Menu
2019-10-14T14:10:47+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Não é bem assim

Libra, o ‘bitcoin do Facebook’, anunciou que já conta com 28 empresas parceiras, mas a Visa diz que não é bem assim

CEO da gigante de pagamentos afirmou que sua empresa apenas assinou uma carta de intenção não vinculante para se juntar à Libra

28 de agosto de 2019
16:40 - atualizado às 14:10
Montagem do logo da Libra (Criptomoeda do Facebook Libra) em uma criptomoeda
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em junho deste ano o projeto Libra, a criptomoeda que está sendo desenvolvida pelo Facebook, anunciou que já contava com 28 grandes empresas parceiras para tocar o projeto. A lista era de causar inveja e contava com grandes marcas como Uber, Spotify, PayPal e Mastercard.

Mas uma declaração recente do CEO da gigante de pagamentos Visa, Alfred Kelly, uma das parceiras anunciadas pela Libra, colocou em xeque a estrutura de negócio. Durante a teleconferência de resultados do terceiro trimestre da sua companhia, Kelly negou que qualquer negócio de parceria tenha sido concluído com o Facebook, idealizador da Libra.

Minimizando o envolvimento da Visa com criptomoeda, o executivo respondeu que as empresas apenas assinaram uma carta de intenção não vinculante para se juntar à Libra. "Somos uma das empresas que expressaram esse interesse. Ninguém ainda se juntou oficialmente”, declarou.

Para ele, ainda é muito cedo para formalizar qualquer vínculo com o megaprojeto, mas que o interesse da Visa existe.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Para onde quer que eu vá

A estratégia divulgada pela cripto do Facebook era que os estabelecimentos que recebiam pagamentos via bandeira Mastercard ou Visa passassem a aceitar também a Libra.

Mas as declarações de Kelly expuseram uma série de obstáculos que o projeto ainda deve superar para que as parcerias se concretizem.

Vale lembrar que o o Facebook vem se defendendo de uma série de ações regulatórias mundo afora desde que resolveu anunciar sua ideia. Os mercados demandam informações mais detalhadas sobre como a Libra funcionaria. Entre os críticos, há o temor de que a chegada desse grande projeto ao mercado cause instabilidade financeira mundo afora.

Trabalhando em segurança

Em busca do seu lugar ao Sol, o projeto Libra atualmente trabalha no lançamento de um Programa Bug Bounty público ainda este ano. A ideia nasce com o objetivo de aumentar a segurança do blockchain, permitindo que os pesquisadores enviem erros e façam alertas sobre problemas de privacidade e segurança.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements