Menu
2019-10-25T14:31:53-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

O que significa falar em abertura e fechamento da curva de juros? E como isso afeta os investimentos?

Entenda o significado desses termos muito usados no mercado financeiro e a influência desses fatos no seu bolso

25 de outubro de 2019
5:30 - atualizado às 14:31

Você talvez já tenha ouvido alguns economistas e especialistas em finanças falarem em abertura ou fechamento da curva de juros, e de como esses fatos afetam os investimentos. Mas, para quem não entende o significado desses termos, o assunto pode parecer um tanto quanto enigmático.

No vídeo a seguir, eu explico o que significa falar em abertura e fechamento da curva de juros e como esses fatos afetam os seus investimentos:

Leia a seguir a transcrição do texto do vídeo sobre abertura e fechamento da curva de juros

O assunto curva de juros não é dos mais simples, mas entender algumas linhas gerais já ajuda muito o investidor.

Basicamente, a curva de juros de um título de renda fixa é o gráfico que podemos traçar a partir das taxas de juros pagas por esse título em diferentes vencimentos. Ou ainda, dos retornos exigidos pelos credores para emprestar os seus recursos a um determinado tomador por diferentes prazos.

As taxas de juros, por sua vez, são influenciadas por uma série de fatores, como risco do tomador de recursos, o prazo do papel, a política monetária do país onde o título foi emitido e a expectativa do mercado para os juros básicos.

Então é de se esperar que a curva de juros para um determinado título seja crescente, ou seja, que os juros cresçam conforme o prazo aumenta. Afinal, quanto maior o prazo, maior a incerteza e, consequentemente, maior a remuneração que o credor vai exigir.

Quando a gente fala genericamente de curva de juros, geralmente a gente está se referindo aos títulos públicos federais de um determinado país. Como são os ativos menos arriscados daquela economia, esses títulos são considerados “livres de risco”.

De maneira mais genérica ainda, falar em curva de juros pode significar que estamos simplesmente falando dos juros básicos da economia - como é o caso da taxa DI, aqui no Brasil.

E o que é importante para a gente aqui?

Bom, como eu falei antes, um dos fatores que influenciam as curvas de juros é justamente a expectativa do mercado para o andamento da política monetária do país.

Então as curvas de juros, sobretudo as dos títulos públicos e da taxa DI, podem ser entendidas como a consolidação da média das projeções do mercado para as taxas de juros dentro dos próximos anos. Ou ainda, da trajetória esperada para as taxas de juros.

E o que significa essa história de abertura e fechamento da curva?

Você já deve ter percebido que as curvas de juros têm uma inclinação, dada pela diferença entre os juros de determinados prazos. Quando a expectativa passa a ser de alta de juros, essa inclinação aumenta, e se fala em abertura da curva; quando essa expectativa passa a ser de queda, a inclinação diminui, e a gente fala em fechamento da curva.

  • Quer um ebook exclusivo sobre a crise de 1929? Clique aqui e reserve o seu agora.

Como isso afeta os investimentos

O efeito mais evidente se dá nas aplicações de renda fixa. Uma abertura da curva de juros, pra usar o termo técnico, tende a aumentar a remuneração dos investimentos atrelados à Selic e ao CDI, além de elevar as taxas dos títulos prefixados e atrelados à inflação. Ao mesmo tempo, os preços desses títulos caem, desvalorizando o investimento de quem comprou esses papéis a taxas prefixadas mais baixas.

Já o fechamento da curva de juros tem efeito oposto: tende a deixar os investimentos pós-fixados menos interessantes, reduzir as taxas dos títulos prefixados e atrelados à inflação e valorizar esses títulos, beneficiando quem os tiver comprado a taxas mais altas.

A abertura e o fechamento da curva de juros também têm efeito sobre os ativos de risco, ligados à economia real, como é o caso das ações e dos imóveis.

Juros futuros mais altos representam um custo de oportunidade maior, crédito mais caro e renda fixa mais interessante, tirando a atratividade dos ativos de risco. Juros futuros mais baixos, por outro lado, invertem essa relação, aumentando a atratividade da bolsa e do mercado imobiliário.

Gostou do vídeo? Então não se esquece de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e sugestões para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

crise do setor aéreo

CVC aumenta estimativa com erro contábil e projeta perdas de R$ 660 milhões com pandemia

Operadora de viagens havia adiado a divulgação dos resultados ainda do quarto trimestre de 2019; ainda sem balanço, empresa revelou os primeiros impactos da crise do coronavírus

esquenta dos mercados

Após ganhos recentes, incertezas com covid-19 e economia voltam a pesar nos mercados

Com avanço do coronavírus nos EUA e dados mais fracos na Europa, expectativa por recuperação em V dá lugar à cautela

crise no setor

Azul inicia demissões e sindicato afirma que já são mais de mil em todo o País

Empresa informa estar buscando soluções para enfrentar a crise decorrente da pandemia da covid-19

disputa em meio à crise

Acordo com Gol acirra disputa entre sócios da Smiles

Segundo sócios do Carpena Advogados, as operações de compra antecipada de passagens “não estão sendo realizadas pelo interesse da companhia, mas da sua controladora”

caçador de assimetrias

Admirável semestre novo: riscos e oportunidades para a segunda metade do ano

Devemos parar, respirar fundo e observar o panorama de risco, antes de refletir sobre uma suposta alocação ideal. Sobre os risco, eu poderia enumerá-los; veja neste texto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements