Menu
2019-10-14T14:30:07-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Com o fôlego em dia

Nadando contra a maré: Ibovespa destoa do exterior, fecha em alta e recupera os 105 mil pontos

O noticiário mais favorável no front doméstico neutralizou o tom defensivo visto lá fora, em meio às instabilidades da cena política americana, dando impulso ao Ibovespa

26 de setembro de 2019
10:32 - atualizado às 14:30
Pessoa nadando
O Ibovespa não se intimidou com o tom negativo das bolsas americanas e nadou até o nível dos 105 mil pontosImagem: Todd Quackenbush / Unsplash

A correnteza não esteve a favor do Ibovespa nesta quinta-feira (26). As águas dos mercados globais até começaram o dia mais calmas, mas, ainda durante a manhã, a maré virou — e as bolsas americanas passaram a cair em bloco. Mas, desta vez, o índice brasileiro não se deixou levar pelo fluxo.

  • O Melhor Curso de Análise Gráfica está com INSCRIÇÕES ABERTAS. Vagas exclusivas e promocionais para leitores Seu Dinheiro, apenas por este link.

Contrariando o tom negativo visto lá fora, a bolsa local conseguiu se sustentar no campo positivo. Mas engana-se quem pensa que o Ibovespa ficou satisfeito em se segurar no lugar: o índice mostrou que está com o fôlego em dia, terminando o dia em alta de 0,80%, aos 105.319,40 pontos.

Essa é a primeira vez desde 11 de julho que o Ibovespa consegue fechar um pregão acima do nível dos 105 mil pontos — agora, o índice está a um triz do recorde histórico de encerramento, aos 105.817,03 pontos. Na semana, a bolsa brasileira acumula ganho de 0,48% e, no mês, de 4,14%.

O Ibovespa, assim, nadou contra a maré, já que, nos Estados Unidos, o Dow Jones (-0,30%), o S&P 500 (-0,24%) e o Nasdaq (-0,58%) terminaram o dia em queda — por lá, as instabilidades no cenário político americano e as incertezas no front da guerra comercial acabaram mexendo com o fluxo das águas.

Já o dólar à vista não conseguiu nadar no mesmo ritmo do mercado acionário: a moeda americana fechou em leve alta de 0,18%, a R$ 4,1623 — mais cedo, a divisa chegou a cair 0,78%, a R$ 4,1224. No exterior, a sessão foi marcada por um certo viés de estabilidade do dólar em relação aos ativos de países emergentes.

E o que explica essa diferença de desempenho entre o Ibovespa e os índices acionários de Nova York? A resposta está no noticiário local, recheado de elementos que trouxeram otimismo aos agentes financeiros domésticos — e que, assim, neutralizou a cautela vista lá fora.

Por aqui, destaque para o fechamento de um acordo entre o governo e o Congresso para priorizar diversas pautas econômicas defendidas pela administração Bolsonaro. Entre outros pontos, o acerto garante a realização do megaleilão do pré-sal em novembro, o que tende a reforçar as contas do Orçamento do país nesse ano.

"A notícia melhorou o humor dos mercados por sinalizar maior agilidade no lado econômico", diz um economista, ponderando que o leilão do pré-sal tende a atrair um volume considerável de recursos externos ao país — perspectiva que pode ajudar a conter a disparada do dólar.

Além disso, os agentes financeiros também repercutiram o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central (BC), divulgado nesta manhã. No documento, a autoridade monetária elevou a projeção de crescimento do PIB neste ano, de 0,8% para 0,9%, e mostrou uma perspectiva de inflação sob controle nos próximos anos.

Tais fatores elevaram a percepção de que a economia local começa a ganhar tração, ao mesmo tempo que reforçaram o cenário de mais cortes de juros por parte do BC — na semana passada, a instituição promoveu mais um ajuste negativo de 0,5 ponto na Selic, levando-a a um novo piso histórico de 5,5% ao ano.

Correnteza forte

Lá fora, contudo, os agentes financeiros optaram por adotar uma postura mais defensiva, reduzindo a exposição ao risco. As incertezas relacionadas à abertura de um pedido de impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a nebulosidade nas negociações comerciais entre Washington e Pequim, acabaram inspirando cautela às operações no exterior.

"No momento, eu não vejo nenhum grande risco de o Trump sofrer um impeachment, me parece ser mais uma estratégia do partido Democrata para fazer barulho contra a imagem dele", diz o economista, ressaltando que, independente das eventuais intenções, o noticiário acabou gerando ruído e trazendo precaução às negociações.

Quanto à guerra comercial, os mais recentes desdobramentos até trouxeram indicações positivas aos mercados, já que o governo chinês afirmou mais cedo que as empresas locais concordaram em comprar "grandes volumes" de soja e de carne de porco dos EUA.

No entanto, com a nova rodada formal de negociações entre os dois países marcada para o início de outubro, os agentes financeiros preferiram não se animar demais com o noticiário. Afinal, caso não seja atingido nenhum tipo de acordo nesse encontro, a perspectiva é de piora nas relações entre americanos e chineses.

Vale lembrar que o governo americano pretende elevar ainda mais as sobretaxas que incidem sobre as importações chinesas em 15 de outubro. Assim, por mais que o noticiário de hoje traga elementos que sinalizem um alívio, o cenário global continuou bastante tenso.

Nado livre nos juros

O tom mais comportado do dólar à vista, somado às indicações emitidas pelo BC no Relatório de Inflação, fizeram com que as curvas de juros terminassem o dia em ligeira, tanto na ponta curta quanto na longa.

Os DIs com vencimento em janeiro de 2021 recuaram de 5,00% para 4,98%, e os para janeiro de 2023 caíram de 6,12% para 6,09%. No vértice mais extenso, as curvas para janeiro de 2025 foram de 6,73% para 6,70%.

Pés de pato

O bom desempenho das ações da Petrobras e do setor bancário foi fundamental para dar impulso ao Ibovespa num dia de exterior negativo. Os papéis PN da estatal (PETR4) fecharam em alta de 1,32% e os ONs (PETR3) subiram 0,83%, reagindo ao noticiário referente ao leilão do pré-sal.

Entre os bancos, destaque para Itaú Unibanco PN (ITUB4), que avançou 2,88% e teve o melhor desempenho do índice. Ainda no setor, Bradesco PN (BBDC4) teve ganho de 1,44%, Banco do Brasil ON (BBAS3) terminou em alta de 0,37% e as units do Santander Brasil (SANB11) subiram 1,12%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEXTOU COM RUY

As grandes vencedoras na crise e o “vício” das perdedoras no lucro

O problema dessas empresas “reloginho” – com lucros estáveis e recorrentes – é que elas atraem acionistas que só conseguem pensar nos dividendos

Balanço da covid no país

Brasil supera Itália em número de mortes por coronavírus e chega a 33.884

O Brasil registrou 33.884 mortes provocadas pelo coronavírus até agora. Há 612.862 casos confirmados da doença em todo o país

coronavírus na energia

Copasa prorroga pagamento de contas devido à pandemia

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) informou que prorrogou os prazos das medidas de auxílio aos clientes, a fim de minimizar os impactos à população devido à pandemia do novo coronavírus

seu dinheiro na sua noite

Licença para gastar

Na crise financeira de 2008, as autoridades dos países desenvolvidos se encontraram diante de um dilema: era certo usar dinheiro público para salvar os bancos que estavam à beira da falência? Se por um lado eles foram os grandes culpados pelo próprio destino, por outro os efeitos colaterais de uma quebradeira no sistema financeiro afetariam […]

Recorde histórico

Em meio à pandemia, poupança tem captação líquida recorde de R$ 37,201 bilhões em maio

Este é o maior volume de depósitos líquidos em um único mês em toda a série histórica do BC, iniciada em janeiro de 1995

Bolsa imparável

Ibovespa sobe pelo quinto dia, desafiando até mesmo o tom mais cauteloso no exterior

O Ibovespa contrariou a tendência global e fechou em alta, aproximando-se do patamar dos 94 mil pontos. O tom mais cauteloso visto lá fora só foi sentido no mercado de câmbio, com o dólar à vista subindo e voltando a R$ 5,13

MP 936

Maia avalia que desoneração de folha evita mais desemprego na crise

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a prorrogação da desoneração da folha de pagamento até o fim de 2021, como proposto no texto da medida provisória 936 aprovada pela Câmara, vai evitar um impacto de R$ 10 bilhões nos custos de mão de obra de 17 setores

Efeito covid

Busca por passagem aérea no Brasil atinge mínima histórica no Google

Diante de pandemia que deixou aéreas sem operação e impôs isolamento, as buscas por passagem aérea no Brasil atingiram o menor nível histórico no Google

Marink Martins: In GOLD we trust

Marink Martins vai apresentar o que se passa na mente dos principais investidores internacionais, condensando a avaliação de quem já esteve a frente da tesouraria de grandes bancos nos EUA e no Brasil.     Sem opções rentáveis na renda fixa, todos querem alternativas seguras. Agora, Marink Martins compartilha exclusivamente com você qual poderá ser a […]

Bruno Bianco

Meta é incluir informais no mercado formal no pós-pandemia, diz secretário

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, afirmou que o governo federal estuda como incluir no mercado formal a população de trabalhadores informais que precisou recorrer ao governo federal para receber o auxílio emergencial de R$ 600

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements