Menu
2019-11-13T06:19:13-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Tensão política pressiona mercados

Ameaça de Trump de elevar tarifas sobre as importações chinesas se não houver acordo comercial parcial e cenário adverso na América Latina preocupa

13 de novembro de 2019
5:44 - atualizado às 6:19
tensaopressiona
Saída de Bolsonaro do PSL e soltura do ex-presidente Lula também pesam nos negócios

O cenário político conturbado no Brasil e no exterior continua pressionando o mercado financeiro. Lá fora, os ativos de risco amanheceram pressionados pela ameaça do presidente norte-americano, Donald Trump, de elevar tarifas de importação da China, caso os dois países não alcancem a primeira fase de um acordo comercial. Aqui, o cenário vizinho adverso na América do Sul contamina os negócios locais (leia mais abaixo).

E o dia parece ser de renovada pressão nos mercados. As principais bolsas asiáticas fecharam em queda hoje, com as perdas lideradas por Hong Kong, que caiu pouco mais de 2%. Xangai, Tóquio e as demais praças do Sudeste asiático encerraram todas em baixa. O sinal negativo também prevalece entre os índices futuros das bolsas de Nova York e das praças europeias, com os investidores avaliando a chance de escalada da guerra comercial.

As negociações entre Estados Unidos e China parecem estar emperradas, diante da falta de consenso sobre a reversão de tarifas existentes e suspensão de novas taxações previstas até o fim do ano. A questão tecnológica também parece sem solução. Os comentários de Trump ontem, em evento em Nova York, mostraram o posicionamento de Washington e serviram de lembrete do desafio que os dois lados enfrentam.

Nos demais mercados, o dólar mede forças em relação às moedas rivais, monitorando o comportamento dos bônus norte-americanos, com a taxa do título de 10 anos rondando a faixa de 1,9%. Destaque para o dólar neozelandês, o chamado kiwi, que disparou após a decisão do Banco Central local (RBNZ) de manter a taxa de juros estável. Entre as commodities, o petróleo cai, enquanto o ouro avança.

Com a safra de balanços chegando ao fim e os principais bancos centrais dando sinais de pausa na adoção de estímulos monetários, o foco dos investidores ajustou-se para a questão política, à espera de ações capazes de frear a desaceleração da economia global no cenário à frente. Porém, a ausência de progresso no front comercial serve de pretexto para realizar lucros dos níveis recordes que o mercado acionário atingiu recentemente.

Primavera Latina

Esse mesmo entendimento é válido para o mercado doméstico, diante da turbulência que tem atingido países vizinhos. Os investidores resistem em admitir, mas é crescente a preocupação com a cena política local, desde a soltura do ex-presidente Lula. A situação na América Latina também pesa, afugentando principalmente o investidor estrangeiro, que está reduzindo a exposição ao risco na região.

Com isso, os ativos brasileiros sofrem certa “contaminação”. Há quem diga que o Brasil está pronto para se descolar da turbulência vista nos países vizinhos, com os investidores dissociando o cenário nacional dos ruídos mais recentes vindos de Bolívia, Chile e Argentina. Nessa premissa, os negócios locais devem entrar em outra rota, apresentando um desempenho diferente dos pares latinos.

O problema é que a frustração com o megaleilão do pré-sal, em meio ao desinteresse de empresas estrangeiras pelos campos de petróleo ofertados, e a retirada recorde de capital externo da Bolsa brasileira já davam indícios da falta de apetite dos “gringos” pelos ativos locais. E a situação na América do Sul tende a exacerbar os nervos dos investidores.

Afinal, boa parte da alocação dos estrangeiros na região era por causa do Brasil. E, agora, com a América Latina enfrentando pressão popular em plena primavera - fazendo alusão aos protestos da “Primavera Árabe” ocorridos em países do Oriente Médio e Norte da África no início da década - o investidor estrangeiro também acaba fugindo da terra brasilis.

Isso porque o temor é de que o Brasil sofra o chamado “efeito Orloff” - famosa expressão dos anos 80 que se baseava na premissa do “eu sou você amanhã”. Essa maior aversão aos desequilíbrios políticos na América Latina torna a região mais hostil ao capital externo.

E isso tende a manter o dólar pressionado, aproximando-se da marca de R$ 4,20. Por sua vez, o real mais fraco tende a elevar o prêmio de risco na curva de juros futuros, com os investidores descartando as chances de cortes adicionais na Selic em 2020 e vendo a taxa básica estacionada em 4,5% a partir de dezembro.

Para evitar uma deterioração adicional dos ativos locais e não correr o risco de interromper a recuperação da atividade econômica doméstica ora em curso, o Brasil deveria enviar uma mensagem ao mercado financeiro, isolando-se dos vizinhos e mostrando que, aqui, a história é outra.

Porém, a decisão do presidente Jair Bolsonaro de sair do PSL e criar uma nova legenda, a Aliança pelo Brasil, em nada ajuda. Afinal, o mercado doméstico estará atento ao número de filiados do novo partido do presidente - o novo desde o início da sua carreira política - de modo a mensurar o apoio político e o tamanho da base aliada no Congresso.

Dia de agenda cheia

Dados de atividade e inflação estão em destaque na agenda econômica desta quarta-feira, no Brasil e no exterior. Por aqui, a atenção se volta para o desempenho do varejo em setembro e, de quebra, no acumulado do terceiro trimestre deste ano, lançando luz para o Produto Interno Bruto (PIB) no período.

A expectativa é de que as vendas tenham avançado pelo quarto mês seguido (+1,0%) em base mensal, somando seis resultados positivo no confronto anual (+2,30%). Os dados efetivos serão conhecidos às 9h, juntamente com novas estimativas para a safra agrícola neste e no próximo ano.

À tarde, o Banco Central informa (14h30) os dados parciais deste mês sobre a entrada e saída de dólares do país, que podem reforçar a falta de apetite dos estrangeiros pelos ativos brasileiros citada acima. No acumulado do ano até outubro, a conta financeira está negativa em US$ 35,5 bilhões, contaminando o fluxo cambial no período.

Entre os eventos de relevo, o presidente Jair Bolsonaro reúne-se hoje em Brasília com líderes do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Bolsonaro terá reuniões separadas com cada chefe de Estado. Ele se encontra com o líder chinês, Xi Jinping, pela manhã, para a assinatura de atos. A cúpula acontece até quinta-feira.

Já no exterior, o destaque fica com os dados de outubro da indústria e do varejo chinês, que serão conhecidos apenas no fim do dia, juntamente com os investimentos nos ativos fixos. Logo cedo, sai a produção industrial na zona do euro em setembro. Também serão conhecidos indicadores de preços na Alemanha e no Reino Unido.

Depois, nos EUA, é a vez da inflação ao consumidor norte-americano (CPI) no mês passado, às 10h30. Ainda por lá, merece atenção o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, no Congresso, onde falará sobre perspectivas econômicas, a partir das 13h. À tarde, sai o Orçamento do Tesouro dos EUA em outubro (16h).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

A terceira onda. Um novo milagre econômico vem por aí?

Tudo indica que um novo bull market das commodities esteja começando. E, como das outras vezes, isso será extremamente benéfico para o Brasil

Oxford Economics eleva previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Casa avalia que as recentes tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro não devem atrapalhar a recuperação da atividade, que vem ganhando fôlego

Marfrig confirma oferta subsequente de ações que pode somar R$ 3,3 bi

A oferta será primária e inclui um lote secundário, para a venda de ações detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES)

BLACK WEEK

MAIS LIDAS: Quem bombou na Black Friday?

Meus vizinhos se empolgaram na Black Friday. E não foram só eles: os números do varejo mostram um crescimento considerável na edição deste ano

Ex-presidente da Bayer no Brasil cria startup de cannabis

Em voo solo, há quase um ano e meio, empresário prepara-se para voltar ao setor, desta vez em um segmento em franco crescimento

Calças curtas

Por que o bilionário Elon Musk tem “pouco” dinheiro

A maior parte do patrimônio do bilionário sul-africano está colocada nos mesmos cavalos. Entenda

E o ano nem acabou!

Fundos imobiliários e ações já têm captação recorde em 2019

Volumes captados por fundos imobiliários e ofertas de ações até novembro deste ano já são os maiores das suas séries históricas, segundo dados da Anbima

DE OLHO NA CARNE

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

A ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando e que deve se estabilizar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements