Menu
2020-10-23T13:36:31-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Carteira recomendada

Banco Inter indica 10 BDRs para o mês de novembro

Banco inaugura carteira recomendada mensal de BDRs com 10 indicações para o próximo mês, que incluem Amazon, Google e Coca-Cola

23 de outubro de 2020
13:36
Placa de loja da Amazon
Imagem: Shutterstock

Depois da XP, foi a vez de o Banco Inter inaugurar uma carteira recomendada de BDR, os recibos de ações gringas negociados na B3. O banco preparou um relatório com dez indicações para o mês de novembro.

Desde ontem, qualquer investidor pode negociar os BDRs não patrocinados, antes restritos aos investidores qualificados, aqueles com mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Assim, os papéis que representam as ações de gigantes como Google, Amazon, Facebook, Nike e Coca-Cola estão agora disponíveis ao pequeno investidor, sem que ele precise sair da bolsa brasileira.

Para a seleção dos seus 10 BDRs preferidos para o próximo mês, o Banco Inter partiu de um grupo de 30 empresas que atenderam a critérios de "momentum, volume e comportamento das oscilações dos papéis no mercado", segundo o relatório.

Em seguida, por meio de análise setorial e fundamentalista, foi feita uma avaliação do momento de mercado das companhias e o potencial de valorização (upside), considerando o preço-alvo do consenso de mercado em relação aos preços correntes para cada papel.

Confira, na tabela, os 10 BDR selecionados. Cada um deles tem peso de 10% na carteira:

BDRCódigo
AmazonAMZO34
JP MorganJPMC34
Johnson & JohnsonJNJB34
NikeNIKE34
Alphabet (Google)GOGL34
PfizerPFIZ34
Berkshire HathawayBERK34
Coca-ColaCOCA34
Pepsico Inc.PEPB34
Walt DisneyDISB34

A seguir, confira a avaliação do Banco Inter para cada um dos papéis:

Amazon

"A companhia vem apresentando crescimento robusto de receitas, ano contra ano, alavancado pela situação da pandemia, o que reverte
em forte remuneração aos acionistas. A ascensão do e-commerce e a disponibilização de diversos produtos em uma única plataforma, somadas a sua capilaridade e capacidade de entrega em até 1 dia a depender da
localidade, colocam a empresa em posição de liderança no segmento."

Tendência Fundamentalista: positiva com contínuo crescimento de receitas e geração de caixa.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 3.727.
Upside: 17,5%.

JP Morgan

"Em 2020 as ações da empresa caem 28,6%, abaladas pelos juros globais mais baixos e por temores de aumentos nas provisões para créditos duvidosos."

Tendência Fundamentalista: embora afetado pela covid-19, como todo o setor, o JP trouxe resultados do terceiro trimestre com certa evolução e mesmo ROE (retorno sobre o patrimônio líquido) do terceiro trimestre de 2019 (15%). Remuneração de acionistas continua como fator positivo.
Tendência Grafista: neutra.
Preço-alvo: US$ 115,57.
Upside: 15,1%.

Johnson & Johnson

"Em 2020 as ações da empresa apresentam queda de 1,3%, justificado pela resiliência do setor no qual a empresa opera e na possibilidade da divisão de produtos farmacêuticos desenvolver uma vacina para Covid-19."

Tendência Fundamentalista: a companhia apresentou avanços em receitas, lucros e lucro por ação (LPA) no terceiro trimestre, apesar dos impactos econômicos da covid-19 mundo afora.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 165,44.
Upside: 14,4%.

Nike

"Entendemos que a Nike tem gerado valor ao longo de anos, com um processo de inovação que faz parte do seu DNA, traduzido em robustos resultados."

Tendência Fundamentalista: no primeiro semestre deste ano, a companhia apresentou crescimento nos lucros ano contra ano, apesar da queda nas receitas totais. Ressaltamos o avanço das vendas digitais, parcialmente compensando as quedas nas lojas físicas, permitindo evolução mesmo em período conturbado.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 144,44.
Upside: 11,4%.

Alphabet (Google)

"A empresa se destaca pela importância desempenhada no cotidiano de nossa atual sociedade e, consequentemente, no forte impacto nas receitas em publicidade, vendas de conteúdo digital, aplicações e ofertas de nuvem, assim como na venda de demais serviços de tecnologia. Em 2020, as
ações registram uma valorização de mais de 60%, mesmo com o choque econômico da pandemia."

Tendência Fundamentalista: a companhia teve um ano relativamente fraco em termos de resultados operacionais, com custos e despesas avançando mais que receita. Contudo, a geração de caixa continua forte e deve seguir nesta tendência.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 1.764,81.
Upside: 10,8%.

Pfizer

A receita da farmacêutica "é basicamente sustentada pelo sucesso de sua expertise em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Em função do seu histórico operacional e seu recente destaque na corrida pela vacina da covid-19, sua ação sobe quase 40% em 2020."

Tendência Fundamentalista: a companhia reportou queda de 9% ano contra ano nas receitas do segundo trimestre de 2020, o que refletiu na queda de 2% no lucro por ação (LPA) ajustado. Entretanto, vemos como positivos os avanços no desenvolvimento de uma vacina para a covid-19, o que pode gerar grandes retornos aos stakeholders.
Tendência Grafista: neutro.
Preço-alvo: US$ 40,85.
Upside: 9,8%.

Berkshire Hathaway

"Ao comprar uma ação da Berkshire, você estará investindo em companhias do setor elétrico, seguradoras, empresas de construção civil e entre outras. As teses de investimento do grupo são as mais diversas, mas miram companhias que conhecem bem o negócio no qual estão inseridas, têm margem elevadas e geram um alto valor para o acionista."

Tendência Fundamentalista: a companhia do megainvestidor Warren Buffett acumula prejuízo líquido em 2020 de cerca de US$ 24 bilhões, resultado dos impactos da pandemia. Entretanto, por tratar-se de empresa focada no longo prazo, vemos como um contratempo momentâneo a ser mitigado ao longo dos próximos períodos.
Tendência Grafista: neutra.
Preço-alvo: US$ 230.
Upside: 9,5%.

Coca-Cola

Devido ao vasto portfólio de marcas e produtos, "existe um considerável potencial de economia de custos com sua escala de distribuição, o que lhe permite ser bastante competitiva (...) A companhia apresenta um negócio duradouro, lucrativo e que tem um grande apego pelo seu público-alvo. No ano, as ações tiveram um retorno próximo a 30%."

Tendência Fundamentalista: a empresa foi fortemente impactada pela pandemia, devido às medidas de isolamento social e os impactos em entretenimento. Contudo, com a reabertura, vimos os resultados evoluindo no terceiro trimestre de 2020.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 54,59.
Upside: 9,4%.

Pepsico Inc.

"Os produtos PepsiCo são apreciados pelos consumidores mais de um bilhão de vezes por dia em mais de 200 países. Com um portfólio amplo em variedades de alimentos e bebidas, atualmente possui 23 marcas que geram mais de U$ 1 bi cada em vendas anuais: (Pepsi, Gatorade, Toddy, Quaker, Elma Chips, Kero Coco, Mountain Dew, Seven Up, Lipton etc.). Em 2020, as ações da companhia já avançam mais de 43%."

Tendência Fundamentalista: a diversificação da companhia foi fundamental para que passasse pelo período de pandemia com menor impacto em seus resultados. Vimos receitas e lucro avançando e acreditamos que a estratégia deve manter os resultados em ascendência.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 152.
Upside: 9,1%.

Walt Disney

"Maior conglomerado de mídia e entretenimento do planeta, a companhia foi pioneira na indústria de animação. Desde então a Disney criou novas divisões para produção de cinema, teatro, rádio, música, publicidade e mídia online. A empresa é reconhecida por seus estúdios de cinema em
Hollywood, canais de televisão e pelos 14 parques temáticos ao redor do mundo. O sucesso da companhia é o encantamento e a inspiração do cliente através do poder de contar histórias e transmitir experiências. Em 2020, as ações se valorizaram mais de 20%."

Tendência Fundamentalista: Apesar da pandemia ter afetado seu negócio de parques temáticos, o número de assinantes dos canais de entretenimento aumentou consideravelmente. Com a reabertura, vemos ganhos de receitas das duas frentes impulsionando os resultados.
Tendência Grafista: alta.
Preço-alvo: US$ 136,75.
Upside: 8,5%.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies