Menu
2019-09-02T13:20:18-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Resseguros

UBS mantém recomendação de compra para ações do IRB e eleva preço-alvo

Perspectiva de alta das receitas locais e no mercado externo devem manter rentabilidade do IRB em alta, segundo analistas do banco suíço

2 de setembro de 2019
12:49 - atualizado às 13:20
Obra de insfraestrutura
IRB assume os riscos de apólices de outras seguradoras Imagem: Shutterstock

A alta acumulada de mais de 85% nos últimos 12 meses – mais que o dobro do Ibovespa – ainda não representa o fim da linha para as ações do IRB Brasil, pelo menos na análise do UBS.

O banco suíço manteve a recomendação de compra para os papéis da empresa de resseguros (IRBR3) – que assume o risco da apólice de outras seguradoras – e elevou o preço-alvo de R$ 113 para R$ 120. No pregão de hoje, as ações eram cotadas a R$ 107,30, em queda de 1,11% por volta das 12h25. Confira também nossa cobertura completa de mercados.

Para os analistas do banco suíço, as ações do IRB se mantêm atrativas em razão da perspectiva de aumento nas receitas no mercado local, além da possibilidade de novos negócios no exterior e da rentabilidade da empresa, que está entre as maiores do mundo no setor.

Nas projeções do UBS, as receitas do IRB devem crescer a uma média anual de 13,5% entre este ano e 2021, puxadas pelo programa de privatizações, subsídios a seguros rurais e projetos de infraestrutura.

"No médio e longo prazo enxergamos oportunidades de crescimento em parcerias com bancos digitais e fintechs e no aumento da penetração do mercado de resseguros", escreveram os analistas em relatório a clientes.

No mercado internacional, o UBS espera um crescimento ainda mais acelerado das receitas do IRB em razão da depreciação do câmbio, reajustes de preços e aumento da participação. A expectativa é que as receitas internacionais atinjam 46% do total em 2020, com foco na América do Sul, onde o mercado de resseguros ainda é pequeno e muito fragmentado.

Tudo isso deve se traduzir em um aumento na rentabilidade sobre o patrimônio (ROE, na sigla em inglês) da resseguradora, que deve atingir os 48%, ainda de acordo com a estimativas do UBS.

Para os analistas, os riscos para o IRB residem em três fatores: uma maior competição no mercado local, o câmbio e um aumento no nível de perdas.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Temperatura subindo

Febraban: carteira de crédito continua em expansão e deve registrar melhor índice desde 2013

As concessões de empréstimos devem apresentar crescimento de 4,7% em maio, acumulando aumento de 6,9% nos últimos 12 meses

Fim de papo

Bolsonaro se irrita com questão de frete e termina conversa na saída do Alvorada

Antes, ao ser cobrado quais as propostas para atender a categoria, Bolsonaro repetiu que o “maior problema de vocês (caminhoneiros)” é o preço dos combustíveis e os tributos

Nova realidade?

UBS prevê queda nos preços de minério de ferro e rebaixa Rio Tinto

Para os analistas, problemas com oferta no Brasil, intensificados pela pandemia, e atuação do governo chinês devem pressionar cotação do insumo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies