Menu
2019-04-05T09:54:00-03:00
Estadão Conteúdo
Cálculos feitos pela Anefac

Juros recuam 0,59% para o consumidor e 0,84% para empresas em janeiro

Para pessoas físicas, a taxa média de juro caiu em janeiro para 6,75% ao mês, de 6,79% em dezembro do ano passado

11 de fevereiro de 2019
16:04 - atualizado às 9:54
Notas de dinheiro
Diretores da Anefac acreditam que, para os próximos meses, a tendência é de redução nos jurosImagem: Shutterstock

Empresas e consumidores que contraíram alguma modalidade de crédito em janeiro já conseguiram taxas médias de juro 0,84% e 0,59%, respectivamente, mais baratas que as médias praticadas em dezembro. É o que aponta pesquisa feita pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) no mês passado divulgada nesta segunda-feira (11).

A taxa de juros média geral para pessoa jurídica apresentou uma redução de 3,57% em dezembro para 3,54% no mês passado, uma ligeira queda de 0,03 ponto porcentual no mês, correspondente ao recuo de 0,84%, já citado. Em 12 meses, o recuo da taxa de juro cobrada das empresas acumula queda de 1,01%.

Com a queda do juro para as empresas em janeiro, a taxa anual ficou em 51,81%, a menor já registrada desde novembro de 2014, segundo o levantamento da Anefac. Para o consumidor, a taxa média de juro caiu em janeiro para 6,75% ao mês, de 6,79% em dezembro do ano passado, um recuo de 0,04 ponto porcentual correspondente a uma queda de 0,59%. A taxa média de juro para pessoa física anual fechou em janeiro em 118,99%, a menor desde março de 2015.

Para o diretor-executivo de estudos e pesquisas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, essa redução pode ser atribuída à melhora do cenário econômico com crescimento da economia, o que reduz o risco da inadimplência. Também considera as taxas de juros e spreads em patamares elevados, possibilitando redução das mesmas mesmo com a manutenção da Selic.

Oliveira acredita que para os próximos meses a tendência é que as taxas de juros continuem sendo reduzidas, levando em consideração a melhora do cenário econômico com menor risco de crédito e o fato das atuais taxas de juros das operações de crédito estar elevadas.

"Mas, frente às incertezas econômicas que vêm pressionando a cotação do dólar, há risco de as taxas de juros voltarem a ser elevadas nos próximos meses", explica Oliveira. Ele se refere a fatores externos como o quadro econômico em algumas economias emergentes, elevação dos juros americanos, a guerra comercial entre EUA e China, e o Brexit, saída do Reino Unido da União Europeia, entre outros.

Taxa de juros versus Selic

Considerando todas as elevações e reduções da taxa básica de juros (Selic) desde março de 2013, ocorreu no período uma redução da Selic de 0,75 ponto porcentual (ou 10,34%), de 7,25% ao ano em março de 2013 para 6,50% ao ano em janeiro deste ano.

Neste período, a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de 31,02 pontos porcentuais, ou 35,26%, de 87,97% ao ano em março de 2013 para 118,99% ao ano em janeiro de 2019.

Nas operações de crédito para pessoa jurídica, houve uma elevação de 8,23 pontos porcentuais, ou 18,88%, de 43,58% ao ano em março de 2013 para 51,81% ao ano em janeiro último.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

diante da crise

Anac aprova reequilíbrio de R$ 1,27 bilhão para quatro aeroportos

Terminais que foram beneficiados foram os aeroportos internacionais de Guarulhos (R$ 854,9 milhões), Brasília (R$ 184,8 milhões), Salvador (R$ 114,9 milhões) e Confins (R$ 111,1 milhões)

últimos capítulos

Centro de treinamento de pilotos da Varig vai a leilão

Funcionários, que esperam há 14 anos por uma solução para o pagamento de indenizações, querem que 80% do valor arrecadado seja rateado entre os 13 mil ex-empregados

Mudou o chefe

Novo diretor da CVM é a favor do voto plural e fim da exclusividade de autônomos

Aos 38 anos, o advogado tomou posse no cargo nesta terça-feira, 24, e participará de discussões relevantes como a reforma dos regimes de ofertas públicas

novo dia de ganhos

Ibovespa se aproxima dos 110 mil pontos com disparada de blue chips em meio à transição de Biden e vacina

Índice fecha perto das máximas, em sessão liderada por ações de administradoras de shoppings. Dólar prossegue em trajetória de queda em novembro, enquanto juros curtos sobem com IPCA-15 maior do que o esperado

Dança das cadeiras

Carlos Hamilton deixa Banco do Brasil e diretor da BB DTVM assume Relações com Investidores

Vem aí mais mudanças no Banco do Brasil. A instituição anunciou hoje a renúncia de Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo ao cargo de vice-presidente de gestão financeira e de relações com investidores. A razão para a saída do executivo não foi informada. Leia também: OPORTUNIDADE: Confira as ações e FIIs favoritos das carteiras recomendadas das corretoras […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies