Menu
2019-10-02T12:21:44-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
caiu na rede

Em áudios vazados, Zuckerberg revela o que pensa sobre eleições americanas, regulação, Libra e concorrência

Conteúdo obtido por portal americano diz respeito a reuniões que o CEO do Facebook teve com funcionários em julho

2 de outubro de 2019
8:58 - atualizado às 12:21
Mark Zuckerberg Facebook
Imagem: Shutterstock

Em duas horas de áudios vazados, o bilionário Mark Zuckerberg fala a funcionários do Facebook sobre a relação da companhia com o governo, criptomoedas e as próximas eleições americanas.

  • Veja mais: Investidores comuns estão aprendendo como antecipar o movimento das ações com um dos maiores analistas técnicos do país. VAGAS LIMITADAS. Corra. Entre aqui.

O conteúdo, divulgado pelo portal Verge, é uma gravação de reuniões que o CEO da empresa teve com seus colaboradores em julho. À época, o Facebook havia fechado uma multa de US$ 5 bilhões por questões de privacidade e revelado ganhos trimestrais acima das expectativas.

Internamente, os áudios revelam que o clima seguia tenso na empresa. O bilionário americano demonstra preocupações com os candidatos presidenciais de 2020.

Os Estados Unidos devem escolher um novo chefe do executivo e um dos principais opositores de Donald Trump é a senadora Elizabeth Warren, que defende regulação das empresas de tecnologia - um dos temas sensíveis a empresa. A parlamentar tem entre suas propostas impedir que companhias desse setor sejam gigantes como atualmente.

"Você tem alguém como Elizabeth Warren, que acha que a resposta correta é dividir as companhias. Se ela for eleita presidente, então eu aposto que nós teremos um desafio legal à frente, e eu aposto que nós venceremos o desafio legal. E isso ainda é ruim pra gente? Sim. Eu não quero entrar num processo jurídico enorme contra o nosso próprio governo... Mas veja, no final do dia, se alguém vai tentar ameaçar algo que existencial, você vai para o tatame e luta ", disse Zuckerberg.

O executivo diz que desmembrar empresas como Facebook, Google ou Amazon não vai resolver os problema, ainda segundo os áudios obtidos pelo portal. Para ele, a medida não torna menos provável a interferência eleitoral. Pelo contrário, ele diz que seria mais difícil coordenar e trabalhar em junto contra ações antidemocráticas.

Ele cita, como exemplo, o próprio Twitter. O bilionário diz que, embora a empresa enfrente os mesmo problemas em termos quantitativos, seu porte a impede de fazer investimentos mais pesados em segurança.

Desde que o escândalo da Cambridge Analytica, o bilionário tem enfrentado forte resistência de reguladores de todo o mundo. Diante desse cenário, funcionários questionavam por que o CEO do Facebook recusou vários pedidos para comparecer em audiências do governo na Europa.

"Fiz audiências nos EUA. Mas simplesmente não faz sentido para mim ir a audiências em todos os países que querem que eu apareça", explicou o bilionário.

Libra, TikTok e negócio de ficção científica

Em outra frente, o executivo sofre pressões por conta do lançamento da criptomoeda Libra - que também foi tema de comentários nos áudios. "Acho que as coisas públicas tendem a ser um pouco mais dramáticas", falou. "Mas uma parte maior disso é o envolvimento privado com reguladores de todo o mundo, e acho que muitas vezes são mais substanciais e menos dramáticas".

Também é tema dos áudios divulgados pelo portal o aplicativo TikTok, da maior startup do mundo, a chinesa ByteDance. Zuckerberg apresenta um plano para interromper o avanço global de seu mais recente concorrente.

A empresa introduziu um aplicativo chamado Lasso e o lançou no México - onde o TikTok ainda não fez incursões - na tentativa de aperfeiçoar o produto antes de lançá-lo em outros lugares. "Estamos tentando primeiro ver se conseguimos fazê-lo funcionar em países onde o TikTok ainda não é grande antes de competirmos com o TikTok nos países em que são grandes ".

Embora muitas das questões discutidas durante as reuniões sejam sérias, Zuckerberg também tenta aliviar o clima. Quando uma pessoa pergunta se o Facebook algum dia usaria sua tecnologia de interface cérebro-computador para fins de segmentação de anúncios, ele lembra do escrutínio que a Libra tem passado.

O empresário cogita, em tom de brincadeira, o que diriam as manchetes: "O Facebook quer realizar uma cirurgia no cérebro", diz. "Não quero ver as audiências do congresso sobre esse assunto", diz ele, quando a sala começa a rir.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Exile on Wall Street

Estamos para ver o surgimento de um grande conglomerado de moda no Brasil?

Varejo é um jogo de escala. Quanto mais você vende, mais compra. Isso vale não só para os insumos, mas para tudo

Tecnologia no varejo

Magazine Luiza e Totvs anunciam parceria para integração de plataforma e marketplace

Para os vendedores, a notícia representa vendas diretas com taxas menores; já para os consumidores a vantagem é a entrega mais rápida

busca por acordo

Investidores cobram até R$ 60 bi da Petrobras em processos de arbitragem

Casos incluem tanto investidores nacionais quanto estrangeiros e vieram na esteira da Operação Lava Jato, que apontou práticas ilícitas na estatal

país em crise

Concorrente do Uber, Cabify encerra operações no Brasil por conta da pandemia

Fundada há 10 anos em Madri, empresa enfrentou um mercado altamente competitivo no Brasil, mas crise recente foi decisiva para startup deixar o país

TIM Brasil poderá emitir até R$ 5,7 bilhões em debêntures incentivadas

O projeto da operadora para melhorias nas redes fixas e móveis de 21 unidades da federação entrou na lista de autorizações do Ministério das Comunicações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies