A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-17T15:01:35-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Balanço SPE

Queda do juro no Brasil é estrutural, diz Ministério da Economia

Entre 2011 e 2013, queda de juros foi feita “na marra” e se tornou insustentável. Agora, Selic menor é vista como sustentável

17 de outubro de 2019
15:01
Touros e Ursos Capa Podcast – Selic Queda – Baixa
Imagem: Seu Dinheiro / Shutterstock

A consolidação fiscal e a inflação ancorada permitiram ao Banco Central trazer a taxa de juros básica (Selic) para o menor valor histórico, atualmente em 5,5% ao ano, e com várias instituições prevendo redução nesse valor, tanto nesse, como no próximo ano.

É com essa frase que a Secretaria de Política Econômica, do Ministério da Economia, abre a parte da nota “Muito Além da Previdência: A economia nos primeiros nove meses de governo”, na qual constata que a queda do custo do dinheiro no país é estrutural.

“No período de 2011 a 2013, tentou-se reduzir os juros na marra, não levando em conta os fundamentos da economia. A inflação esperada não acompanhou o movimento de queda dos juros e essa se tornou insustentável. No atual governo, diferentemente, a redução dos juros reais é resultado de políticas monetárias e fiscais estruturais, sendo, portanto, sustentável”, diz a SPE.

Principais vetores

Segundo a SPE, três políticas contribuem para essa trajetória de queda estrutural do juro:

  • o controle sistêmico das despesas públicas, que garante um cenário de equilíbrio fiscal de longo prazo
  • redução substancial do direcionamento de crédito, melhorando as condições do mercado de crédito livre
  • redução da meta de inflação, conjugada à credibilidade da política monetária

Para avaliar a sustentabilidade da queda dos juros, a SPE considera a evolução da taxa de longo prazo em comparação à inflação implícita. Na figura abaixo, observa-se uma queda substancial da taxa de juros longa, alcançando o mínimo histórico. Além disso, observa-se de forma concomitante a queda da inflação esperada, o que indica a sustentabilidade da queda dos juros.

Consequências

O que se espera dessa redução estrutural dos juros, segundo a SPE, é uma expansão do volume de crédito, a criação de um ambiente mais previsível, que favorece planejamento de longo prazo, e uma redução no custo de carregamento da dívida pública.

“Esses resultados virtuosos na inflação e nos juros são resultado direto da política econômica adotada pelo Governo nesses primeiros meses. O País está definitivamente conquistando um ambiente favorável à retomada do crescimento. É preciso perseverar no mesmo rumo e continuar promovendo as reformas essenciais para a retomada vigorosa das taxas de crescimento na economia brasileira.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SOCIEDADE ANÔNIMA DO FUTEBOL

De olho no dinheiro de investidores, 15 clubes de futebol viraram SAF, mas só três acharam parceiro; veja quais

12 de agosto de 2022 - 6:22

Botafogo, Cruzeiro e Vasco já colhem os frutos da SAF, mas outros 12 times ainda não acharam parceiro; clube tradicional recusou a SAF mesmo com investidor interessado

SEXTOU COM O RUY

Investir em estatal vale a pena? Uma reflexão sobre como o Banco do Brasil (BBAS3) subverteu as máximas dos manuais de investimentos

12 de agosto de 2022 - 5:57

Banco do Brasil (BBAS3) negocia com múltiplos baixos demais para a qualidade dos resultados que tem apresentado e ainda guarda um bom potencial de valorização

NOITE CRIPTO

Cansou? Alta do bitcoin (BTC) perde força, mas semana deve encerrar com ganhos

11 de agosto de 2022 - 20:28

Mais cedo, o BTC subiu mais de 6%, embalado pelos dados de inflação dos EUA, que sinalizaram que um aperto monetário mais agressivo pode não acontecer

Balanço do 2º tri

Cenário difícil para os ativos de risco pesa sobre o balanço da B3 no 2º trimestre; confira os principais números da operadora da bolsa

11 de agosto de 2022 - 19:56

Companhia viu queda nos volumes negociados e também nas principais linhas do balanço, tanto na comparação anual quanto em relação ao trimestre anterior

Economia em 2023

Qualquer que seja o resultado da eleição, a equipe econômica vai restabelecer a âncora fiscal, diz CEO do BTG Pactual

11 de agosto de 2022 - 19:56

Durante a Febraban Tech 2022, Roberto Sallouti, do BTG, tentou minimizar a polarização política e disse que “o Brasil é um só”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies