Menu
2020-04-02T15:01:09-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Crescimento de ganhos

Lucro de companhias abertas sem Vale, Petrobras e Oi cresce 7% em 2019, diz estudo

Lucro cresceu 7,16% em 2019, passando de R$ 94,2 bilhões em 2018 para R$ 101 bilhões no ano passado, segundo levantamento da Economática

2 de abril de 2020
15:01
Ações negociadas na bolsa de valores
Imagem: Shutterstock

O lucro das empresas de capital aberto cresceu 7,16% em 2019. A cifra passou de R$ 94,2 bilhões em 2018 para R$ 101 bilhões no período, segundo levantamento da Economática, que não considera Petrobras, Vale e Oi.

A análise é feita com base nos demonstrativos financeiros entregues à CVM por 260 empresas não financeiras e retira as três do universo para não distorcer os números totais, já que os dados foram bem diferentes entre elas no ano passado. Os cálculos consideraram valores nominais sem ajuste de inflação.

Incluindo os bancos, o lucro chegou a 13,64%: de R$ 169,2 bilhões para R$ 192,3 bilhões. Nesse caso, foram analisados os dados de 283 empresas. Os bancos, inclusive, foram o setor mais lucrativo em 2019. Juntas, as 23 instituições lucraram R$ 91,3 bilhões, valor 21,77% superior ao de 2018 quando as mesmas instituições lucraram R$ 75,0 bilhões.

Dos 25 setores analisados, 13 tiveram crescimento de lucratividade no ano de 2019. O setor de bancos foi o que apresentou o maior crescimento nominal de lucratividade, seguido pelo setor de Alimentos e Bebidas. Doze setores tiveram redução de lucratividade no ano de 2019 com relação a 2018 e o setor com maior queda foi o de siderurgia e metalurgia com redução de R$ 4,5 bilhões. O setor de telecomunicações teve a segunda maior queda nominal com recuo de R$ 2,86 bilhões. Em 2019 somente quatro setores registraram prejuízo consolidado. O setor com maior prejuízo foi o de papel e celulose com perda de R$ 2,25 bilhões.

Entre as dez empresas mais lucrativas, quatro foram do setor de bancos e duas do setor de alimentos e bebidas. Os quatro bancos da lista (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander) acumularam R$ 81,5 bilhões de lucro no ano de 2019, valor 17,98% superior ao do ano de 2018 quando o lucro foi de R$ 69,0 bilhões. Em alimentos e bebidas, o lucro da Ambev chegou a R$ 11,0780 bilhões em 2019 ante R$ 1,025 bilhão em 2018. Já JBS teve lucro de R$ 6,068 bilhões, contra R$ 25 milhões no ano anterior.

Entre as empresas com maiores prejuízos no ano de 2019 apareceram Embraer e OSX, categorizadas como do setor de veículos e peças.

Se adicionadas à amostra a Petrobras, Vale e Oi, o lucro de 286 empresas em 2019 foi de R$ 216,8 bilhões, valor 11,61% inferior ao de 2018. A Petrobras foi a empresa mais lucrativa no ano de 2019 com R$ 40,1 bilhões, valor 55,7% superior ao do ano de 2018. Já a Oi foi a empresa com maior prejuízo em 2019 com R$ 9,00 bilhões, seguida pela Vale, com R$ 6,67 bilhões.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Rankings

Os fundos imobiliários mais rentáveis dos últimos cinco anos

Saiba quais foram os FII com maiores retornos de dividendos e com as maiores valorizações na bolsa no longo prazo

fique de olho

Petrobras reajusta gasolina em 7,6%; aumento vale a partir da terça-feira, dia 19

Esse é o primeiro aumento do ano; empresa tem sido criticada por um grupo de concorrentes, acusada de praticar valores abaixo da paridade internacional

indo às compras

XP vê setor de supermercados melhor que antes da pandemia e escolhe ação favorita

Analistas avaliam que segmento apresenta dinâmica de resultados favorável e papéis baratos em termos históricos

na b3

Bemobi, clube de assinatura de aplicativos, pode levantar R$ 1 bi em IPO

Empresa precifica os papéis no dia 8 de fevereiro; companhia, que faz parte de grupo norueguês, vende assinaturas de apps, soluções de “micro finanças”, entre outros

OUÇA DE GRAÇA

Do zero ao R$ 1 bilhão: como a Empiricus usa tecnologia para vender produtos digitais

Na edição dessa semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Gianotto head de e-commerce da Empiricus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies