Menu
2021-06-04T11:29:30-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
De olho na expansão

XP adquire participação na Giant Steps e mira no mercado de fundos quantitativos no Brasil

No Brasil, atualmente, os fundos quantitativos são menos de 2% do total de patrimônio em fundos

4 de junho de 2021
11:29
XP investimentos Escritório Fotos Google Street
Imagem: Divulgação

Duas gigantes resolveram se unir para aumentar a oferta de fundos quantitativos no mercado brasileiro. A XP Inc., maior empresa de investimentos do Brasil, anunciou a aquisição de uma participação minoritária na Giant Steps, maior gestora de fundos de investimento sistemáticos do país.

Fundos quantitativos ou sistemáticos utilizam modelos matemáticos que analisam e programam estratégias por meio de Inteligência Artificial (IA). O time da Giant Steps conta com matemáticos, engenheiros e programadores para aumentar a rentabilidade dos investimentos.

E é um mercado em expansão. Atualmente, 8 das 10 maiores gestoras do mundo são quantitativas, e este tipo de estratégia representa mais de 30% do total de gestão nos Estados Unidos. No Brasil, atualmente, este tipo de estratégia representa menos de 2% do total de patrimônio em fundos. “Com cerca de R$ 7 bilhões sob gestão, a Giant Steps é a principal referência num dos mercados com maior potencial de crescimento do setor financeiro”, afirma a corretora.

De acordo com as empresas, a entrada da XP na sociedade acelerar o projeto da Giant de se tornar a “Renaissance brasileira”, uma corretora tida como modelo para esse segmento.

“Vamos acelerar ainda mais nossos investimentos nas frentes que acreditamos ser as maiores fontes de vantagem competitiva: pessoas, ampliação da infraestrutura tecnológica e aquisição/desenvolvimento de dados alternativos (que vão desde análise de sentimento no Twitter até processamento de imagens e vídeos)”, afirmou Flavio Terni, um dos sócios fundadores da Giant Steps, em comunicado à imprensa.

O principal fundo da casa, o Giant Zarathustra, registra desde 2012 um retorno absoluto de 290% contra 110% do CDI, o indicador de referência. Além disso, a empresa deve lançar um fundo de ações baseado em dados alternativos e um fundo de criptoativos, o primeiro do mercado brasileiro que terá o Bitcoin (BTC) como benchmark, ainda neste semestre.

Ainda segundo o comunicado, a governança e a independência das companhias seguem inalteradas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies