Menu
2019-10-11T11:55:41+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como as emoções interferem nas suas decisões financeiras – e o que fazer para controlá-las

Saiba o que a ciência já descobriu sobre a influência do nosso lado mais irracional nos processos de tomada de decisões financeiras e o que fazer para driblá-la

11 de outubro de 2019
12:00 - atualizado às 11:55

Para ser um investidor de sucesso, sem dúvida você precisa de informação de qualidade e conhecimentos básicos sobre economia e finanças - além de algum dinheiro para começar, é claro. Mas ter um bom equilíbrio emocional e saber usar as nossas armadilhas mentais a nosso favor podem ajudar e muito na hora de tomar boas decisões financeiras. No vídeo a seguir eu falo sobre o que a ciência já descobriu sobre a influência das nossas emoções nos processos de tomada de decisão:

Leia a transcrição do texto sobre como as emoções afetam as suas decisões financeiras

A ciência econômica e a psicologia já descobriram que as nossas emoções e comportamentos intuitivos afetam até mesmo as tomadas de decisão que deveriam ser mais ponderadas, como aquelas relacionadas às finanças e aos investimentos. O problema é que, muitas vezes, o nosso lado mais irracional nos leva a tomar decisões equivocadas, embora elas pareçam adequadas à primeira vista. Saber lidar com as suas emoções e sentimentos pode ajudar você a investir melhor. Emoções e investimentos: e eu com isso?

O nosso pensamento intuitivo e de curto prazo sempre teve uma função muito importante para a nossa sobrevivência como espécie. Ele nos ajuda a reagir com rapidez a situações de perigo e leva a gente a se preocupar mais com as nossas necessidades imediatas do que com o futuro distante.

O problema é que a intuição muitas vezes erra, e a procrastinação nos leva a situações difíceis quando o futuro finalmente chega. A gente pode acabar fazendo compras por impulso, investindo sem fazer a devida análise ou deixando de poupar para a aposentadoria. Além disso, a gente tem uma tendência a adiar decisões financeiras importantes, como começar a poupar, quitar dívidas ou rebalancear a nossa carteira de investimentos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Um dos movimentos intuitivos mais comuns dos investidores no mercado é o chamado “movimento de manada”, que nada mais é do que fazer o que todo mundo está fazendo e seguir a tendência do mercado. Se o mercado está subindo, o cara que está seguindo a manada compra; se está caindo, ele vende.

Existe o raciocínio de que, se está todo mundo fazendo alguma coisa, ela deve fazer sentido; ou então o medo de ficar de fora de uma grande oportunidade. O problema de seguir a manada é que muitas vezes ela se comporta de forma irracional e exagerada, o que pode levar o investidor a sempre comprar na alta e vender na baixa.

Outra característica da mente humana é a aversão a perdas. A ciência já descobriu que nós somos mais avessos a perder do que a correr riscos. Isso significa que a gente está mais disposto a correr risco para não perder o que já tem do que para ganhar mais.

No mercado financeiro, essa tendência pode nos levar a nos agarrar demais a investimentos ruins e perdedores, na esperança de que, um dia, eles vão se recuperar, mesmo que os fundamentos não apontem para isso. Nossa hesitação para realizar prejuízos e seguir em frente é muito grande.

Por fim, a gente sofre também de um grande mal chamado excesso de confiança. A gente se acha mais capaz de cuidar do nosso dinheiro do que qualquer outra pessoa. Só que ninguém sabe tudo, e deixar de reconhecer o que a gente não sabe pode nos levar a tomar riscos excessivos e fazer muita besteira.

Mas o fato de que a nossa mente nos prega peças não significa que a gente esteja condenado a investir mal para o resto da vida. Existe uma série de truques que podem nos ajudar a driblar os nossos impulsos e vieses.

Por exemplo, manter sempre uma reserva de emergência em investimentos seguros, e só destinar a investimentos de risco recursos dos quais a gente possa prescindir; dividir a poupança em objetivos de curto, médio e longo prazo; manter uma carteira diversificada, com todas as classes de ativos, independentemente do momento econômico; automatizar os nossos investimentos e a nossa rotina financeira ao máximo, para tirar a emoção e a procrastinação da jogada; e tirar tempo pra pensar e pesquisar antes de tomar qualquer decisão de compra ou investimento.

Outra dica que ajuda a neutralizar as emoções é rebalancear a carteira a cada três ou seis meses mantendo sempre as mesmas proporções em cada classe de ativos. Dessa forma, você se certifica de sempre realizar lucros nas aplicações que subiram mais e comprar na baixa os investimentos que se desvalorizaram.

E se você sente que não tem tempo ou segurança suficientes para tomar as próprias decisões de investimento, não deixe de recorrer a especialistas. Uma boa pedida pode ser investir por meio de fundos, que têm gestão profissional.

Gostou do vídeo? Então não se esquece de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e sugestões para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

A Bula do Mercado

Mercado divide atenção entre indicadores e política

Agenda do dia traz dados de atividade nos EUA e na China, enquanto racha no PSL ganha novos contornos

Análise

O que o ‘Lula Livre’ tem a ver com o seu bolso?

Supremo Tribunal Federal (STF) volta a julgar prisão em segunda instância e desdobramentos têm chances de chegar aos mercados, mesmo que indiretamente

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements