2022-04-19T16:42:01-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Renda fixa

Investidor tem nova chance de garantir retorno de 1% ao mês pelos próximos dez anos com o menor risco do mercado; veja como

Títulos públicos prefixados, negociados via Tesouro Direto, voltaram a render mais de 12% ao ano recentemente

19 de abril de 2022
16:23 - atualizado às 16:42
Aquele 1% na renda fixa voltou a ser fácil de encontrar depois que a Selic retornou aos dois dígitos. Imagem: Shutterstock

O retorno de mais de 12% ao ano nos títulos públicos prefixados, o equivalente a cerca de 1% ao mês, está de volta. Agora, o investidor consegue garantir tal remuneração no Tesouro Direto por prazos de três, sete ou até onze anos.

Os juros dos títulos Tesouro Prefixado chegaram a beirar os 13% ao ano em meados de março, mas em seguida um alívio nos juros futuros fez as taxas oferecidas para as novas aplicações recuarem.

Nos últimos dias, porém, uma nova alta nos juros levou as rentabilidades dos papéis com vencimentos em 2025, 2029 e 2033 de volta à casa dos 12% ao ano.

Com isso, um investidor que compre um título desses hoje consegue garantir, até o seu vencimento, uma remuneração que praticamente equivale ao tão sonhado 1% ao mês que o brasileiro tanto aprecia (na verdade, a taxa de 1% ao mês corresponde exatamente a 12,6825% ao ano).

E tudo isso com o menor risco de crédito possível na economia brasileira, dado que os títulos públicos são garantidos pelo governo federal.

Os dois prefixados mais curtos disponíveis hoje no Tesouro Direto não pagam juros semestrais, o que significa que o investidor recebe o principal de volta e os juros apenas no vencimento. Já o papel mais longo, que vence em 2033, paga juros equivalentes à remuneração contratada a cada seis meses.

Veja como estavam as taxas e os valores mínimos de aplicação nos títulos prefixados via Tesouro Direto na tarde de hoje:

TítuloRentabilidade anualInvestimento mínimoPreço UnitárioVencimento
TESOURO PREFIXADO 202512,17%R$ 36,67R$ 733,5201/01/2025
TESOURO PREFIXADO 202912,08%R$ 32,68R$ 466,8901/01/2029
TESOURO PREFIXADO com juros semestrais 203312,19%R$ 36,25R$ 906,3701/01/2033
Fonte: Tesouro Direto
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Inflação pressiona os juros futuros

As remunerações dos títulos públicos prefixados estão intimamente ligadas à trajetória dos juros futuros, que representam a expectativa do mercado para a taxa básica de juros.

Os dados recentes de inflação no Brasil e nos EUA surpreenderam negativamente, mostrando que os preços, tanto local quanto globalmente, não estão bem ancorados. Com isso, o mercado espera que os bancos centrais, notadamente o americano e o brasileiro, precisem aumentar os juros com mais força do que era esperado antes.

Isso vem impulsionando os juros futuros no Brasil, e é isso que está por trás da alta recente das taxas oferecidas pelos prefixados. A guerra na Ucrânia e os lockdowns na China por conta de surtos de covid-19 fazem pressão extra sobre os preços em todo o mundo.

Ao mesmo tempo em que os juros dos prefixados sobem, seus preços de mercado caem. Assim, quem já tinha esses papéis na carteira pode ter percebido uma desvalorização do investimento durante essa alta de juros recente.

No entanto, é sempre importante lembrar que, para quem leva esses títulos públicos ao vencimento, a rentabilidade contratada no ato da aplicação é garantida.

Tesouro IPCA+ é alternativa para quem quer se proteger da alta dos preços

Quem não se importa em não saber exatamente quanto vai receber, mas se preocupa em garantir uma rentabilidade acima da inflação, de modo a preservar o poder de compra dos seus investimentos, encontra boas oportunidades também nos títulos Tesouro IPCA+, que vêm pagando mais de 5% ao ano acima da inflação oficial.

Esses títulos também se desvalorizam com a alta dos juros futuros, mas para quem os carregar até o vencimento, a remuneração contratada é garantida. Veja a rentabilidade dos Tesouro IPCA+ na tarde de hoje:

TítuloRentabilidade anualInvestimento mínimoPreço UnitárioVencimento
TESOURO IPCA+ 2026IPCA + 5,34%R$ 31,28R$ 3.128,7315/08/2026
TESOURO IPCA+ 2035IPCA + 5,60%R$ 38,52R$ 1.926,2815/05/2035
TESOURO IPCA+ 2045IPCA + 5,60%R$ 33,56R$ 1.118,7615/05/2045
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 2032IPCA + 5,56%R$ 40,92R$ 4.092,4115/08/2032
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 2040IPCA + 5,59%R$ 41,43R$ 4.143,3115/08/2040
TESOURO IPCA+ com juros semestrais 2055IPCA + 5,72%R$ 41,85R$ 4.185,5815/05/2055
Fonte: Tesouro Direto

No podcast Touros e Ursos desta semana, eu e Victor Aguiar conversamos sobre esta e outras formas de proteger o seu dinheiro da inflação. Para ouvir, basta apertar o play no tocador abaixo:

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele