionadas ao coronavírus diminuem um pouco nesta quarta-feira. Por mais que a Apple tenha sinalizado que não cumprirá suas projeções para o trimestre por causa do surto — o que aumentou a aversão ao risco na sessão anterior — a percepção atual é a de que a disseminação da doença tem ocorrido num ritmo mais lento.

Os dados mais recentes dão conta de mais de dois mil mortos e 75 mil pessoas contaminadas pelo vírus, números que ainda inspiram cautela entre os investidores. Contudo, apesar da tensão, o clima é menos pesado nos mercados globais — o que abre espaço para a recuperação das bolsas.

Na Europa, as principais praças operam em alta nesta quarta-feira, revertendo as baixas de ontem; na Ásia, quase todas as bolsas fecharam no azul — a exceção foi a China continental, que cedeu a um movimento de realização de lucro.

Ruídos no dólar

Apesar do cenário de maior tranquilidade no exterior, o mercado doméstico de câmbio segue estressado. Internamente, as turbulências no front político trazem algum desconforto aos investidores, que optam por buscar proteção no dólar.

Rumores de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estaria insatisfeito com o governo e poderia deixar o cargo, em meio às constantes polêmicas da administração Bolsonaro, geram alguma apreensão no mercado de moedas, apesar de o presidente ter negado tal hipótese.

A valorização do dólar ante o real destoa do comportamento da moeda americana em relação às demais divisas de países emergentes nesta quarta-feira. No momento, o viés e de estabilidade na comparação com tais ativos — o que evidencia o fator doméstico de pressão no câmbio.

Nesse cenário, os investidores estão atentos para eventuais atuações do Banco Central (BC) no câmbio, de modo a trazer alívio à escalada do dólar. Na semana passada, a autoridade monetária convocou leilões extraordinários de swap quando a divisa bateu a marca de R$ 4,38.

Hoje, no entanto, não tivemos qualquer sinal de atuação do BC.

Juros em baixa

Apesar da pressão vista no dólar à vista, as curvas de juros fecharam em baixa nesta quarta-feira, tanto na ponta curta quanto na longa, em meio às apostas de novos cortes na Selic para estimular a economia doméstica.

Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,21% para 4,19%;
  • Janeiro/2022: de 4,71% para 4,64%;
  • Janeiro/2023: de 5,27% para 5,20%;
  • Janeiro/2025: de 6,00% para 5,96%;
  • Janeiro/2027: de 6,39% para 6,37%.

Balanços e mais balanços

Muitas empresas do Ibovespa reportaram seus números referentes ao quarto trimestre de 2019 desde o fechamento de ontem — e, hoje, alguns desses papéis exibem reações intensas aos balanços.

Em destaque, aparece IRB ON (IRBR3), com alta de 0,83%. A resseguradora fechou o ano com um lucro de R$ 1,764 bilhão, alta de 44,7% ante 2018, e abriu os números contestados pela gestora Squadra.

Weg ON (WEGE3), Ecorodovias ON (ECOR3) e Iguatemi ON (IGTA3), com ganhos de 7,74%, 1,80% e 1,81%, nesta ordem, também reagem positivamente aos balanços trimestrais — veja aqui um resumo dos números dessas empresas.

Top 5

Confira abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa neste momento:

  • Weg ON (WEGE3): +7,74%
  • Via Varejo ON (VVAR3): +6,28%
  • B3 ON (B3SA3): +3,97%
  • CCR ON (CCRO3): +3,59%
  • Cyrela ON (CYRE3): +3,45%

Veja também as maiores baixas do índice:

  • BTG Pactual units (BPAC11): -2,75%
  • Cia Hering ON (HGTX3): -2,10%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): -1,78%
  • Cogna ON (COGN3): -1,75%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): -1,54%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: licença para gastar

Hoje, a UE deve divulgar as proporções da dívida sobre PIB dos membros para 2020 – os valores deverão ser volumosos, repercutindo a pandemia, que mudou a relação da atuação dos governos na economia

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda após Paulo Guedes dar aval para furar teto de gastos e dólar vai acima de R$ 5,60

No panorama doméstico, o risco fiscal permanece no radar, enquanto a temporada de balanços segue no exterior

MELOU O NEGÓCIO

Ações da Evergrande saem de suspensão e despencam em meio a desacordo sobre venda de fatia da incorporadora

A própria empreiteira chinesa cancelou um acordo para a venda de uma participação de 50,1% em unidade de serviços imobiliários para a Hopson Development Holdings

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior tem dia de correção e bolsa brasileira deve ter desempenho fraco por mais um dia após fala de Paulo Guedes sobre teto de gastos

Os balanços do exterior devem movimentar os negócios, com Evergrande de volta ao radar após fracasso na venda de uma subsidiária

LAVANDO AS MÃOS

Guedes se isenta e diz que formato do Auxílio Brasil está ‘a cargo da política’

Segundo o ministro, governo teve de fazer um ‘encaixe’ dentro do arcabouço fiscal existente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies