Menu
2019-04-05T10:23:41-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

O que é regime de capitalização da Previdência, afinal?

Neste vídeo eu explico direitinho o que é o regime de capitalização e como ele poderia ser adotado na Previdência Social após uma reforma

6 de fevereiro de 2019
12:56 - atualizado às 10:23

O regime de capitalização é uma das propostas na mesa do governo Bolsonaro para a reforma da Previdência. Já adotado na Previdência Social de alguns países, o sistema prevê que as contribuições previdenciárias dos trabalhadores sejam direcionadas a uma poupança, que deve ser rentabilizada e sustentá-los na aposentadoria.

Mas a adoção de um regime de capitalização na Previdência Social normalmente se dá de maneira um pouco diferente do que acontece, por exemplo, na previdência privada. No vídeo a seguir eu explico direitinho o que é o regime de capitalização, a diferença para o atual regime de repartição e como o novo sistema poderia funcionar na previdência pública após uma reforma.

Veja a seguir a transcrição do texto do vídeo

Uma das propostas aventadas para a Reforma da Previdência, e promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro, é a implantação de um regime de capitalização na Previdência Social. Mas que bicho é esse, afinal?

A Previdência Social brasileira funciona hoje segundo o regime de repartição, também chamado de regime solidário. Nele, os trabalhadores da ativa sustentam os inativos. Ou seja, aquelas contribuições previdenciárias que os trabalhadores formais mais jovens fazem todo mês são direcionadas a pagar os benefícios de quem já se aposentou. É uma espécie de taxação.

No regime de capitalização, as contribuições dos trabalhadores são direcionadas a contas individuais e investidas em aplicações financeiras para gerar uma rentabilidade. É formada uma poupança. O valor da aposentadoria, portanto, depende de quanto o trabalhador conseguiu poupar e do retorno dos investimentos.

O regime de capitalização já é utilizado nos planos privados de previdência complementar, como os fundos de pensão, os PGBL e os VGBL. Mas a ideia do governo atual é adotar esse sistema também na Previdência Social.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Essa medida poderia contribuir para solucionar a atual insustentabilidade do regime de repartição. Conforme a população jovem diminui e a idosa aumenta, a gente tem cada vez menos trabalhadores ativos para bancar os inativos, o que vem demandando mais gastos do governo para fechar a conta.

Só que a adoção do regime de capitalização pode trazer alguns problemas. Um deles ficou evidente na reforma da Previdência feita no Chile nos anos 1980. A adoção da capitalização pura pode deixar os trabalhadores informais totalmente sem renda na velhice. Além disso, os valores dos benefícios podem cair muito em relação ao regime de repartição.

Por conta disso, outros países que adotaram a capitalização preferiram um sistema híbrido em três pernas: uma renda mínima universal, paga até para quem não contribuiu; uma parte do benefício paga segundo o regime de repartição; e uma terceira parte proveniente da capitalização. O modelo adotado no Brasil provavelmente iria nessa linha.

Outra questão em torno da capitalização é a transição do regime de repartição puro para o regime híbrido. Num primeiro momento, essa transição geraria um custo enorme para o governo, já que parte das contribuições deixariam de ir para os aposentados para alimentar as contas individuais dos trabalhadores ativos.

Uma possível solução seria adotar um sistema de contas virtuais, como já acontece em alguns países. As contribuições continuam bancando as aposentadorias dos inativos, mas quando o trabalhador se aposenta, o seu benefício depene de quanto ele conseguiu contribuir e de qual teria sido a rentabilidade se esses valores tivessem sido aplicados. O efeito é similar ao das aplicações financeiras, sem que as contribuições precisem ser investidas de fato.

Gostou do vídeo? Então deixa aqui no campo de comentários as suas dúvidas e sugestões para outros vídeos, e não se esqueça de se inscrever no nosso canal de YouTube.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MUDANÇAS À VISTA?

Concessionária de Viracopos ‘sinaliza’ com processo de devolução, diz ministro

No fim de novembro, a Aeroportos Brasil, administradora de Viracopos, protocolou na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) as considerações finais do processo de caducidade (extinção) do terminal de Campinas

Leilões

Governo projeta até 44 leilões para 2020, incluindo a rodovia presidente Dutra

Em 2019, segundo o ministro, o governo realizou 27 licitações. Foram 13 terminais portuários, um trecho da Ferrovia Norte-Sul, as rodovias BR-364 e 365 e 12 aeroportos

O Ibovespa e o eu do futuro

A Helena, minha filha de nove anos, e os amigos da escola decidiram escrever uma carta para o “eu do futuro” como trabalho de final de ano – hoje é o último dia de aula. Eu nunca tive esse tipo de atividade quando criança, mas já pensei várias vezes em como seria fazer algo do […]

Pelos poderes de Grayskull

Com corte na Selic e alívio na guerra comercial, o Ibovespa teve a força nessa semana

Sinalizações amigáveis do BC em relação à taxa de juros, visão positiva da agência de risco S&P quanto ao Brasil e acordo comercial entre EUA e China: eis os superpoderes do Ibovespa nesta semana

ENERGIA

Eletrobras e Ande fecham acordo sobre divisão de energia de Itaipu

Ainda de acordo com a nota, agora será possível a formalização dos contratos entre a entidade binacional e as empresas compradoras

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Mais um corte na Selic. Será o último?

Os repórteres do Seu Dinheiro comentam o novo corte de 0,5 ponto na Selic e discutem os próximos passos do BC em relação à taxa de juros

Ação sobe forte

Investidor vê descoberta de fraude contábil na Via Varejo como parte da “faxina” da nova gestão

Apesar do prejuízo que pode chegar a R$ 1,4 bilhão no balanço do quarto trimestre, as ações da companhia (VVAR3) registram forte alta hoje na bolsa

Última forma

Agora que o governo voltou atrás, saque aniversário do FGTS ficou mais vantajoso

Há mais ou menos um mês eu publiquei aqui no Seu Dinheiro uma matéria sobre em quais situações o saque aniversário do FGTS valeria a pena. Trata-se de uma nova modalidade de saque do fundo de garantia em que o trabalhador pode escolher receber uma parte dos seus recursos depositados no fundo uma vez por […]

IPO À VISTA

Bahia pretende abrir capital da Embasa em 2020 e arrecadar de R$ 4 bi a R$ 5 bi

Segundo ele, o tema já está sendo discutido com bancos nacionais e internacionais, como Banco do Brasil, Caixa e Santander

enfim uma trégua

China e EUA fecham ‘fase 1’ de acordo comercial

País presidido por Trump deve retirar tarifas sobre produtos chineses em fases; novas tarifas previstas para entrar em vigor no dia 15 não mais serão levadas adiante

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements