Menu
2019-10-17T15:01:35-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Balanço SPE

Queda do juro no Brasil é estrutural, diz Ministério da Economia

Entre 2011 e 2013, queda de juros foi feita “na marra” e se tornou insustentável. Agora, Selic menor é vista como sustentável

17 de outubro de 2019
15:01
Touros e Ursos Capa Podcast – Selic Queda – Baixa
Imagem: Seu Dinheiro / Shutterstock

A consolidação fiscal e a inflação ancorada permitiram ao Banco Central trazer a taxa de juros básica (Selic) para o menor valor histórico, atualmente em 5,5% ao ano, e com várias instituições prevendo redução nesse valor, tanto nesse, como no próximo ano.

É com essa frase que a Secretaria de Política Econômica, do Ministério da Economia, abre a parte da nota “Muito Além da Previdência: A economia nos primeiros nove meses de governo”, na qual constata que a queda do custo do dinheiro no país é estrutural.

“No período de 2011 a 2013, tentou-se reduzir os juros na marra, não levando em conta os fundamentos da economia. A inflação esperada não acompanhou o movimento de queda dos juros e essa se tornou insustentável. No atual governo, diferentemente, a redução dos juros reais é resultado de políticas monetárias e fiscais estruturais, sendo, portanto, sustentável”, diz a SPE.

Principais vetores

Segundo a SPE, três políticas contribuem para essa trajetória de queda estrutural do juro:

  • o controle sistêmico das despesas públicas, que garante um cenário de equilíbrio fiscal de longo prazo
  • redução substancial do direcionamento de crédito, melhorando as condições do mercado de crédito livre
  • redução da meta de inflação, conjugada à credibilidade da política monetária

Para avaliar a sustentabilidade da queda dos juros, a SPE considera a evolução da taxa de longo prazo em comparação à inflação implícita. Na figura abaixo, observa-se uma queda substancial da taxa de juros longa, alcançando o mínimo histórico. Além disso, observa-se de forma concomitante a queda da inflação esperada, o que indica a sustentabilidade da queda dos juros.

Consequências

O que se espera dessa redução estrutural dos juros, segundo a SPE, é uma expansão do volume de crédito, a criação de um ambiente mais previsível, que favorece planejamento de longo prazo, e uma redução no custo de carregamento da dívida pública.

“Esses resultados virtuosos na inflação e nos juros são resultado direto da política econômica adotada pelo Governo nesses primeiros meses. O País está definitivamente conquistando um ambiente favorável à retomada do crescimento. É preciso perseverar no mesmo rumo e continuar promovendo as reformas essenciais para a retomada vigorosa das taxas de crescimento na economia brasileira.”

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements