Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mantenha o foco

Esqueça o PIB, continue acompanhando a reforma da Previdência

O fator determinante para nossos investimentos é o que vai acontecer aqui em Brasília envolvendo o andamento da agenda de reformas. PIB de 2019 já está sendo revisado para baixo

28 de fevereiro de 2019
10:35 - atualizado às 13:56
Keep-Going-siga-placa
Imagem: Shutterstock

Quando comentamos o Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre dissemos que o resultado tinha pouca importância para os investimentos em renda fixa ou renda variável. A avaliação segue a mesma para o resultado de 2018, mesmo ele sendo decepcionante.

O PIB “passado” tem pouca relevância na formação de preço dos ativos, pois o mercado antecipa o resultado final com grande acurácia por meio das divulgações dos demais indicadores de atividade, como vendas no varejo, produção industrial, arrecadação de impostos e o Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br).

O que era e ainda é determinante para nosso dinheiro é o que vai acontecer aqui em Brasília envolvendo o andamento da agenda de reformas, notadamente a reforma da Previdência.

Toda a formação de expectativas está colocando na conta que o governo Jair Bolsonaro vai conseguir aprovar a reforma, dando sustentabilidade às contas públicas.

Cenário que seria propício para um “bull market” histórico no preço dos ativos brasileiros, com retomada de investimentos domésticos e externos e transformação da melhora da confiança já vista em PIB efetivo.

O contrário também é válido. A não reforma seria desastrosa para o país, com a forte reversão de expectativas batendo primeiro no mercado e depois se espalhando de forma consistente para o lado real da economia, que como o PIB e, notadamente, a taxa de desemprego, mostram, está em ritmo de recuperação bastante gradual.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O PIB e o BC

O crescimento de 1,1% em 2017 e 2018 deve promover uma intensificação nos debates em torno do espaço para novas redução da taxa básica de juros, a Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano.

Estamos participando desse debate desde o fim do ano passado e voltando ao tema agora em fevereiro. Basicamente, para parte do mercado e da academia, essa falta de reação consistente da atividade aliada à inflação comportada e projeções em linha com as metas mostra que o BC já poderia estar praticando juros ainda menores. Em termos acadêmicos, a política monetária poderia estar mais estimulativa, com juro real, que está na casa dos 2,3%, ainda menor.

O BC responde a essas críticas falando que o estímulo monetário está adequado e que o crescimento depende da redução das incertezas, que depende das reformas. O BC acompanha tanto o cenário externo com o andamento da agenda de reformas, que é essencial para manutenção da inflação e das expectativas ancoradas.

Ilan Goldfajn vem insistindo na “cautela, serenidade e perseverança” na condução da política monetária e seu sucessor, que tomou posse hoje de manhã, Roberto Campos Neto, acenou que vai seguir na mesma linha.

Por ora, o que se pode dizer é que se a Selic não cai, também não deve subir dos atuais 6,5%, até que esteja mais clara qual reforma da Previdência vai sobreviver às negociações políticas que ocorrem no Congresso. O que não deixa de ser boa notícia para os ativos de risco.

Cenário binário e revisões para baixo

De acordo com o gestor de fundos da SRM, Vicente Matheus Zuffo, o dado que surpreendeu na divulgação do PIB foi a revisão do crescimento do terceiro trimestre de 0,8% para 0,5%, o que fez com que o resultado do ano ficasse no 1,1%.

Segundo o especialista, isso terá impacto no chamado carrego estatístico de 2018 para 2019. O crescimento “contratado” deste ano será um pouco menor. Com isso, vamos observar um movimento de revisões nas projeções de crescimento do ano.

As projeções médias estavam oscilando ao redor dos 2,5%, e já começam a cair para algo mais próximo dos 2%.

Falando de perspectivas, Zuffo afirma que a visão da SRM é binária, pois tudo depende das reformas. Se a aprovação da reforma da Previdência ocorrer dentro de um quadro de razoável economia fiscal, que sinalize estabilidade e posterior redução da dívida, poderemos ver um crescimento um pouco melhor no fim de 2019.

“Se tiver frustração ou reforma muito aguada é possível que a economia continue patinando”, avalia.

O desempenho da economia segue muito abaixo do potencial. Segundo Zuffo, só para recompor o que foi perdido em 2015 e 2016, o PIB poderia estar crescendo 2,5% a 3% todo ano.

Ainda sobre as reformas, a aprovação não precisa ser rápida, o que precisa acontecer o quanto antes é que tipo de reforma será aprovada para tirar o mercado e os empresários do “modo de espera”.

De acordo com o gestor, esse fraco desempenho da economia reforça a opinião de quem defende um corte da Selic no curto prazo. Mas a SRM não avalia esse corte como necessário.

No lado dos preços, há um choque de alimentos que deve se manifestar na inflação de fevereiro. Não deve ser nada preocupante, diz Zuffo, mas deve ser suficiente para tirar essa pressão de parte do mercado por corte de juros.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disputa pelos ares

Cade analisará Latam e Gol no caso Avianca

Órgão de defesa da concorrência abre processo para investigar conduta anticompetitiva de Gol e Latam. A suspeita é que companhias tenham entrado na disputa de forma a tirar a Azul da jogada

Vídeo

Por que a política tem tanta influência na bolsa brasileira?

Nas últimas semanas, canetadas presidenciais mexeram com o Ibovespa. Entenda por que quem investe em ações no Brasil tem que ficar mais de olho na política do que o normal

IR 2019

Como declarar o imposto de renda 2019: tudo que você precisa saber para prestar contas ao Leão

Neste guia, você encontra o caminho das pedras para preencher e entregar a sua declaração de imposto de renda, mesmo que seja a sua primeira vez

#Tamojunto

Relacionamento entre Bolsonaro e Guedes é ótimo

Prova disso é que com uma boa conversa, o ministro não só resolveu o imbróglio da Petrobras, como plantou a ideia de privatização dessa joia da coroa

Escolha feita hoje

Conselho da Lojas Renner elege Fabio Faccio como diretor presidente

Varejista de moda confirma o processo de transição que havia sido anunciado em novembro de 2018, com a saída de José Galló do cargo

Após zerarem taxa

Cade instaura processo contra Itaú e Rede

Suspeita é que haja conduta anticompetitiva, já que o Itaú, dono da Rede, oferece condições melhores para clientes da sua própria credenciadora

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a música para de tocar

Está com saudades dos tempos em que a renda fixa garantia retornos de 1% ao mês? E se eu lhe dissesse que havia uma aplicação no mercado que dava uma rentabilidade mensal de 5%, e com risco praticamente zero? Eu sei, está com cara daquelas pirâmides financeiras, mas os ganhos eram bem reais. Essa era […]

DE OLHO NO GRÁFICO

Três altcoins para você investir a partir de hoje

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast: A volta dos IPOs e diesel no chope

Marina Gazzoni e Vinicius Pinheiro comentam os altos e baixos da semana.

condições

Governo negocia mudar reforma desde que mantida economia de R$ 1 tri, diz Joice

Dizendo-se confiante na aprovação da reforma no Congresso, líder do governo no Congresso preferiu não se arriscar a falar quantos votos o governo tem hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

GUIA GRATUITO

Como declarar seus investimentos no IR 2019