🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MAIS UM CAPÍTULO DA NOVELA

Petrobras (PETR4): dividendos comprometidos… de novo? O pagamento de R$ 19,8 bilhões à Receita que pode cortar a remuneração extra aos acionistas

Cálculos da própria estatal mostram que o impacto após os efeitos tributários será de R$ 11,87 bilhões no lucro líquido do segundo trimestre de 2024

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
17 de junho de 2024
20:09 - atualizado às 20:13
Fachada da sede da Petrobras (PETR3; PETR4)
Fachada da sede da Petrobras (PETR3; PETR4) - Imagem: Agência Petrobras

O investidor nem bem passou pela novela dos dividendos extraordinários da Petrobras (PETR4) e, nesta segunda-feira (18), foi surpreendido por uma outra notícia que pode impactar a distribuição de proventos da estatal: a petroleira fechou um acordo de R$ 19,8 bilhões com a Receita Federal para encerrar pendências com o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

Há alguns anos, a Petrobras e outras empresas do setor foram autuadas por um suposto artifício nos contratos de exploração de petróleo usado para pagar menos imposto.

A manobra funcionava da seguinte forma: o preço do contrato era dividido em duas partes — a primeira era relativa ao aluguel da embarcação, que é isento de imposto de renda na fonte, enquanto a segunda era relativa à prestação de serviço, ou seja, a própria exploração de petróleo, que tem cobrança de PIS/Cofins e Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

Para pagar menos imposto, a Petrobras informava que 90% do valor era equivalente ao aluguel da embarcação, enquanto só 10% eram relativos a serviços.

Só que a Receita Federal notou a manobra e cobrou não só o imposto sobre o valor total dos contratos anteriores como também uma multa.

Com a aprovação de hoje do Conselho da Petrobras ao Edital de Transação da Receita Federal referente a contencioso tributário, encerram-se as discussões administrativas e judiciais referentes ao período de 2008 a 2013, que totalizam R$ 44,79 bilhões.

O acordo da Petrobras com a Receita

A Petrobras explica que o valor total da transação, considerado o desconto de 65% concedido no edital, é de R$ 19,8 bilhões — destes, R$ 6,65 bilhões serão pagos com os depósitos judiciais já realizados nos processos e R$ 1,29 bilhão será pago com créditos de prejuízos fiscais de subsidiárias.

Os R$ 11,85 bilhões restantes, com os acréscimos supervenientes devido aos ajustes e à atualização dos encargos até a data do pagamento, serão pagos da seguinte forma:

  • Entrada de R$ 3,57 bilhões, em 30 de junho de 2024;
  • Restante em seis parcelas mensais e sucessivas, de aproximadamente de R$ 1,38 bilhão.

A primeira parcela será paga em 31 de julho de 2024, e as demais no último dia útil dos meses subsequentes, atualizadas pela Selic.

MAGDA CHAMBRIARD TEM ‘CRIATIVIDADE’ PARA SECAR CAIXA DA PETROBRAS (PETR4)?

O impacto dos dividendos

Cálculos da própria Petrobras mostram que o impacto após os efeitos tributários será de R$ 11,87 bilhões no lucro líquido do segundo trimestre de 2024.

Mas os acionistas também devem sentir no bolso o peso da quitação do débito tributário. Analistas do mercado financeiro estimam que se, por um lado, a Petrobras e beneficiou dos descontos para o pagamento ao Carf, de outro, pode reduzir a distribuição de dividendos extraordinários no curto prazo.

Vale lembrar que a Petrobras acertou em abril o pagamento de 50% dos R$ 43 bilhões em dividendos extraordinários retidos no mês anterior, após uma queda de braço com o governo que acabou resultado na demissão de Jean Paul Prates do comando da companhia. Os 50% que ainda estão pendentes ainda serão alvo de análise até o final do ano.

Petrobras vai em busca de ressarcimento

A Petrobras explicou ainda que cerca 13% do contencioso é de responsabilidade de diversos parceiros nos consórcios de E&P e está negociando com eles as condições para o ressarcimento dos valores referentes às suas participações.

"A adesão ao programa traz benefícios econômicos para a companhia, uma vez que a manutenção das discussões implicaria em esforço financeiro para oferecimento e manutenção de garantias judiciais, além de outras custas e despesas processuais", diz o comunicado.

*Com informações do Globo

Compartilhe

O BALANÇO VEM AÍ

O pior está por vir para a Vale (VALE3)? Mineradora perde mais R$ 2,5 bilhões em valor e ações aparecem entre as maiores quedas do Ibovespa

17 de julho de 2024 - 13:34

Na noite anterior, a companhia apresentou os dados operacionais do segundo trimestre — mas há mais por trás da queda dos papéis desta quarta-feira (17)

ADEUS, CANETA EMAGRECEDORA?

Novo concorrente do Ozempic dispensa injeção e deve demorar a chegar às farmácias, mas já derruba as ações da Novo Nordisk e da Eli Lilly

17 de julho de 2024 - 12:03

Novo remédio para emagrecimento levou pacientes sem diabetes tipo 2 perderem uma média de peso ajustado de 6,1% em um mês

PODE UNIR

Incorporação da Enauta (ENAT3) e Maha Energy pela 3R Petroleum (RRRP3) já tem data para acontecer; veja calendário

17 de julho de 2024 - 11:58

De acordo com o comunicado enviado ao mercado nesta quarta-feira (17), as ações de emissão da Enauta terão seu último dia de operação no dia 31 deste mês

CONTABILIDADE CRIATIVA

O que a Americanas (AMER3) vai fazer depois de investigação independente confirmar (de novo) fraudes no balanço da varejista

17 de julho de 2024 - 7:36

Diante das evidências, o conselho de administração orientou a atual diretoria a procurar as autoridades competentes envolvidas no caso

CONSTRUINDO POSIÇÃO

O que está por trás da volatilidade da ação da Ambipar (AMBP3) na B3 — e por que o CEO não para de aumentar a fatia na empresa

17 de julho de 2024 - 7:03

Além de Tércio Borlenghi Junior ter elevado sua fatia na empresa para cerca de 73%, uma gestora supostamente ligada a Nelson Tanure também adquiriu participação na companhia

DADOS OPERACIONAIS

A hora da Vale (VALE3) chegou? Produção de minério cresce e vendas acompanham; confira os números da mineradora no 2T24

16 de julho de 2024 - 19:13

Havia expectativa em torno do desempenho da companhia entre abril e junho por conta da desaceleração da economia chinesa, que afeta diretamente a demanda por minério de ferro

MUDANÇA A CAMINHO?

Governo avalia “reestruturação estratégica” da Telebras (TELB4) e ações da estatal saltam na B3

16 de julho de 2024 - 18:16

Papéis da empresa de telecomunicações fecharam em alta de 6,36%, cotados a R$ 13,55

ACABOU O OTIMISMO?

Santander revela 3 motivos para não comprar ações da Petrobras (PETR4) agora — e a troca de CEO não tem nada a ver com isso

16 de julho de 2024 - 16:54

Banco decidiu manter recomendação neutra para os papéis, com preço-alvo de R$ 43 para os ativos ordinários PETR3 no fim de 2025

PEDIDO LIMINAR

O STF vai barrar a privatização da Sabesp (SBSP3)? Cinco partidos vão à Corte contra a oferta que pode movimentar mais de R$ 12 bilhões

16 de julho de 2024 - 16:05

A ação foi ajuizada pelo PSOL, Rede, PT, PV e PCdoB com pedido de liminar para suspensão imediata da lei municipal que abriu caminho para a desestatização

DADOS OPERACIONAIS

Vale (VALE3) perde quase R$ 7 bilhões em valor de mercado e relatório de produção vem aí — mineradora pode ter mais de um vilão no 2T24

16 de julho de 2024 - 15:07

A Vale apresenta após o fechamento do mercado desta terça-feira (16) os dados operacionais referentes do segundo trimestre e a conjuntura não está favorável para mineradora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar