Menu
2020-11-24T18:40:16-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
RECOMENDANDO COMPRA

Cenário positivo abre caminho para valorização de 51% da Petrobras, diz BofA

Banco eleva recomendação para ações preferenciais a compra, citando que empresa é beneficiada por recuperação econômica e reestruturação

24 de novembro de 2020
15:11 - atualizado às 18:40
Refinaria Abreu e Lima da Petrobras
Refinaria Abreu e Lima da Petrobras - Imagem: Divulgação

Tudo conspira em favor da Petrobras (PETR4), de acordo com o Bank of America (BofA) – o preço do petróleo deve se valorizar nos próximos 12 meses, a demanda por refinados aumentará por conta da recuperação da economia brasileira, a produção está em tendência de alta e a companhia começará a sentir os efeitos dos desinvestimentos no ano que vem.

Por tudo isso, o analista Frank McGann decidiu elevar a recomendação para as ações da Petrobras de neutro para compra e o preço-alvo de R$ 28,00 para R$ 38,00, o que representa um potencial de alta 51,4% em relação ao valor em que os papéis fecharam o pregão de segunda-feira (23), de R$ 25,10.

A decisão, junto com o aumento do preço do petróleo, impulsionou as ações da estatal nesta terça. Os papéis preferenciais (PETR4) fecharam em alta de 4,46%, a R$ 26,22, enquanto os ordinários (PETR3) avançaram 5,34%, para R$ 26,84.

Recuperação das economias

Para o analista do BofA, o cenário para as ações da Petrobras decolarem está aberto. Um dos pontos é o preço do barril de petróleo no mercado internacional. A expectativa é de que ele tenha uma cotação média de US$ 50,00 em 2021, acima dos US$ 43,70 que ele ronda este ano.

A redução dos riscos econômicos associados à covid-19 pelo mundo será o principal fator para a alta, de acordo com o analista.

“Nós também esperamos uma oferta restrita por parte da Opep + [grupo que reúne os maiores produtores de petróleo do mundo, mais alguns países que não são associados, como a Rússia] até que uma tendência de crescimento da demanda permita um aumento gradual da produção do grupo”, diz trecho do relatório.

A recuperação do Brasil também consta na tese de investimento do BofA para a Petrobras. A perspectiva de crescimento de 3% do PIB em 2021, ante a queda de 4% esperada para este ano, deve impulsionar o consumo de produtos refinados.

Crescimento da produção

O analista do BofA também vê fatores internos como catalisadores para a alta das ações da Petrobras. Um deles é a tendência de crescimento da produção de petróleo e gás nos próximos anos, vindo principalmente das áreas do pré-sal, principal aposta da companhia por serem altamente rentáveis.

Ele estima que a produção total alcançará 2,9 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) em 2021, chegando a 3,4 milhões boe/d em 2025. “Nós esperamos que o aumento na produção impulsione as exportações brasileiras de petróleo e a produção de refinados ao longo dos próximos anos”, diz trecho do relatório.

Venda de ativos

Outro fator interno citado pelo analista é a questão da reestruturação sendo conduzida pela administração, em especial a venda de ativos.

Para ele, a Petrobras deve completar uma etapa importante do plano de desinvestimento em 2021, incluindo a venda de até 46% de sua rede de refinarias e de importantes áreas de exploração em águas profundas, como 50% de sua participação no Polo de Marlim, na Bacia de Campos, terceira maior área do Brasil.

Dívida e dividendos

A combinação de bons preços do petróleo, aumento da produção e venda de ativos deve ajudar a reduzir substancialmente o endividamento, segundo o analista, que não divulgou uma estimativa.

O processo de desinvestimento é considerado crucial para a empresa ter uma dívida em linha com seus principais pares internacionais. A dívida bruta recuou 13% entre o segundo e o terceiro trimestre, para US$ 79,6 bilhões, resultando em uma relação entre ela e o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado de 2,80 vezes.

O nível de endividamento define quanto a Petrobras poderá pagar de dividendos. Em casos excepcionais, a empresa poderá propor o pagamento de dividendos extraordinários, superando o dividendo mínimo legal obrigatório – estabelecido pela lei que rege as companhias de capital aberto, a Lei das S/As, em 25% do lucro líquido – ou o valor de 60% do fluxo de caixa operacional descontados os investimentos, quando o endividamento estiver abaixo de US$ 60 bilhões.

Para o analista do BofA, considerando as medidas sendo tomadas pela empresa, esta possibilidade de pagamentos deve ocorrer entre 2023 e 2025.

No caso de o endividamento bruto estar acima de US$ 60 bilhões, a diretoria pode propor o repasse de proventos, desde que entenda que o pagamento não prejudica a posição financeira da empresa.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Rombo nas contas assusta

Decisão do STF sobre ICMS pode acelerar reforma tributária

O risco de um desfalque maior na arrecadação do governo deve intensificar os esforços da equipe econômica para acelerar a tramitação das mudanças no Congresso

Reação ao balanço

Lucrou, mas não empolgou. Ações do IRB caem mesmo com melhora no resultado

Papéis da resseguradora (IRBR3) estavam entre as maiores quedas do Ibovespa nesta sexta-feira; Credit Suisse vê piora operacional da companhia

Prepare o bolso

Petrobras diz que manterá ritmo de reajustes nos preços de combustíveis

Um executivo confirmou que não haverá mudanças na política de preços da estatal, que segue sem frequência definida

Educação

Ações da Cogna avançam, mesmo com prejuízo líquido de R$ 90,975 milhões no 1º trimestre

Confira outros destaques do balanço da empresa, que viu uma queda de 18,1% nos investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies