Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-27T08:02:35-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Temporada de balanços deve dividir atenção do investidor com proibições na China e variante delta

As gigantes de tecnologia devem balançar o exterior, enquanto o cenário interno conta com a mineração para se sustentar

27 de julho de 2021
8:02
china, índices
Imagem: Shutterstock

A temporada de balanços das empresas brasileiras deve dividir espaço com gigantes do setor de tecnologia dos EUA no pregão desta terça-feira (27). Clique aqui e saiba o que esperar do segundo trimestre para cada atividade e confira a agenda do dia no final da matéria.

O exterior segue em tom negativo, após a China iniciar uma série de restrições a empresas de tecnologia e educação privada (leia mais abaixo). Enquanto isso, o medo de que a variante delta volte a fechar as atividades voltou e pressiona as bolsas internacionais nesta manhã. 

Enquanto isso, no Brasil, o presidente da República, Jair Bolsonaro, iniciou a reforma ministerial, que deve ser acompanhada de perto pelos investidores. É esperado que Bolsonaro ofereça cargos da Casa Civil e da recém criada pasta do Emprego e Previdência para o chamado “Centrão”. 

Assim como a CPI da Covid, os trabalhos do Congresso estão paralisados em virtude do recesso. As Casas Legislativas devem retomar as atividades na próxima semana, com pautas como reforma do Imposto de Renda, PEC do voto impresso e desdobramentos do suposto superfaturamento na compra de vacinas devem voltar ao radar. 

Sem maiores indicadores para o dia, o investidor deve ficar de olho nos dados da conta corrente do setor externo e nos investimentos diretos no país, divulgados ainda nesta manhã.

No pregão de ontem, o Ibovespa encerrou o dia em alta, puxado pelo otimismo envolvendo o balanço das siderúrgicas, e restabeleceu o patamar dos 126 mil pontos. O dólar à vista recuou 0,70%, fechando a R$ 5,1742. Na mínima do dia, a divisa voltou a encostar nos R$ 5,15. 

Confira o que mais deve movimentar os mercados hoje:

Negócio da China

Na manhã da última segunda-feira (26), o mundo se surpreendeu com a notícia de que o Gigante Asiático estava fechando o cerco contra um setor em expansão no país: o da educação privada

Essas escolas oferecem cursos depois das aulas e tem crescido nos últimos meses com a retomada econômica. Mas essas atividades extracurriculares acabam pesando nas finanças das famílias da China, o que preocupa o governo central do país. 

Dessa forma, o Gigante Asiático deve lançar uma série de medidas para restringir essas atividades, de acordo com a Bloomberg. Mas essa não é a única investida da China contra um setor específico.

As empresas de tecnologia estão sob pressão, em um novo capítulo de uma "guerra fria” entre EUA e China. Enquanto os Estados Unidos acusam o governo de Pequim de não prover a segurança necessária para companhias situadas em Hong Kong, o país asiático alega que os americanos não estão respeitando a soberania do país. 

Na manhã de ontem, o principal órgão regulador China ordenou que gigantes do setor de tecnologia corrigissem práticas “anticompetitivas” e ameaças à segurança de dados. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta terça-feira (27) de maneira mista. As bolsas da região sentiram o peso da ofensiva regulatória do governo de Pequim em cima de empresas de tecnologia e educação privada. Somado a isso, a cautela com o medo da variante delta voltar a fechar os negócios volta a pesar nos mercados. 

Já na Europa, os principais índices operam em baixa agora pela manhã. Os investidores do Velho Continente estão esperando maiores detalhes sobre o avanço regulatório da China no setor de educação privada, enquanto a variante delta também aumenta a cautela. A temporada de balanços segue movimentando os negócios na região. 

Por fim, os futuros de Nova York também operam em baixa, com a temporada de balanços no radar. A variante delta também preocupa os mercados americanos, mesmo com boa parcela da população imunizada. 

Agenda do dia

  • Banco Central: Investimento direto no país (IDP) e conta corrente do setor externo de julho (9h30)
  • Estados Unidos: Encomenda de bens duráveis de junho (9h30)
  • Fundo Monetário Internacional: FMI divulga revisão de relatório de perspectiva global (10h)
  • Estados Unidos: Confiança do consumidor de julho (11h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)

Balanços do dia

  • Estados Unidos: Balanço da GE (antes da abertura)
  • Estados Unidos: Balanço da 3M (antes da abertura)
  • Brasil: Balanço do Assaí (após o fechamento)
  • Brasil: Balanço do Carrefour (após o fechamento)
  • Brasil: Balanço da CSN (após o fechamento)
  • Brasil: Balanço da Telefônica (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Balanço da Alphabet (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Balanço da Apple (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Microsoft (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Balanço da Visa (após o fechamento) 
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

MERCADOS HOJE

Ibovespa recupera os 114 mil pontos após nova Selic; dólar sobe a R$ 5,30

Na ressaca da Super quarta, os investidores seguiram atentos aos desdobramentos dos problemas financeiros da Evergrande; Ibovespa acompanhou NY

Sob nova direção

Mudanças no alto escalão da Ultrapar agradam e ações disparam 9%. Hora de comprar UGPA3?

Analistas enxergam movimentação da Ultrapar como ‘ponto de virada’ e uma surpresa positiva, mas ainda é cedo para um diagnóstico mais preciso do futuro.

OCCUPY B3

B3 (B3SA3) recua quase 3% com ocupação do MTST; movimentos sociais protestam contra o governo e a desigualdade social na sede da Bolsa

Militantes do movimento por moradia entraram no saguão da bolsa de valores em ato contra as altas no desemprego e na inflação

Balança, mas (ainda) não cai

Qual o destino da Evergrande? Veja quatro possíveis cenários para a crise da gigante chinesa

As ações da Evergrande subiram mais de 17% na bolsa de valores de Hong Kong após um acordo com credores. A situação, porém, está longe de ser resolvida. Saiba o que esperar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies