Menu
2019-05-31T19:19:25+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Efeito colateral

Trump bateu no México, mas quem sentiu o golpe foi o mercado — em especial, GM e Ford

Os Estados Unidos vão sobretaxar as importações de produtos mexicanos. A abertura de mais um front na guerra comercial trouxe pessimismo aos mercados e afetou as empresas que dependem do México, como as montadoras de automóveis

31 de maio de 2019
15:00 - atualizado às 19:19
Donald Trump, presidente americano
Trump partiu para o ataque contra o México — mas a medida afetou as grandes montadoras de veículos - Imagem: shutterstock

A narrativa já está começando a ficar repetitiva. O governo americano sinaliza que irá sobretaxar as importações de determinado país, usando a ameaça tarifária como moeda de barganha — e os mercados entram numa espiral negativa de aversão ao risco. E, nesta sexta-feira (31), esse modus operandi voltou aos holofotes.

Desta vez, o governo Trump apontou suas armas ao México, afirmando que irá impor uma tarifa de 5% sobre todos os bens importados do país vizinho até que o governo local tome atitudes para cessar a onda de imigrantes ilegais que chegam ao território americano. A medida deve valer a partir do dia 10.

Mas, ao mirar no México, Trump pode gerar danos colaterais para empresas americanas que possuem operações no país vizinho ou que dependem de produtos de origem mexicana. O setor automotivo se encaixa nesse perfil — e grandes montadoras, como GM e Ford, estão sofrendo na bolsa de Nova York.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

As ações da GM fecharam em queda de 4,25% na NYSE, a US$ 33,34, enquanto os papéis da Ford recuaram 2,27%, a US$ 9,52. O México tem importância vital para a indústria automotiva americana, uma vez que muitos dos veículos vendidos nos Estados Unidos são produzidos em unidades em território mexicano.

E mesmo as unidades fabricadas em solo americano dependem de autopeças importadas do México. Outras montadoras com ações negociadas em Nova York, como a Fiat Chrysler (-5,82%), também tiveram um dia negativo.

As ameaças de Trump, contudo, não se restringem ao aumento de 5% nas taxações aos produtos mexicanos. Segundo a Casa Branca, a alíquota subirá cinco pontos percentuais por mês se a "crise de imigração ilegal persistir, podendo chegar a 25% em outubro. E, considerando a complexidade do tema, não parece razoável esperar uma solução rápida.

Tensão global

A ofensiva dos EUA contra o México diminui ainda mais a expectativa quanto ao fechamento de um acordo comercial entre os governos americano e chinês. Afinal, a administração Trump não parece disposta a ceder em nenhum aspecto no front comercial — e a China também não dá sinais de que pretende sair por baixo nessa disputa.

O tom agressivo adotado pelo vice-presidente americano, Mike Pence, também contribui para trazer apreensão aos mercados. Ele declarou que o governo dos EUA pode "mais do que dobrar" as tarifas sobre importações da China, e descreveu a gigante tecnológica chinesa Huawei como "incompatível com os interesses de segurança dos EUA".

Esse sentimento negativo ganha ainda mais força por causa dos dados fracos da indústria chinesa em maio. O índice de gerentes de compras (PMI) do setor caiu de 50,1 em abril para 49,4 em maio — um resultado abaixo de 50 indica contração na atividade.

A percepção de que a economia chinesa já começa a sentir os primeiros efeitos da disputa comercial com os EUA traz grande aversão ao risco aos mercados externos, que temem um movimento global de desaceleração econômica.

Nesse contexto, as bolsas de Nova York tiveram mais uma sessão negativa. O Dow Jones recuou 1,41%, o S&P 500 teve perda de 1,32% e o Nasdaq caiu 1,51%. E, no mercado global de câmbio, o dólar avançou mais de 2% em relação ao peso mexicano nesta sexta-feira.

No mês, o saldo não foi favorável para os mercados acionários americanos. O Dow Jones acumulou perdas de 6,68% nos últimos 31 das. O tom foi igualmente negativo no S&P 500 e no Nasdaq, que recuaram 6,57% e 7,93% desde o início de maio, respectivamente.

Commodities sofrem

Os temores de desaceleração econômica também afetam negativamente os preços das commodities. A lógica é simples: um menor crescimento das economias globais tende a reduzir a demanda por minério de ferro, petróleo e outros produtos desse tipo.

O petróleo WTI, por exemplo, caiu 5,69% hoje — acumulou queda de 16,5% em maio. O Brent, por sua vez, teve baixa de 5,57% nesta sexta-feira, com perdas de 15,3% no mês.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Linha VIP

Bradesco e Itaú preparam crédito imobiliário ajustado pelo IPCA para endinheirado

Bancos privados correm atrás da concorrente Caixa Econômica Federal, que ofereceu a modalidade para o público em geral

Grana solta

Onyx anuncia liberação de R$ 8,3 bilhões em recursos do Orçamento

Informações do ministro mostram que, do total desbloqueado, R$ 1,9 bilhão ficará para a Educação

De olho nas cotações

Preocupações com a alta do petróleo diminuem após declarações de ministro saudita

O ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, afirmou que a oferta do petróleo voltou ao nível visto antes do ataque

Leilão em outubro

17 empresas se inscrevem para 16ª rodada de petróleo, diz ANP

Entre as inscritas, 15 são estrangeiras. Na 16ª Rodada de Licitações, vão ser oferecidos 36 blocos de pós-sal

De olho nos bons modelos

Por que Elon Musk acha que a Tesla tem que ser mais parecida com a Amazon?

Em uma ligação, Musk sugeriu que a Amazon não sobreviveria se utilizasse um modelo de entregas similar ao que a Tesla utiliza

boas novas

Desde lançamento, 20% dos financiamentos pela Caixa foram IPCA, diz CEO da Tecnisa

Linha de crédito atualizada pela inflação vale para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI)

Dicas valiosas

5 coisas que os ultrarricos estão fazendo (e que você deveria fazer) para proteger seu patrimônio

Pauta de uma recessão financeira entrou de vez na lista de grandes especialistas e proteger o seu patrimônio deve ser uma de suas prioridades

campeão?

Brasil está entre os países que menos cobram impostos sobre renda

País teve a quarta menor carga tributária para pessoas das duas rendas anuais estudadas por rede de empresas de auditoria e contabilidade

Mercados

Está faltando dólar nos EUA e Fed oferta US$ 75 bilhões

Situação pouco comum no mercado interbancário leva Banco Central americano a ofertar liquidez pela primeira vez em 10 anos. No fim da tarde, outra operação foi anunciada para quarta-feira

mudança nas regras

Sem correção do salário mínimo, economia pode ir a R$ 37 bilhões

Os reajustes pela inflação e variação do PIB vigoraram de 2011 a 2019, mas nem sempre o salário mínimo subiu acima da inflação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements