O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-07-15T08:05:47-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Esquenta dos Mercados

Bolsa deve ficar de olho nos debates sobre Orçamento para 2022 e sentir cautela antes da fala de Powell

Confira também como andam as bolsas na manhã desta quinta-feira e o que movimenta os mercados hoje

15 de julho de 2021
8:05
Presidente do Fed, Jerome Powell.
Powell volta para um mandato de mais 4 anos à frente do Federal Reserve - Imagem: Federal Reserve

O recesso do Congresso se aproxima, mas não sem antes deixar algumas bombas debaixo do tapete. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), prorrogou a CPI da Covid por mais 90 dias e os trabalhos envolvendo a reforma do Imposto de Renda devem ser retomados somente em agosto, após o período de descanso.

A Comissão também deve dar uma pausa nos trabalhos. Mas antes, deve ouvir Christiano Carvalho, representante da Davati no Brasil. Christiano é uma das peças para entender a suposta cobrança de propina em 400 milhões de doses da AstraZeneca, oferecidas pela empresa. 

O investidor brasileiro deve ficar de olho na saúde do presidente, que não deve passar por uma cirurgia de emergência, de acordo com o boletim médico divulgado. Além disso, a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022 deve passar pela Câmara e Senado ainda hoje, trazendo a proposta de gastos do governo para o próximo ano. 

Confira o que mais deve movimentar a bolsa brasileira no pregão desta quinta-feira (15):

Inflação nos EUA

O presidente do Banco Central americano, Jerome Powell, voltou a afirmar que o momento inflacionário é passageiro e que não pretende retirar a sua política de estímulos monetários antes da hora. A fala de Powell fez o dólar sofrer uma forte desvalorização frente ao real e segurou a volatilidade das bolsas americanas. 

De acordo com o Federal Reserve, os dados de emprego não estão nem próximos do que costumavam ser. A instituição financeira só deve alterar sua política de juros e injeção de dinheiro na economia após uma melhora dos indicadores de trabalho.

Reforma tributária

A proposta de reforma do Imposto de Renda do deputado Celso Sabino (PSDB-PA) pode acabar aumentando a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), que seria um novo tributo, unindo o PIS e Cofins. O texto tem desagradado estados e municípios, que afirmam uma perda entre R$ 23 bilhões e R$ 27 bilhões em arrecadação.

A equipe econômica tem trabalhado para acalmar os ânimos dos mercados, que viram com maus olhos o aumento de impostos sobre lucros e dividendos. 

China devagar

Durante a noite de ontem, foram divulgados dados da economia da China. O PIB chinês subiu 7,9%, em linha com as expectativas, enquanto a produção industrial desacelerou de 8,8% em maio para 8,3% em junho, mas ainda acima das projeções de 7,8% do The Wall Street Journal

As vendas do varejo também saltaram 12,1%, acima das projeções de 10,9%. Mas desacelerou em relação ao mês anterior, que registrou alta de 12,4%.

Os dados vieram mais fracos na passagem mensal. Entretanto, acima das expectativas do mercado, o que mostra uma desaceleração cautelosa da economia chinesa. 

De acordo com especialistas, as variações se devem à base de comparação mais fraca em virtude dos dados do pior ano da pandemia. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão majoritariamente em alta, após dados regionais da China animarem os negócios. Apesar da rota de desaceleração da economia do Gigante Asiático, especialistas avaliam que os indicadores vieram melhor do que o esperado.

E as bolsas da Europa operam em baixa, à espera da divulgação dos dados de produção da Opep. A baixa nos preços do petróleo atinge as ações do setor e coloca pressão sobre os índices. 

Por fim, os futuros de Nova York apontam para um pregão sem direção única, após a fala de Powell na tarde de ontem (14). Os índices de Wall Street devem reagir aos balanços do dia. 

Agenda do dia

  • Câmara inicia sessão para votar projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022 (10h)
  • Estados Unidos: Divulgação dos pedidos de auxílio desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: Produção industrial de junho (10h15)
  • Estados Unidos: Presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, testemunha ao Comitê Bancário do Senado americano (10h30)
  • Senado tem sessão para votar LDO (16h)
  • Presidente dos EUA, Joe Biden, se reúne com chanceler alemã, Angela Merkel, na Casa Branca
  • Opep divulga relatório mensal sobre mercado de petróleo

Balanços

  • Estados Unidos: UnitedHealth (antes da abertura)
  • Estados Unidos: Morgan Stanley (8h30)
  • Estados Unidos: Alcoa (após o fechamento)
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies