Menu
2019-06-11T18:40:26+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Vem, desinvestimentos!

Mais magrinha! Petrobras assina acordo com Cade que prevê venda de oito refinarias da estatal

O termo busca incentivar a entrada de novos agentes econômicos no mercado de refino, além de suspender inquérito aberto pelo Cade para investigar suposto abuso de posição dominante da petroleira no segmento de refino

11 de junho de 2019
17:00 - atualizado às 18:40
Letreiro da Petrobras em frente a prédio
Letreiro da Petrobras em frente a prédio - Imagem: Shutterstock

Depois de muita expectativa sobre o tema, a Petrobras publicou hoje (11) um fato relevante sobre a assinatura de acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e que envolve a possível venda de oito refinarias da estatal, que possuem uma capacidade de refino de 1,1 milhão de barris por dia, o que é equivalente a 50% da capacidade. A medida é extremamente positiva para a companhia e para o governo, já que vem ao encontro da ideia de privatização e venda de ativos.

Na lista estão nomes como a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), Refinaria Landulpho Alves (Rlam), Refinaria Gabriel Passos (Regap), Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), Refinaria Isaac Sabbá (Reman) e
Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor).

Novos agentes no mercado

No documento, a petroleira destaca que o termo tem por objetivo propiciar condições concorrenciais e incentivar a entrada de novos agentes econômicos no mercado de refino, além de suspender inquérito aberto pelo Cade para investigar suposto abuso de posição dominante da Petrobras no segmento de refino.

Hoje, a empresa detém 98% de participação nesse segmento e a concorrência fica a cargo de importação e de empresas com baixa expressividade no território brasileiro.

"Com a celebração desse termo, dentre outros compromissos relacionados, a Petrobras está se comprometendo a vender integralmente os ativos de refino divulgados em comunicado de 26/04/19, com base em um cronograma acordado entre as partes, nos termos da Sistemática de Desinvestimentos da companhia, segundo o disposto no Decreto 9.188/17", diz a companhia no comunicado.

Apesar de autorizar a venda, o documento estabelece que algumas delas são ativos potencialmente concorrentes e que não poderão ser adquiridos por um mesmo comprador ou empresa do grupo econômico.

Entre os nomes que fazem parte dessa lista estão a Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e Refinaria Abreu e Lima (Rnest); Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) e Refinaria Alberto Pasqualini (Refap); e a Refinaria Gabriel Passos (Regap).

O comunicado ainda diz que as etapas subsequentes dos projetos de desinvestimento das refinarias serão divulgadas oportunamente ao mercado.

Evitando uma bolada

O acordo, aprovado por quatro votos a dois, foi criticado pelo Conselho. Segundo o termo, as refinarias devem ser vendidas até 31 de dezembro de 2021, o que pode ser prorrogado por mais um ano. Com isso, a Petrobras mantém as refinarias de São Paulo, Rio de Janeiro e uma no Nordeste.

O presidente do Cade, Alexandre Barreto, disse que, se a Petrobras fosse condenada no processo que investigava abuso no mercado de refino, a multa poderia ser de cerca de R$ 9 a R$ 10 bilhões, de acordo com a jurisprudência do órgão, podendo chegar ao limite de R$ 60 bilhões.

Barreto rebateu críticas feitas por dois conselheiros, que votaram contra a homologação do acordo por entender que não houve investigação suficiente. “Cada conselheiro tem postura mais estatizante ou menos estatizante. Abreviamos em dezenas de anos [as investigações], o acordo com a Petrobras é vitória gigantesca para a concorrência no País”, afirmou.

O presidente explicou que a venda de refinarias de uma mesma região não poderá ser feita a um mesmo comprador, para garantir a concorrência das novas empresas. A compra de cada refinaria será analisada pelo Cade individualmente.

Barreto acrescentou que a assinatura de acordos de cessação de conduta é pratica “absolutamente normal” no Cade. “O mais importante é interromper a conduta, vou ficar discutindo por vários anos? A divergência é sempre válida e críticas são importantes para construir decisão robusta”, acrescentou o superintendente-geral do Cade, Alexandre Cordeiro.

Já o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que a empresa decidiu negociar o acordo com o Cade para se antecipar às investigações. “Petrobras tem pressa em cumprir o acordo”, afirmou.

Reação do mercado

Após a publicação do fato relevante, as ações preferenciais da Petrobras (PETR4) estavam entre as mais negociadas do dia. No fechamento do pregão, os papéis preferenciais apresentaram crescimento de 1,95%, cotados em R$ 27,17.

As ações ordinárias (PETR3), por sua vez, também seguiram o movimento de leve alta. No mesmo horário, esses papéis apresentaram valorização de 1,91%, cotados em R$ 29,91.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Nada como a concorrência

Caixa lança o desafio e bancos se movem: BB oferece financiamento imobiliário com taxas de acordo com prazos e Bradesco avalia juros atrelados ao IPCA

Banco do Brasil vai praticar tarifas mais baixas para prazos de financiamento menores, enquanto o Bradesco ainda é reticente com as mudanças

Seu Dinheiro na sua noite

Tupi or not tupi

Há quase um século, o escritor Oswald de Andrade redigia o Manifesto Antropofágico, o clássico (e divertidíssimo) texto no qual defende a valorização de uma cultura verdadeiramente brasileira. A ideia não era se opor à influência estrangeira, mas devorá-la. A zoeira com o monólogo de Shakespeare em Hamlet (“To be, or not to be”) sintetiza […]

No júri

Petrobras tem vitória no Carf em processo envolvendo R$ 5,1 bilhões

Processo administrativo fiscal trata da cobrança de CIDE-Importação sobre remessas ao exterior para pagamento de contratos de afretamento

Crédito mais barato

Caixa apresenta nova modalidade de financiamento com juros atrelados ao IPCA

Taxas de juros da nova modalidade vão oscilar entre 2,95% a 4,95% ao ano mais a variação do IPCA. A demanda estimada pelo produto está na casa de R$ 50 bilhões

Vai tranquilo

Maia sobre reforma tributária: “não estamos com pressa”

Presidente da Câmara diz querer estabelecer um debate sobre o tema de forma tranquila e profunda

De mudança e sob nova direção

Após governo mandar Coaf para o BC, Ricardo Liáo é nomeado novo presidente do órgão

Indicação é vista como uma forma de garantir certa continuidade na administração do Coaf

Sem sinal

Oi perde quase metade do valor na bolsa em apenas quatro dias

Com mais de 37,5 milhões de clientes no país, Oi passa a ser avaliada em apenas R$ 4,4 bilhões na B3; só hoje, as ações ordinárias da operadora registraram uma desvalorização de 27%, cotadas a R$ 0,73

DE OLHO NO GRÁFICO

Queda do Ibovespa, S&P e as ações para ficar de olho

No De Olho no Gráfico de hoje, Fausto Botelho fala de suas expectativas para o Ibovespa, o S&P, o Nasdaq, o dólar e o desempenho das ações para as quais tem recomendação de venda

Primeiro texto

Relator da reforma da Previdência no Senado diz estar fazendo esforço para entregar relatório na sexta-feira

A presidente da CCJ, Simone Tebet, já havia dito que essa era a previsão, sendo que a leitura do documento será feita no dia 28

Siga o dinheiro

Fluxo do gringo na bolsa em 2019 ainda é positivo e eu posso provar

Dados disponibilizados pela B3, que mostram saída de R$ 19 bilhões até 15 de agosto, não contabilizam valores movimentados em ofertas de ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements