Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
2019-04-04T13:57:18-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
DIA 84

Sem rostinho colado, mas tem que dançar

Planalto decide pacificar relações com o Congresso, mas quem fala em descer ao salão de baile é Paulo Guedes

25 de março de 2019
17:48 - atualizado às 13:57

Depois de um tumultuado fim de semana trocando farpas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o presidente Jair Bolsonaro fez reuniões com Paulo Guedes (Economia), Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e outros ministros do que se pode chamar de “núcleo duro”, mas não falou publicamente sobre como resolver o embate entre a nova e a velha política no trato com o Congresso. Ainda a ordem seria pacificar a relação e manter o foco na reforma da Previdência.

Coube a Guedes falar do assunto em evento da Frente Nacional de Prefeitos, entidade que mostrou apoio às reformas, mas criticou duramente a articulação política. Segundo Guedes, há um problema de comunicação que será superado pelas lideranças políticas. De acordo com ministro, que tem uma forma peculiar de comunicação, Bolsonaro não quer dançar de rosto colado porque está uma confusão aí dentro (Câmara), o par (Maia) diz que tudo bem não colar o rosto, mas tem que dançar.

“Não tem caos nenhum”, disse Guedes, complementando que não pode ter “toma lá, dá cá”, mas tem que ter conversa. Guedes disse estar “absolutamente confiante” e deitou elogios à classe política, que é “inteligente, sofisticada e sábia”, por ter se adaptado a um sistema de financiamento que colapsou. Para Guedes, a classe política “vai se adaptar” ao novo momento.

Enquanto isso, do outro lado do salão de dança, ou front de batalha mesmo, Maia mantém a postura em defesa da reforma, mas reforça que a função de obter votos e ditar o timing do projeto é de Bolsonaro e seus ministros. A semana será longa.

Leia aqui todo o Diário dos 100 Dias.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

nos eua

Presidente do Fed descarta elevação preventiva de juros e vê inflação atual como temporária

Jerome Powell atribuiu a alta dos preços à retomada da demanda em quadro de oferta ainda limitada em alguns segmentos

espaço para mais ganhos

Credit Suisse vê Totvs protegida contra inflação e aponta impulso com PIB

Analistas do banco lembram que empresa repassa a alta dos preços para os contratos anuais; papéis TOTS3 já subiram mais de 80% no último ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies