Menu
2019-07-31T20:34:27-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Ainda no vermelho

Vale segue com despesas bilionárias por Brumadinho e tem prejuízo de US$ 133 milhões no trimestre

A Vale registrou provisões bilionárias no resultado do segundo trimestre, ainda relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho. Com isso, a mineradora teve mais um balanço com prejuízo líquido

31 de julho de 2019
19:54 - atualizado às 20:34
Barragem da Vale desaba em Brumadinho (MG)
O rompimento da barragem de Brumadinho continua impactando os resultados financeiros da Vale - Imagem: Corpo de Bombeiros/Divulgação

O rompimento da barragem I na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, segue trazendo impactos financeiros à Vale. A mineradora reportou, na noite desta quarta-feira (31), seu balanço referente ao segundo trimestre deste ano — e os números ainda refletem os efeitos da tragédia.

A Vale reportou uma provisão total de US$ 1,374 bilhão entre abril e junho, montante ainda referente ao rompimento da barragem em Brumadinho. Esse montante está dividido em três frentes:

  • Ações e acordos ambientais, no montante de US$ 1,19 bilhão;
  • Descomissionamento de estruturas não consideradas no primeiro trimestre, na cifra de US$ 98 milhões;
  • Revisão de provisões ligadas aos termos e acordos com autoridades, no total de US$ 86 milhões;

Essas provisões impactaram diretamente o resultado financeiro da Vale e foram determinantes para que a mineradora encerrasse o trimestre com prejuízo líquido de US$ 133 milhões — no mesmo período do ano passado, a companhia teve lucro de US$ 76 milhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A receita líquida da Vale, por outro lado, chegou a US$ 9,186 bilhões no segundo trimestre deste ano, um avanço de 6,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o Ebitda — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — caiu 20% na mesma base de comparação, para US$ 3,098 bilhões.

Com os números contabilizados entre abril e junho deste ano, a Vale teve o segundo trimestre consecutivo de perdas: nos três primeiros meses deste ano, a mineradora contabilizou prejuízo de US$ 1,642 bilhão. Na ocasião, a empresa fez um provisionamento de US$ 4,5 bilhões por causa de Brumadinho.

Provisões e despesas

Além do US$ 1,374 bilhão provisionado, a Vale ainda teve uma despesa de US$ 158 milhões no trimestre, ligada às reparações ainda em andamento em Brumadinho — a empresa não dá maores detalhes quanto ao teor dessas medidas.

A mineradora ainda diz ter entrado em negociações com autoridades ambientais, atuando para "remediar os danos ambientais causados". Segundo a Vale, foram pagos pouco mais de 104 mil indenizações de emergência, assinados 263 acordos trabalhistas para indenizar familiares de funcionários mortos na tragédia de Brumadinho e reconhecidos 188 acordos de indenização individuais.

Crescimento da receita

A evolução na receita operacional líquida da Vale no trimestre se deve, principalmente, ao bom desempenho da unidade de minerais ferrosos. Sozinha, a divisão respondeu por US$ 7,315 bilhões da receita, um avanço de 15,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em mensagem aos acionistas, a companhia afirma que o preço médio de referência do minério de ferro foi 53% maior que o verificado entre abril e junho do ano passado — esse salto se deve à maior produção de aço na China e à diminuição dos estoques globais da commodity.

"Olhando para frente, dados do mercado imobiliário chinês no primeiro semestre de 2019 sugerem que a demanda por metais permanecerá alta, com a expectativa do governo chinês anunciar estímulos ao longo do resto do ano", diz a Vale, ponderado que essa situação daria suporte ao consumo de commodities no país em meio à guerra comercial entre China e EUA.

Além disso, a Vale ainda pondera que os preços do aço nos EUA e em outras regiões estão se recuperando, com sinais de tendência a permanecer em patamares elevados no segundo semestre — o que cria perspectivas animadoras para a divisão de minerais ferrosos para o restante do ano.

Dívida em queda

A mineradora registrou uma geração de caixa de US$ 2,2 bilhões no segundo trimestre deste ano, o que fez com que a dívida líquida da Vale recuasse de US$ 12 bilhões ao fim de março para US$ 9,7 bilhões no término de junho — uma redução de cerca de 19,2% em três meses.

Com isso, a alavancagem da Vale, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado nos últimos 12 meses, ficou em 0,9 vez no segundo trimestre — ligeiramente inferior ao nível visto nos três primeiros meses do ano, de uma vez.

E os investimentos?

Ao todo, a companhia investiu US$ 730 milhões entre abril e junho deste ano, cifra 3,5% maior que a reportada no mesmo intervalo de 2018. Desse montante, US$ 130 milhões foram utilizados para a execução de projetos e outros US$ 600 milhões foram aplicados na manutenção das operações.

Entre os US$ 600 milhões investidos em manutenção, a maior parte — US$ 358 milhões — foi usada para promover melhorias nas operações. A lista de aplicações ainda inclui projetos de reposição (US$ 67 milhões), saúde e segurança (US$ 50 milhões), investimentos em barragens e pilhas de estéril (US$ 39 milhões), gestão de barragens (US$ 33 milhões), administrativo (US$ 30 milhões ) e investimentos sociais e proteção ambiental (US$ 23 milhões).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Nadando no dinheiro

Ibovespa nas máximas e dólar a R$ 4,14: o retrato de uma semana quase perfeita para os mercados

O Ibovespa cravou a quinta alta consecutiva nesta sexta-feira e chegou a mais um recorde de fechamento, aso 111.125,75 pontos. O dólar à vista acumulou perdas de mais de 2% na semana, voltando a R$ 4,14

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Sinais de força da economia brasileira

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

SAQUES DO FGTS

Caixa libera saque do FGTS para não correntistas nascidos em setembro e outubro

Serão pagos R$ 3,3 bilhões para aproximadamente 9,1 milhões de pessoas

CAPITALIZAÇÃO DA ELETROBRAS

Eletrobras está condenada à morte, diz Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a falta de recursos para investimentos está condenando a Eletrobras à morte. Ele destacou que a estatal tem feito somente um terço do necessário para manter sua posição o mercado. “A Eletrobras precisava investir R$ 16,5 bilhões todo ano para manter a fatia de mercado, Hoje ela […]

Altas e baixas

Via Varejo, Cyrela e MRV: os destaques do Ibovespa nesta sexta-feira

A perspectiva de manutenção dos juros em níveis baixos deu forças às ações de varejistas, como a Via Varejo, e de construtoras, como MRV e Cyrela

novo unicórnio na área

Estúdio de games brasileiro recebe aporte do Benchmark e é avaliado em US$ 1 bi

Wildlife Studios anunciou um aporte de US$ 60 milhões; empresa foi criada em 2011 com o investimento inicial de US$ 100

mercado de trabalho

EUA criam 266 mil postos de trabalho em novembro, acima do esperado

Os Estados Unidos criaram 266 mil empregos em novembro, segundo dados com ajustes sazonais publicados hoje pelo Departamento do Trabalho. O resultado veio bem acima das previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, que variavam de 128 mil a 215 mil vagas, com mediana de 183 mil. Já a taxa de desemprego caiu de 3,6% […]

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements