Menu
2019-04-04T13:58:25+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

E se a Selic caísse um pouco mais?

Para reunião desta quarta-feira, manutenção em 6,5% é unanimidade, mas há elementos que permitem uma discussão sobre quão estimulativa está a política monetária

12 de dezembro de 2018
5:13 - atualizado às 13:58
Reunião do Copom com Ilan Goldfajn à frente
Copom destaca cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária - Imagem: Beto Nociti/BCB

O Comitê de Política Monetária (Copom) tem sua última reunião de 2018 nesta quarta-feira e não se espera nada diferente da manutenção da Selic em 6,5% ao ano. No entanto, começam a surgir mais elementos a embasar uma discussão se não haveria espaço para quedas adicionais.

O assunto parece tedioso em uma primeira avaliação, mas pode ser determinante para os investimentos ao longo de 2019. Selic ainda menor estimularia um rearranjo em toda a curva de juros deixando ainda mais atrativos os prefixados de longo prazo e Notas do Tesouro Nacional (NTN-B) que encontramos no Tesouro Direto.

Além disso, Selic menor também daria impulso ao mercado de renda variável, contribuindo para melhorar o resultado das empresas, e estimularia uma ainda tímida recuperação da atividade, que se refletiria com mais força nos fundos de investimento imobiliário.

Toda a agenda do próximo governo se estrutura na expectativa com relação à realização de reformas de natureza fiscal, notadamente a reforma da Previdência. No entanto, o comportamento da inflação, que continua surpreendendo para baixo, e a anêmica retomada da atividade permitem uma discussão sobre o espaço para um ajuste da política monetária. Dado que não existe folga orçamentária para o governo fazer política fiscal anticíclica. O dinheiro acabou.

Tratamos desse tema no domingo ao falar sobre o que pode ser feito enquanto o governo eleito não começa a dar andamento a sua agenda. O economista e pesquisador do Grupo de Conjuntura Econômica da UFRJ, Ricardo de Menezes Barboza, tinha chamado atenção para o fato de que mesmo com todo o estímulo monetário, dado pela queda da Selic de 14,25% para 6,5%, a economia teima em não responder. Segundo o especialista, o juro real pode não estar tão abaixo da taxa neutra.

Toda a discussão gira em torno desses conceitos fundamentais para a política monetária. Falar que a Selic está em 6,5% tem pouco valor se não levarmos em conta a inflação, o juro esperado pelo mercado e essa coisa mais esotérica chamada taxa neutra.

Já tratamos desse tema com um pouco mais de profundidade aqui, mas o que precisamos entender é que a taxa real é a taxa nominal descontada da inflação. No caso, consideramos aqui a taxa nominal como o juro de mercado (swap de 360 dias) descontado da inflação projetada para os próximos 12 meses. Essa taxa está na casa dos 2,8% ao ano.

Já a taxa neutra, taxa estrutural ou “r-star” é uma variável não observável, mas que grosso modo seria a taxa capaz de fazer a economia crescer sem gerar pressão inflacionária. Outra forma de traduzir o conceito é que a taxa real é aquela que nem estimula nem atrapalha o crescimento.

Tudo isso para dizer que é possível que nossa taxa neutra pode estar menor do que pensamos, o que abre espaço para o Copom pensar em voltar a cortar a Selic.

A última pesquisa feita pelo próprio BC sobre o tema é de abril de 2017. As estimativas na época mostram taxa neutra de 5% no curto prazo, variando entre 4,5% a 4% num intervalo de dois a cinco anos.

Hoje, com o juro real de 2,8% temos a política monetária estimulativa, como bem diz o BC nos seus comunicados oficiais. Ou seja, a taxa real está abaixo do considerado neutro.

Acontece que algumas estimativas mostram que a taxa neutra pode estar ao redor de 2,5% a 3%. Foi isso que um estudo dos especialistas do Itaú nos mostrou nesta semana. Com isso, temos que o juro real atual pode não estar tão estimulativo quanto se pensa.

No relatório, os especialistas do Itaú dizem que “a recuperação apenas moderada, a partir de 2017, apesar dos juros baixos e após a maior recessão da história do Brasil desde o pós-guerra, traz à tona a necessidade de reavaliarmos o quão estimulativas estão as condições monetárias”. E, por isso, eles partiram para uma nova estimação.

Vou poupar o leitor que chegou aqui até dos detalhes matemáticos, mas o ponto é que o juro neutro caiu nos últimos anos, reflexo da maior austeridade fiscal e da ampliação do crédito, do mercado de capitais e de alteração em outros vetores financeiros, como empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Pelas estimativas do banco, o juro neutro cedeu de 10% no período 2003 a 2008 para cerca de 3% desde 2012.

Mas qual a chance de uma queda acontecer?

Ser conservador está entre as primeiras regras do manual do bom banqueiro central. Uma conhecida alusão diz que o BC é o cara que tira a bebida da mesa quando a festa está começando a ficar boa.

No nosso caso, o BC tem enfatizado em todas as diferentes formas de comunicação que a continuidade de ajustes e reformas é essencial para manutenção da inflação e dos juros baixos e para a redução da taxa estrutural. O BC também diz que revisa as estimativas para essa taxa.

No entanto, essas afirmações e mesmo a postura do BC não devem mudar no curto prazo, pois ainda há grande incerteza sobre a implementação dessa agenda pretendida pelo próximo governo. Além disso, o BC também leva em conta os desafios provenientes do mercado externo.

Por outro lado, o BC não pode ignorar sua função reação (que dita o que deve ser feito com a taxa de juros) caso as projeções de inflação continuem sistematicamente abaixo da meta e a economia siga com uma recuperação muito gradual. O regime de metas vale para os dois lados.

O Relatório de Inflação que sai dia 20 pode estimular essa discussão, pois detalhará projeções até 2021. A atuação do BC, no entanto, visa primordialmente 2019 e, com peso crescente, 2020, em função dos efeitos cumulativos e defasados das ações de política monetária sobre o lado real da economia.

O Banco Fibra foi um dos primeiros a divulgar o “call” de Selic estável em 6,5% ao longo de todo o ano de 2019. No mercado, as projeções do Focus que estavam firmes em 8% desde o começo do ano, já caíram para 7,5%.

O cenário alternativo do Fibra, com 20% de probabilidade, é de que o BC retome o ciclo de queda no último trimestre de 2019, “caso o governo Bolsonaro seja bem-sucedido na aprovação das reformas que garantam a melhora do quadro fiscal no longo prazo, notadamente a reforma da Previdência. Esse recuo da Selic nominal seria simplesmente o reconhecimento da queda da 'taxa neutra' de juros da economia brasileira”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O CLIMA ESQUENTOU

Bolsonaro ameaça demitir Levy por nomeação de diretor que trabalhou no governo PT

Na sexta-feira, 14, durante café da manhã com jornalista, Bolsonaro demitiu o presidente dos Correios, general Juarez Cunha

RALI

Nada de Bitcoin: criptomoeda que valorizou 330% em 2019 tem outro nome

Segundo analistas, há pelo menos duas razões claras para o movimento de alta do Litecoin. Entenda o que está causando esse fenômeno

ENTREVISTA

“Não vou impor uma solução e destruir a reforma”, diz Samuel Moreira

Relator da proposta conta ter abdicado inclusive de convicções próprias em favor da construção de um texto com apoio suficiente das lideranças

NOS TRILHOS

Rumo avaliará participar de Fiol e Ferrogrão

Ferrovias estão entre os mais importantes projetos ferroviários para o escoamento de commodities, como grãos e minério de ferro, do Brasil

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Sai da minha aba, Estado

O Estado é aquele gigante metido que mais atrapalha do que ajuda. Os empreendedores precisam tirar ele do seu caminho. Confira as mais lidas da semana no Seu Dinheiro

O FRUTO DA CANNABIS

Cofres cheios de verde: Colorado atinge US$ 1 bilhão em arrecadação com maconha

Pioneiro na legalização do comércio da erva, estado americano comemora cifra e quer atrair empresas para expandir e lucrar ainda mais com o setor

MAIS UM PRA CONTA

Bolsonaro demite terceiro militar em uma semana

Segundo o presidente, Cunha “foi ao Congresso e agiu como sindicalista” ao criticar a privatização da estatal e tirar fotos com parlamentares da oposição

"Cash is king"

O risco “oculto” que deixa até famílias ricas sem dinheiro para pagar as contas

Já pensou ter milhões em imóveis, mas nem um tostão para o dia a dia? A falta de liquidez é um vilão até para os mais ricos. Saiba como fugir dessa armadilha

Olha ele aí

Michael Klein confirma compra de 1,6% de ações da Via Varejo em leilão da B3

Com o movimento, Klein agora se torna o maior acionista de referência da companhia de varejo

De costas para o ministro

Ramos: não nos contaminaremos pela fala de Guedes num momento bom da reforma

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fez críticas nesta sexta-feira, 14, aos deputados depois da apresentação do relatório da reforma

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements