Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
2019-02-26T18:00:46-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
dia 57

De Foz à articulação política

Presidente se reúne como líderes partidários e governo parece entender as críticas feitas e refeitas por Rodrigo Maia

26 de fevereiro de 2019
18:00

O presidente Jair Bolsonaro esteve em Foz do Iguaçu para posse da diretoria de Itaipu Binacional e de lá disse contar com o patriotismo e o entendimento do Parlamento para o andamento da reforma da Previdência. Mas como apenas "contar" com algo não adianta em política, de volta a Brasília, Bolsonaro está reunido com lideranças partidárias no Palácio do Planalto.

Não só Bolsonaro, mas outros membros do governo parecem ter dado ouvidos ao pedido e ao alerta feito presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que a batalha da comunicação está sendo perdida. Nesta terça-feira, Maia voltou ao tema em evento em São Paulo e defendeu que as negociações sejam feitas com partidos e não com as chamadas bancadas temáticas. O presidente da Câmara foi direto ao ponto ao dizer: “As bancadas são construídas basicamente para defender uma agenda corporativa público ou privada”, afirmou.

Abordamos as incertezas dessa tentativa de fazer “nova política” sem partidos em outubro do ano passado. Maia também voltou falar que o governo deveria ter preparado as redes sociais, que foram essenciais na campanha, para essa guerrilha da comunicação.

Também no front da articulação política, o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, esteve com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e com bancadas de outros partidos. As primeiras mudanças no texto da reforma devem envolver, mesmo, a previdência rural e o BPC, que atende aos idosos em situação de miserabilidade.

Estive na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para a sabatina de Roberto Campos Neto para presidência do Banco Central (BC), mas o tema Previdência também esteve por lá. A proposta foi duramente atacada por um senador do PT, defendida por dois governistas, e relativizada por Kátia Abreu (PDT-TO), para quem "a reforma não é essa Coca-Cola toda" e o governo tem de sinalizar outros temas relevantes para o eleitorado, como tributação de lucros e dividendos. A fala dela ecoa o disse Maia: “Nós também temos os nossos eleitores, que nos demandam realizações nos nossos Estados”.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

REVIRAVOLTA

Ibovespa recua 3% e dólar vai a R$ 5,78 após STF anular condenações de Lula na Lava Jato

Diante de um cenário já negativo, a decisão aumenta o nível de incertezas domésticas, segundo analistas

Ajuda na crise

Guedes revela o valor do novo auxílio emergencial e diz que governo pode gastar mais se necessário

Os valores da nova rodada de auxílio emergencial irão de R$ 175 a R$ 375, sendo R$ 250 em média, de acordo com o ministro

apetite chinês

O ano do boi será o ano dos frigoríficos, e o Credit Suisse aponta melhor ação para aproveitar o momento

Peste suína africana nos rebanhos de suínos chineses e demanda por alimentos devem resultar em importação recorde de carne pela China

prepara o bolso

Mais um? Petrobras anuncia novo aumento nos preços do diesel e da gasolina

Diesel vai subir R$ 0,15 por litro e a gasolina será de R$ 0,23 por litro a partir de amanhã nas refinarias da empresa, diz Abicom

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies