Menu
2020-03-10T08:35:40-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Mercados hoje

Investidores contam com atuação dos BCs para reduzir o pessimismo; mercados tentam recuperação

Ontem, Trump disse que irá aprovar benefícios fiscais para conter o risco dos efeitos do coronavírus. No Japão também deve atuar e anunciar um novo pacote de benefícios.

10 de março de 2020
8:18 - atualizado às 8:35
Ibovespa mercados em queda
Imagem: Shutterstock

Com o caos instalado hoje nos mercados globais, hoje os investidores esperam que Estados Unidos e Japão adotem medidas de estímulos para tentar conter os impactos do coronavírus na economia global e evitar uma possível recessão.

Ontem, Trump disse que irá aprovar benefícios fiscais para conter o risco dos efeitos do coronavírus. No Japão também deve atuar e anunciar um novo pacote de benefícios.

Expectativa também para uma possível atuação do Banco Central europeu e do grupo dos sete países mais ricos do mundo, o G-7.

BC tenta outra vez

Ontem, o Banco Central brasileiro tentou conter a alta do dólar com a oferta da US$ 3 bilhões. Mas, a atuação não fez nem cócegas na cotação da moeda americana, que continuou subindo e fechou o dia com alta de 1,95%, a R$ 4,7243 (um novo recorde de fechamento!).

Para hoje, está previsto um novo leilão de US$ 2 bilhões à vista no mercado. O recuo do dólar frente a outras moedas emergentes pode ajudar a aliviar o câmbio

Rússia e o Petróleo

O petróleo foi a grande estrela do caos que tomou conta dos mercados nesta segunda-feira.

Em atrito com a Rússica, a Arábia Saudita decidiu aumentar a sua produção de produção e deu descontos para os seus compradores, em uma tentantiva de fazer a Rússia voltar à mesa de negociações. Mas, ao invés disso, a situação provocou um efeito dominó nas bolsas globais.

O preço da commodity chegou a ultrapassar 30%, a maior queda diária desde a Guerra do Golfo, e fez as bolsas mundiais despencarem fortemente.

Mas, durante essa madrugada, as bolsas asiáticas conseguiram se recuperar, após fortes perdas no dia anterior, e fecharam em alta generalizada. O motivo para o otimismo é o mesmo que deve pautar o restante dos mercados: a expectativa para que os bancos centrais atuem para amenizar o impacto econômico do coronavírus.

Como anda o petróleo?

Após subir mais de 20% ontem e chegar a bater a casa dos 30% de valorização, hoje a commodity apresenta altas mais moderadas: o WTI subia 7,26% e o Brent avanaçava 6,61%.

Pediu para parar, parou!

As bolsa amerinanas não caíam tanto desde a rise do subprime em 2008. O botão do pânico foi acionado e as negociações foram paralisação de 15 minutos em Nova York. Mesmo assim as bolsas as bolsas tiveram fortes recuos.

O S&P 500 teve queda de 7,68%, O Dow Jones recuou 7,60% e Nasdac recuou 7,79%. Hoje, os índices futuros em Nova York anunicou um dia de ganhos, cin o mercado futuro trabalhando com avanços superiores a 4%.

Na Europa, o começo do dia parece anunciar recuperação e os índices do continente operam em alta, após as perdas acentuadas de ontem.

No Brasil, o circuit breaker foi acionado logo depois da abertura, mas não foi o suficiente para acalmar os ânimos dos investidores. O Ibovespa despencou mais de 12% e voltou ao nível de 2018, aos 86.067,20 pontos.

Agenda

Hoje o IBGE divulga a produção industrial de janeiro, que já deve refletir algum impacto do coronavírus. A expectativa dos analistas é por uma desaceleração.

Em Brasília, a Comissão Mista do Orçamento discute as propostas do governo. Guedes também disse ontem que a reforma administrativa será enviada ao Congresso na próxima semana.

Na zona do euro temos a divulgação do PIB doº trimestre. Já nos Estados Unidos, as prévias democratas ganham um gás com votações em 6 estados.

Fique de olho

  • Caixa Seguridade decidiu suspender o processo de IPO até julho. O motivo é a forte turbulência que tomou conta das bolsas.
  • Após forte turbulência nos papéis, o IRB decidiu recomprar mais de 7 milhões de ações ordinárias.
  • Telefônica irá converter 100% das suas ações preferênciais em ordinárias
  • Linx aprovou programa de recompras de ações
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies