Menu
2020-02-03T13:50:45-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Aposta na queda

Ação do IRB despenca após gestora Squadra apontar ‘disparidade’ em resultado

A gestora, que mantém uma posição vendida nas ações, falou sobre a existência de indícios que apontam para lucros recorrentes “significativamente inferiores” aos lucros contábeis reportados; empresa nega

3 de fevereiro de 2020
11:22 - atualizado às 13:50
queda / gráfico
Imagem: Shutterstock

A publicação da carta aos investidores da gestora de fundos Squadra provoca estragos nas ações da empresa de resseguros IRB no pregão desta segunda-feira.

A gestora, que mantém uma posição vendida nas ações da empresa (IRBR3) desde 2018, falou sobre a existência de indícios que apontam para lucros recorrentes "significativamente inferiores" aos lucros contábeis reportados pela companhia.

"Essa disparidade entre lucro contábil e lucro normalizado foi crescente durante o período e atingiu sua maior diferença nos resultados trimestrais mais recentes", escreveu a gestora.

Por volta das 11h, as ações do IRB despencavam quase 15%, de longe a maior queda entre os papéis que fazem parte do Ibovespa. Leia também nossa cobertura completa de mercados hoje.

A gestora não acusa o IRB de fazer algo irregular, mas diz que há uma "grande disparidade" entre o preço e valor nas ações. Na opinião da Squadra, essa disparidade seria provocada principalmente por uma percepção de parcela do mercado sobre a sustentabilidade dos seus elevados níveis de retorno sobre o capital.

A aposta vendida no IRB até o momento tem provocado perdas para a Squadra. Nos últimos 12 meses, as ações acumulam ganho de quase 40% mesmo com a queda de hoje. Desde o IPO, o valor de mercado da empresa se multiplicou por quatro. Na semana passada, o UBS divulgou relatório no qual reiterou a recomendação de compra para os papéis.

IRB responde

O IRB já respondeu à carta da Squadra. Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa informou que os balanços seguem as normas contábeis e atuariais vigentes no Brasil "com absoluta precisão, passando por um rigoroso processo de governança".

O IRB avalia ainda a possibilidade de tomar medidas legais contra a gestora, que tem interesse econômico "diametralmente conflitante com os interesses da companhia".

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Foi ruim mas foi bom

Guedes defende acordo e diz que agora Orçamento ficará “exequível”

O presidente Jair Bolsonaro tem até amanhã para sancionar o Orçamento de 2021, que foi aprovado com despesas obrigatórias subestimadas para acomodar uma quantidade maior de emendas parlamentares

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies