Menu
2019-06-21T18:51:22+00:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Mercados hoje

Como um foguete… Ibovespa renova máxima histórica e dólar fecha no menor patamar desde abril

Sexta-feira fechou com otimismo na bolsa de valores, na expectativa de que os BCs voltem a estimular suas economias. DIs terminaram o pregão em mais um dia de queda

21 de junho de 2019
9:26 - atualizado às 18:51
Foguete voando na frente do Ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O pregão desta sexta-feira (21) terminou no embalo das altas registradas pelas bolsas estrangeiras durante o feriado de Corpus Christi e fechou na máxima histórica. Acompanhando o movimento visto na última quarta-feira (19), o Ibovespa fechou o dia com alta de 1,70%, aos 102.012 pontos.

Lá fora, o comportamento positivo das American Deposiray Receipts (ADRs) brasileiras no pregão de ontem já sinalizavam para um no principal índice da B3.

Seguindo a tendência do exterior, o dólar chamou a atenção. Iniciou a sexta-feira em baixa de 0,41%, ao longo da manhã acentuou a queda, chegando a ir abaixo dos R$ 3,82, e terminou o dia no menor patamar desde abril deste ano, cotado em R$ 3,82, uma queda de 0,62%.

O câmbio acompanha as expectativas para a atuação dos Bancos Centrais ao redor do mundo, estimulando as economias. O resultado do PMI dos Estados Unidos em junho, mais fraco do que o esperado, reforçou a expectativa de que o Federal Reserve cortará os juros norte-americanos já no mês de julho.

Não por acaso a moeda norte-americana perdia valor diante das principais divisas internacionais, e o índice DXY registra queda de 0,43%, a 96,217 pontos.

Juros contrariam

Apesar do tom menos incisivo do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a possibilidade de um corte da taxa Selic já na reunião de julho, os juros operam em queda firme nesta sexta-feira.

A expectativa dos investidores era de que a diretoria do Banco Central sinalizasse de forma mais enfática a sua disposição em cortar as taxas de juros no curto prazo. O comunicado da quarta-feira, no entanto, mostraram um BC ainda reticente, embora cada vez mais declinado à "tesourada".

Os contratos de DI para janeiro de 2020 fecharam o dia em 5,98%, ante 6,08% do pregão anterior. Já os juros futuros com vencimento em janeiro de 2021 também recuaram para 5,85%, ante os 6,02% de ontem.

De carona no petróleo

Um dos destaques de alta logo na abertura do pregão são as ações da Petrobras, tanto as ordinárias (PETR3) como as preferenciais (PETR4). Os papéis surfam na alta do petróleo após as notícias de que o Irã abateu um drone dos Estados Unidos. Em Nova York, o barril do WTI fechou o dia com alta de 0,63% a US$ 57,43.

Ações ON da Petro subiam e terminaram o pregão com valorização de 3,08%, negociadas a R$ 31,79. Já as PN fecharam o dia com alta de 2,76%, a R$ 28,28.

De carona no minério

Já a Vale (VALE3) começou o dia surfando na onda de valorização do minério de ferro, que fechou a quinta-feira em alta de 2,78%, cotado a US$ 117,25 a tonelada. O produto também refletiu as tensões políticas envolvendo o Irã e os Estados Unidos. Mas os papéis da mineradora perderam força ao longo da manhã e ficaram no segundo lugar das ações mais negociadas do dia. Os papéis da companhia terminaram o pregão com ganhos de 0,27%, a R$ 52,44.

E na dianteira: B3

Quem liderava as altas do Ibovespa era a própria bolsa, B3. Seguindo a tendência dos últimos dias, a procura pelos papéis aumentou por conta da perspectiva de queda de juros e do aumento de investidores por produtos que ofereçam rendimentos melhores, o que pode elevar margens e receita da empresa.

Hoje, B3 ON (B3SA3) subiu 6,31%, e fechou cotada em R$ 39,75. No acumulado do ano, as ações da companhia acumulam alta de 49% e apenas em junho, os papéis tiveram valorização de 8,70%.

Outra que saiu na frente foi a JBS. Os investidores gostaram de saber que a empresa fará uma amortização de US$ 700 milhões em dívidas com bancos. O movimento é visto como um claro sinal de que os diretores da JBS buscam ampliar esforços para reduzir o endividamento da empresa.

Papéis ordinários da JBS operavam em alta de 3,86%, a R$ 22,07.

Sorriso amarelo

Na ponta de baixo do Ibovespa estava a Azul, as aéreas foram impactadas negativamente pela alta do petróleo no exterior, fator que pode diminuir suas margens de lucro através de combustíveis mais caros. Azul PN (AZUL4) terminou o dia também em queda de 2,51%, a R$ 44,26, na liderança das maiores baixas.

Já Smiles (SMLS3), mais uma vez apanhou no pregão. Isso porque os acionistas digerem um comunicado divulgado ao mercado pela Gol (GOLL4) em que a companhia anuncia um reajuste extraordinário nos preços do contrato firmado com o programa de milhagem para a compra de passagens.

Na prática, a notícia significa que os clientes do Smiles terão de usar mais pontos para trocar por passagens aéreas da Gol.

Ações ordinárias da Smiles recuaram e fecharam em queda de 3,15%, a R$ 42,80, enquanto as preferenciais da Gol perdiam e terminaram o dia com desvalorização de 0,62,% a R$ 32,20.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Entrevista

Com juro baixo “estrutural”, Paineiras está otimista com bolsa e título de longo prazo

Gestora que tem 12 anos de história avalia que Selic baixa veio para ficar e que dólar acima de R$ 4 não é impeditivo para valorização do Ibovespa

A Bula do Mercado

Mercado olha para o que vem depois da Previdência

Investidor confia na agenda econômica positiva, com nova pauta das reformas, leilões e privatizações

Dia histórico?

Novela da Previdência deve acabar hoje com final mais feliz que o esperado

Senado termina de votar emendas pela manhã e texto da reforma vai para o segundo turno de votação à tarde

Seu Dinheiro na sua noite

Um novo recorde na maratona da bolsa

No dia 12 de outubro, o queniano Eliud Kipchoge atingiu uma marca considerada por muito tempo impossível para um ser humano: correr os 42 quilômetros da maratona em menos de duas horas. O campeão olímpico dos Jogos do Rio cruzou a linha de chegada em uma prova não-oficial realizada em Viena, na Áustria, com o […]

Mudanças no funcionalismo público

Maia quer iniciar reforma administrativa até a próxima semana na Câmara

Estratégia traçada pelo presidente da Câmara, porém, ainda depende do aval de lideranças e também da equipe econômica

Só falta um passo

Sem mudanças no radar, conclusão da reforma da Previdência pode se estender até quarta-feira

O texto da reforma que será votado prevê uma economia fiscal de R$ 800 bilhões em dez anos

O poder das redes

Facebook, de Mark Zuckerberg, pega Rússia e Irã tentando intervir nas eleições dos EUA em 2020

Notícia vem em meio a uma ofensiva que a gigante das redes sociais tem feito para combater ataques nas eleições mundo afora

Dinheiro na mão mais cedo

Caixa antecipa saque imediato do FGTS. Tudo será pago em 2019

Calendário de saque para não correntistas que iria até março de 2020 foi antecipado. Assim, todo impacto da liberação, estimada em R$ 40 bilhões, acontecerá em 2019

chegando no gigante asiático

Tesla recebe sinal verde para fabricar veículos na China

Ministério da Indústria da China concedeu à montadora do bilionário Elon Musk a autorização para operar

Negócios da educação

Yduqs ganha nova cara e cresce em quantidade e qualidade com compra da dona do Ibmec

Aquisição de R$ 1,92 bilhões é a maior da história da antiga Estácio Participações, que passa a contar com um total de 680 mil alunos, e coloca as ações da Yduqs entre as maiores altas do Ibovespa. Saiba o que os analistas disseram sobre o negócio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Pular para a barra de ferramentas