Menu
2019-10-14T14:33:23+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Humor azedo

Rumores e boatos mexeram com o mercado — e fizeram o Ibovespa cair quase 2%

Ruídos de comunicação e especulações a respeito da reforma da Previdência e da guerra comercial fizeram o Ibovespa fechar no menor nível desde 3 de setembro

7 de outubro de 2019
10:33 - atualizado às 14:33
Boato
Conversas cruzadas e especulações mexeram com o rumo dos mercados nesta segunda-feira (7)Imagem: Shutterstock

Um diz que me diz tomou conta das mesas de operação nesta segunda-feira (7). Em meio aos ruídos sobre os desdobramentos da guerra comercial e às conversas desencontradas quanto à reforma da Previdência, o Ibovespa e o dólar à vista foram ficando mau-humorados — e terminaram o dia de cabeça quente.

O principal índice da bolsa brasileira passou a sessão todo no campo negativo, mas, durante a manhã, até tentou se manter perto da estabilidade. No entanto, conforme o dia foi passando, o mercado foi azedando cada vez mais. E, como resultado, fechou em queda firme, muito perto das mínimas intradiárias.

Ao fim do pregão, o Ibovespa recuou 1,93%, aos 100.572,77 pontos — é o menor nível de encerramento desde 3 de setembro, quando o índice estava abaixo dos 100 mil pontos. Somente em outubro, a bolsa brasileira já acumula perdas de 3,98%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Nos Estados Unidos, as praças acionárias também fecharam no vermelho, mas com baixas bem menos intensas: o Dow Jones caiu 0,36%, o S&P 500 recuou 0,45% e o Nasdaq encerrou em queda de 0,33%, também em meio à guerra de narrativas a respeito das negociações entre os governos americano e chinês.

No câmbio, o dia foi igualmente marcado por estresse: o dólar à vista subiu 1,19%, a R$ 4,1045, e devolveu boa parte das perdas acumuladas nas últimas três sessões. Lá fora, a moeda americana se fortaleceu em relação às demais divisas emergentes, mas num movimento bem mais suave do que o visto por aqui.

Tanto no Brasil quanto no exterior, o saldo das mudanças constantes de discurso foi o mesmo: ao fim do dia, o mercado ficou inseguro, sem saber no que acreditar. E, num cenário como esse, a reação natural foi partir para a defesa, reduzindo a aversão ao risco — o que derrubou o Ibovespa e fez o dólar dar um salto.

Confusão

Em termos globais, um assunto domina a atenção dos agentes financeiros: a nova rodada de negociações oficiais entre Estados Unidos e China, com início previsto para essa semana. E, às vésperas das conversas, o noticiário a respeito dos bastidores do encontro ficou bastante ruidoso.

Ainda durante a manhã, os mercados reagiram negativamente às notícias de que a delegação chinesa não estaria tão disposta a abrir mão de alguns pontos nas negociações com os americanos, sem se comprometer com uma agenda de reformas que envolva as políticas industriais ou os subsídios do governo.

O humor dos agentes financeiros globais melhorou um pouco com as declarações do diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, dizendo que o país está aberto às propostas da China na rodada de negociações comerciais.

Durante a tarde, o tom foi de otimismo pontual: segundo a imprensa americana, ambas as partes teriam cegado a algum tipo de entendimento, acertando de antemão um acordo prévio que englobasse alguns items em que as duas potências estariam de acordo.

Mas, com tantas idas e vindas a respeito do que pode acontecer ou não na rodada de negociações desta semana, o sentimento de cautela logo voltou a tomar conta das negociações, firmando as bolsas americanas no campo negativo e fazendo o dólar se fortalecer em relação às divisas emergentes.

"Temos mais do mesmo nesta segunda-feira, e o mesmo é ruim", diz um operador, referindo-se à falta de previsibilidade quanto ao que pode acontecer na guerra comercial. "E, por aqui, não temos nenhuma grande novidade, nada que dispare um gatilho para reverter essa tendência de queda".

Incerteza

Por aqui, a tramitação da reforma da Previdência também foi alvo de especulações: embora o cronograma oficial ainda estabeleça o dia 15 como data-limite para a votação do texto em segundo turno pelo plenário do Senado, ganha cada vez mais força a leitura de que esse prazo sofrerá novos atrasos.

Em Brasília, o clima é de incertezas em relação às disputas pelos recursos da cessão onerosa, o que tem travado a pauta de discussões da Câmara e do Senado. No momento, o entendimento é o de que é preciso chegar a algum tipo de acerto quanto à partilha — mas, por enquanto, ainda não há nenhum sinal de acordo.

Nesse cenário, o senador Major Olímpio (PSL-SP) afirmou, em entrevista ao Broadcast, que a Previdência poderá ser votada pelo plenário da Casa em segundo turno apenas no dia 22 — vale lembrar que um número relevante de senadores viajará ao Vaticano para acompanhar a cerimônia de canonização de Irmã Dulce, o que pode atrasar ainda mais a tramitação.

Nesse contexto, quaisquer declarações do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, ou movimentações de bastidores para tentar dar celeridade ao processo, podem mexer com o andamento dos mercados nos próximos dias. Por ora, os agentes financeiros preferiram assumir um tom de maior cautela quanto ao panorama político.

Ainda por aqui, boatos quanto à possibilidade de renúncia do ministro da Economia, Paulo Guedes, em fevereiro, circularam entre as mesas de operação e também contribuíram para trazer instabilidade às negociações.

Juros sobem

Em meio à alta do dólar à vista e ao noticiário conturbado, tanto no Brasil quanto no exterior, a curva de juros fechou em leve alta, tanto na ponta curta quanto na longa.

As curvas para janeiro de 2021, por exemplo, subiram de 4,86% para 4,88%, e as para janeiro de 2023 avançaram de 5,97% para 6,02%. No vértice mais extenso, os DIs com vencimento em janeiro de 2025 foram de 6,58% para 6,64%.

Alta solitária

Apenas uma ação do Ibovespa encerrou o pregão desta segunda-feira no campo positivo: Raia Drogasil ON (RADL3), em ligeira alta de 0,62%.

No lado negativo do índice, destaque para os papéis da Eletrobras: as ações ON (ELET3) recuaram 7,90%, enquanto as PNBs (ELET6) tiveram baixa de 6,61%, reagindo negativamente às notícias quanto ao abandono, por parte do governo, dos planos de injeção de R$ 3,5 bilhões em recursos na estatal, de modo a torná-la mais atrativa para receber investimentos privados.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements