Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-01-30T18:49:12-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Briga entre touros e ursos

Após passar o dia em queda firme, Ibovespa se recupera na reta final e fecha em leve alta

O surto de coronavírus trouxe enorme cautela aos investidores no início do diae levou o Ibovespa às mínimas do ano. Mas, no fim da sessão, o voto de confiança dado pela OMS à China animou os mercados e fez o índice virar ao campo positivo

30 de janeiro de 2020
18:49
Mercados Ibovespa touros ursos
Imagem: Shutterstock

Touros e ursos entraram numa briga nesta quinta-feira (30). O tema, é claro, era o coronavírus — e, durante boa parte da sessão, parecia que a ala pessimista ganharia de lavada. O Ibovespa, afinal, chegou a cair mais de 2% no pior momento do dia e o dólar à vista tocou as máximas históricas.

Só que, pouco antes das 17h00, uma notícia deu ânimo aos touros e provocou uma reviravolta na sessão. A Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou que o surto de coronavírus é uma emergência global — uma informação que, teoricamente, justificaria toda a cautela vista até então.

Só que, na prática o efeito foi o contrário: a ala otimista do mercado começou a se mexer, aproveitando os níveis mais baixos da bolsa. Pouco a pouco, o Ibovespa foi ganhando força e recuperando o terreno perdido.

Assim, após passar quase todo o pregão no campo negativo, o Ibovespa fechou em leve alta de 0,12%, aos 115.528,04 pontos — e isso após chegar a cair 2,22%, aos 112.825,49 pontos, e atingir uma nova mínima intradiária em 2020.

O mercado de câmbio não teve a mesma sorte, já que suas negociações terminam às 17h. Assim, sem ter muito tempo para reagir ao noticiário, o dólar à vista fechou em forte alta de 0,90%, a R$ 4,2574 — o maior nível de encerramento desde 27 de novembro (R$ 4,2586).

As duas etapas do pregão desta quinta-feira no Ibovespa ficam bastante claras no gráfico do índice: os ursos dominaram as negociações durante quase toda a sessão, mas os touros reagiram intensamente na última hora:

Terra dos ursos

No início do dia, o salto nos casos do coronavírus no mundo inspirava enorme cautela aos investidores. A sessão asiática teve perdas expressivas, que se estenderam às praças da Europa e dos Estados Unidos. E, nesse cenário, o Ibovespa era presa fácil para os ursos.

Até o começo da noite de ontem, o balanço do coronavírus dava conta de 133 mortos e cerca de seis mil pessoas infectadas. No entanto, o saldo aumentou bastante desde então — os números mais atualizados já mostram 170 mortes e mais de oito mil contaminados no mundo.

"O mercado teme que a China não esteja contanto a verdade, teme que a realidade seja mais grave do que a revelada", me disse um operador no início do dia, pedindo para não ser identificado. "Há o receio de que o vírus poderá impactar a economia mundial".

Com esse panorama em mente, o Ibovespa mergulhou em direção aos 112 mil pontos, um nível que não era visto desde 18 de dezembro do ano passado — o dólar à vista, por sua vez, se aproximou da máxima nominal histórica, de 26 de novembro de 2019 (R$ 4,2772).

A cautela em relação à doença também foi sentida no mercado de commodities. O petróleo Brent caiu 2,68% e o WTI terminou em baixa de 2,23% — as negociações de minério de ferro continuam paralisadas, em função do feriado do Ano Novo Lunar na China.

O destino do Ibovespa e das bolsas globais parecia selado. Só que, aí, a OMS veio a público falar sobre sua avaliação a respeito do coronavírus — e o jogo virou nos mercados acionários.

Fúria dos touros

A OMS decretou que o surto de coronavírus é emergência global de saúde pública , elevando o seu nível de preocupação em relação à doença, reconhecendo que, embora a situação seja mais grave na China, há motivos para preocupação no resto do mundo — ao todo, 18 outros países já têm casos confirmados.

No entanto, a instituição também elogiou os esforços do governo chinês para conter a disseminação da doença e não transmitiu qualquer instrução para evitar viagens ao país asiático.

"O comitê acredita que ainda é possível interromper a disseminação do vírus, desde que os países adotem medidas firmes para detectar a doença em seus estágios iniciais, isolem e tratem os casos, rastreiem os contatos e promovam medidas sociais apropriadas ao risco", disse a OMS, em relatório.

A declaração foi suficiente para trazer alívio às preocupações. E, no caso dos mercados, a menor preocupação despertou os touros, que andavam sumidos na sessão.

Rapidamente, as bolsas que ainda estavam abertas começaram a ganhar força. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Dow Jones (+0,43%), o S&P 500 (+0,31%) e o Nasdaq (+0,26%) viraram e fecharam em alta, após ficarem o dia todo no campo negativo.

Afinal, o sinal de confiança mostrado pela OMS em relação à China diminuiu a desconfiança quanto a postura de Pequim. E, assim, o Ibovespa conseguiu terminar o pregão com leve ganhos, mesmo após um início de dia tão negativo.

A puxada na bolsa brasileira foi capitaneada pelas ações do setor de commodities e que possuem relações comerciais diretas com a China — caso da Petrobras, das mineradoras e das siderúrgicas, que amargavam perdas expressivas.

Petrobras ON (PETR3), por exemplo, fechou em alta de 2,08% — os papéis PN da estatal (PETR4) subiram 0,31%. No setor de mineração e siderurgia, Vale ON (VALE3) teve ganho de 1,48%, CSN ON (CSNA3) avançou 0,37% e Gerdau PN (GGBR4) valorizou 2,98%.

De olho na agenda

Além da tensão relacionada ao coronavírus, os mercados ainda repercutiram uma agenda econômica carregada. Em primeiro plano, apareceu o avanço de 2,1% do PIB dos Estados Unidos na primeira prévia do quarto trimestre — um dado que veio em linha com as expectativas e não trouxe mais preocupação aos investidores.

Por aqui, foram digeridos os dados do IGP-M, mostrando uma desaceleração para 0,48% em janeiro — em dezembro, o indicador subiu 2,09%. E, com o alívio na pressão inflacionária, o mercado voltou a apostar num novo corte da Selic pelo Copom.

Mas, apesar da surpresa positiva com o IGP-M, as curvas de juros fecharam em alta — a pressão no dólar à vista e a tensão global se sobrepôs ao alívio inflacionário. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,34% para 4,36%;
  • Janeiro/2023: de 5,49% para 5,50%;
  • Janeiro/2025: de 6,18% para 6,21%;
  • Janeiro/2027: de 6,58% para 6,59%.

Até onde vai o dólar?

No mercado de câmbio, o dólar se valorizou em relação às moedas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras. Assim, o real acompanhou o contexto de cautela externa.

"Ninguém sabe até onde essa crise vai", diz Jefferson Luiz Rugik, diretor de câmbio da corretora Correparti. "O investidor é arredio ao risco: ele vê uma instabilidade dessas e corre para a segurança".

Esse é um movimento clássico dos mercados de câmbio: em momentos de turbulência, os agentes financeiros deixam suas posições em ativos mais arriscados — como as moedas de países emergentes — e correm para opções mais sólidas, como o dólar ou o iene.

Vale ressaltar, no entanto, que a divisa brasileira teve o pior desempenho do grupo, com o dólar se aproximando das máximas nominais históricas. Rugik, no entanto, ainda não aposta numa atuação do Banco Central para conter o avanço da moeda americana.

"É um problema mundial, não é um problema específico do Brasil", diz ele. "Claro que, se o dólar subir demais, o Banco Central vai ter que intervir de alguma maneira. Mas, por enquanto, eu não vejo necessidade".

O diretor da Correparti ainda lembra que, no ano passado, quando o BC promoveu leilões de dólares no mercado à vista, havia um problema de liquidez no mercado doméstico — muitas empresas estavam enviando recursos ao exterior para o pagamento de proventos.

Assim, a conjuntura atual é diferente da do ano passado, já que, desta vez, não há uma questão estrutural relacionada ao país.

Top 5

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta quinta-feira:

  • Gerdau PN (GGBR4): +2,98%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +2,38%
  • Petrobras ON (PETR3): +2,08%
  • Hypera ON (HYPE3): +2,01%
  • Cielo ON (CIEL3): +1,87%

Confira também as maiores baixas do índice hoje:

  • Weg ON (WEGE3): -3,35%
  • Braskem PNA (BRKM5): -3,20%
  • Ecorodovias ON (ECOR3): -2,70%
  • Eletrobras ONB (ELET6): -2,66%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -2,56%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

MERCADOS HOJE

Bom humor global ajuda e Ibovespa recupera os 114 mil pontos após nova Selic; dólar sobe a R$ 5,30

Na ressaca da Super quarta, os investidores seguiram atentos aos desdobramentos dos problemas financeiros da Evergrande; Ibovespa acompanhou NY

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies