🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-03-14T16:01:34-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
mercados hoje

Ibovespa recua 1,5% com fraqueza das commodities, rumores de greve dos caminhoneiros e adiamento das negociações entre Rússia e Ucrânia; dólar vai a R$ 5,13

Os investidores aproveitam a ‘maré verde’ antes da decisão de política monetária dos Bancos Centrais daqui e dos EUA

14 de março de 2022
10:22 - atualizado às 16:01
Arte mostrando um homem segurando um cartão com uma bandeira do Brasil; no primeiro plano, um gráfico em queda, simbolizando o mau desempenho da bolsa e dos ativos brasileiros nos mercados internacionais, como o EWZ
Saiba o que movimenta Ibovespa, bolsas e o dólar hoje (14). - Imagem: Shutterstock

Por mais um dia seguido, a guerra entre Rússia e Ucrânia é a força maior que movimenta o mercado. As negociações de cessar-fogo começaram nesta segunda-feira (14) e foram adiadas para amanhã. Mesmo com informações desencontradas, os investidores aguardam uma solução pacífica do conflito, o que sustentou o bom desempenho das bolsas internacionais pela manhã.

Nesse cenário, o Ibovespa abriu a sessão de hoje em alta, mas perdeu força durante a manhã e passou a cair 1,58%, aos 109.954 por volta das 16h. Enquanto isso, o dólar à vista iniciou o dia em alta e avança 1,55%%, negociado a R$ 5,132.

Na sessão da última sexta, o principal índice da B3 encerrou as negociações em baixa de mais de 2%, aos 111.331 pontos, enquanto a moeda norte-americana avançou para os R$ 5,05.

Confira como opera o mercado de juros futuros hoje:

AtivoNomeUltFech
DI1F23DI jan/2313,18%13,17%
DI1F25DI Jan/2512,58%12,48%
DI1F26DI Jan/2612,39%12,29%
DI1F27DI Jan/2712,36%12,25%

E um lembrete: a bolsa brasileira passa a fecha às 17h a partir de hoje. Entenda o porquê da mudança de horário.

Dia de commodities em foco na bolsa

Com as maiores empresas da bolsa relacionadas às matérias primas, o foco do dia vai para a fraqueza do petróleo e do minério de ferro.

O barril do Brent, utilizado como referência internacional e para a Petrobras (PETR4) opera em queda de 5,94%, negociado a US$ 105,98. Vale lembrar que a queda ocorre pouco menos de uma semana depois que o petróleo atingiu os US$ 130 por barril. 

A estatal brasileira fica em foco por mais um dia devido aos debates em torno dos combustíveis. Mesmo que o governo busque alternativas, como o abatimento de impostos e subsídios para gasolina e óleo diesel, os debates envolvendo a política de preços vão e voltam, o que influencia diretamente no desempenho dos papéis PTR3 e PETR4

Minério de ferro em queda livre

Além do petróleo, o minério de ferro também caiu para os US$ 143,70 a tonelada, o que representa uma queda de 7,33% no porto de Qingdao, na China. 

O gigante asiárico colocou a região de Shenzhen inteira em lockdown para tentar conter um surto de covid-19 na região.

A província com 17,5 milhões de habitantes também é a sede da Huawei e da Tencent, o que também afetou o desempenho do setor de tecnologia durante a madrugada no Brasil.

Sendo assim, as siderúrgicas da bolsa brasileira devem sofrer hoje, mesmo com o bom humor internacional.

Ameaças de greve dos caminhoneiros

Permanece no radar do mercado uma possível greve dos caminhoneiros em virtude alta do preço dos combustíveis. Mesmo com as tentativas do governo, o diesel deve subir cerca e R$ 0,60.

Durante o final de semana, algumas paralisações pontuais de poucos caminhoneiros chegaram a gerar preocupações, mas foram ativamente desfeitas pelos próprios profissionais.

De acordo com o líder da greve anterior, Wallace Landim “Chorão”, presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), não há um consenso na categoria para uma paralisação.

Bolsas à espera da 'Super Quarta'

A digestão do conflito entre Rússia e Ucrânia deve perder espaço no noticiário nos próximos dias. A "Super Quarta", como é chamado o dia em que tanto o Federal Reserve quanto o Banco Central do Brasil divulgam suas decisões de política monetária acontece nesta semana.

Nos Estados Unidos, além da pandemia e da alta da inflação, ainda existe a questão da guerra na Ucrânia, que pode fazer com que o presidente do Fed, Jerome Powell, seja mais brando no aperto econômico do que o necessário.

O que esperar do Federal Reserve

É preciso lembrar que a inflação nos EUA vem renovando máximas e já é a maior em 40 anos. Dessa forma, os analistas internacionais esperam que o Fed suba os juros em 0,25 pontos-base de acordo com o consenso do mercado. 

O que esperar do Banco Central do Brasil

Já em terras brasileiras o cenário é um pouco diferente. A alta do petróleo combustíveis, a inflação — que registrou novo recorde em fevereiro deste ano — e a perspectiva de uma eleição turbulenta em outubro formam o terreno perfeito para que a decisão do Copom seja mais pesada do que o esperado. 

É verdade que o BC tem exercido sua autonomia, elevando os juros sempre que necessário. Contudo, nunca de maneira a surpreender o mercado. 

Mas vale lembrar que sempre existe uma perspectiva de que a Selic suba além do consenso. Para esta reunião, os juros básicos devem sair de 10,75% para 11,75%, uma alta de 1 ponto-base — uma redução em relação às elevações anteriores.

Sobe e desde da bolsa

Confira as maiores altas do dia:

ATIVONomeUltVar
JHSF3JHSF ONR$ 5,095,82%
SANB11SANTANDER BR UNITR$ 33,613,96%
EZTC3EZTEC ONR$ 16,281,88%
ITUB4ITAU UNIBANCO PNR$ 25,231,57%
ABEV3AMBEV ONR$ 13,251,29%

Confira as maiores quedas do dia:

ATIVONomeUltVar
CSNA3SID NACIONAL ONR$ 24,23-6,38%
CMIN3CSN MINERAÇÃO ONR$ 26,06-5,90%
PRIO3PETRORIO ONR$ 23,41-6,02%
VALE3VALE ON R$ 91,80-5,16%
USIM5USIMINAS PNAR$ 14,02-4,88%

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

MAIS DO QUE UMA VOLTINHA

Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTI11), brMalls (BRML3) ou Aliansce Sonae (ALSO3)? Saiba qual é a queridinha do Itaú BBA

6 de julho de 2022

Papéis das administradoras de shoppings operam em alta nesta quarta-feira (06), embalados pela prévia operacional da Multiplan, que sinalizou que novos recordes estão no caminho da empresa

EXILE ON WALL STREET

Euro(bad)trip: Como a guerra na Ucrânia e a busca por novas fontes de energia para substituir o petróleo russo fizeram o euro despencar

6 de julho de 2022

A moeda única atingiu o seu nível mais baixo em relação ao dólar em 20 anos (próximo do US$ 1), pior que os patamares vistos na crise da dívida no começo dos anos 2010

BOMBOU NAS REDES

Warren Buffett: de entregador de jornal rejeitado por Harvard ao posto de sétimo homem mais rico do mundo; descubra como o megainvestidor conquistou a fortuna de R$ 511 bilhões

6 de julho de 2022

Veja os detalhes da trajetória de Warren Buffett até se tornar o sétimo homem mais rico do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies