Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
2019-05-02T16:07:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
dia 81

Me dê motivo, para ir embora…

Do Chile, presidente vê Rodrigo Maia deixar articulação pela reforma

22 de março de 2019
17:58 - atualizado às 16:07

O presidente Jair Bolsonaro segue em viagem internacional e de longe viu a eclosão de um problema de articulação política que deve exigir uma revisão de postura para se resolver. Depois de ser atacado por Carlos Bolsonaro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, abandonou o papel de articulador político que tinha assumido de bom grado pela reforma da Previdência. Maia afirmou que seguirá defendendo a reforma, mas que Bolsonaro terá de conseguir os votos para o projeto.

Do Chile, Bolsonaro disse que não deu motivo para a saída de Maia e que está aberto ao diálogo. O que se percebeu é que a mudança de postura de Maia deu vazão à insatisfação de boa parte dos parlamentares que já reclamavam da falta de diálogo com o governo.

A briga não é de hoje e envolve os conceitos de “velha” e “nova política”. Bolsonaro discursa como se ainda estivesse em campanha, com o tom de criminalizar a “política tradicional” e brigar contra o “toma lá, dá cá”. Isso é importante para manter sua base de apoio engajada, mas não pode ser feito via agressão direta e indireta aos aliados.

Segundo nos contou a “Folha de S.Paulo”, Maia falou ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que ele fará a “nova política” e que isso consistiria em não fazer nada e esperar por aplausos nas redes sociais.

O presidente terá de fazer uma mudança de discurso e de postura. Negociar com o Congresso não é ceder à velha política. As barganhas não precisam ser sempre espúrias e envolver verbas e cargos. Bolsonaro tem de convencer que a vitória da reforma da Previdência e demais pautas será de toda a classe política e não apenas do seu governo. No lado contrário, as derrotas serão sempre de Bolsonaro e não pulverizadas na figura impessoal do “Congresso”.

Leia aqui todo o Diário dos 100 Dias.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies