Menu
2019-07-22T18:47:35+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Hakuna Matata

Os críticos não gostaram muito do novo Rei Leão. Mas, para os mercados, a Disney segue com cinco estrelas

Com O Rei Leão, a Disney emplacou um sexto sucesso de bilheteria somente em 2019, apesar das críticas mornas ao novo filme. E o mercado mostra-se cada vez mais confiante em relação à empresa

22 de julho de 2019
16:42 - atualizado às 18:47
Cena de O Rei Leão (2019)
Cena de O Rei Leão (2019) - Imagem: Divulgação/Disney

Os acionistas da Disney começaram a segunda-feira (22) cantarolando uma antiga canção:

Os seus problemas você deve esquecer!

Isso é viver, é aprender!

Hakuna Matata!

Afinal, a nova versão de O Rei Leão chegou a quase todos os cinemas do mundo neste fim de semana. E, apesar da recepção morna dos críticos, o filme foi um sucesso de bilheteria, arrecadando mais de US$ 500 milhões em termos globais — desse montante, US$ 185 milhões foram obtidos somente nos Estados Unidos e no Canadá.

Mas as boas notícias para a casa do Mickey não terminam por aí. Também neste fim de semana, Vingadores: Ultimato — outro arrasa-quarteirão lançado pela Disney  em 2019 — chegou à liderança do ranking dos filmes com a maior bilheteria global na história, ultrapassando Avatar, de 2009.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Após 13 semanas em exibição, a conclusão da saga da Marvel já arrecadou quase US$ 2,8 bilhões no mundo todo, sendo mais de US$ 850 milhões apenas nos cinemas americanos e canadenses. E, como resultado de mais uma semana de dominação das bilheterias, as ações da companhia fecharam em alta nesta segunda.

Ao fim do dia, os papéis da Disney (DIS) subiram 0,71% em Nova York, cotados a US$ 140,84 — não muito distantes da máxima histórica, a US$ 145,13. Com o desempenho do momento, os papéis já acumulam ganhos de cerca de 29% em 2019.

Ações da Disney em 2019
Ações da Disney em 2019 - Imagem: Seu Dinheiro

Tudo que o sol toca é o nosso reino

O ano tem sido especialmente marcante para a divisão de cinema da Disney e suas subsidiárias — um grupo que inclui Marvel, Pixar, LucasFilm e 21st Century Fox, apenas para citar algumas. Duvida? Basta ver o ranking das maiores bilheterias no ano.

Segundo o site Box Office Mojo, os seis filmes de maior arrecadação nos cinemas dos Estados Unidos e do Canadá em 2019 pertencem à Disney. A lista, encabeçada por Vingadores: Ultimato, ainda inclui Capitã Marvel, Toy Story 4, Aladdin, Homem-Aranha: Longe de Casa e O Rei Leão, nesta ordem.

Somadas, as bilheterias desses seis longas-metragem nesse mercado já soma US$ 2,5 bilhões — ou 38% da arrecadação de todos os filmes que estiveram em cartaz neste ano.

Top 10 de bilheteria nos EUA e Canadá
Top 10 de bilheteria nos EUA e Canadá - Imagem: Seu Dinheiro / Box Office Mojo

Os principais longas-metragem da Disney parecem não ser impactados pela crítica especializada. O site Rotten Tomatoes, um compilador de avaliações, atribui nota 53% à nova versão de O Rei Leão — ou seja: dos mais de 300 textos analisando a película, quase a metade não gostou do resultado.

Outro sucesso de bilheteria da companhia, a refilmagem de Aladdin, também está longe de ser unanimidade — das 340 críticas cadastradas no Rotten Tomatoes, apenas 56% avaliaram positivamente o remake da história. No entanto, nem todos os sucessos da Disney são fracassos de crítica. Vingadores: Ultimato possui 94% de aprovação, enquanto Toy Story 4 tem 98% de avaliações positivas.

E quem pensa que a Disney já gastou todos os seus cartuchos em 2019 está enganado: ainda em 2019, a empresa pretende lançar ao menos mais dois arrasa-quarteirões: a sequência de Frozen e Star Wars: A Ascensão Skywalker, nono episódio da franquia Guerra nas Estrelas.

Para quem é fã dos filmes de super-herói, a Marvel já possui um cronograma de lançamentos até 2021. Nos próximos anos, chegarão às telas os longas-metragem próprios da Viúva Negra e do Gavião Arqueiro, além de novas entradas nas séries Thor, Capitão América e Doutor Estranho.

O que eu quero mais é ser rei

O novo sucesso obtido com O Rei Leão, somado aos planos ambiciosos da empresa para os próximos anos, cria ainda mais expectativa em relação à Disney+, projeto on-demand que será lançado ainda em 2019 pela companhia. O objetivo da casa do Mickey é simples: destronar a Netflix na arena dos serviços de streaming digital.

Ao longo da última década, a Disney criou um impressionante conglomerado de entretenimento. Incluindo seus próprios conteúdos e os produzidos por suas subsidiárias, o serviço de streaming contará com um leque de opções que vai de Star Wars ao Pato Donald; do Homem de Ferro a Pequena Sereia; de Monstros S.A. ao Planeta dos Macacos.

A percepção de que a Disney vem com tudo para estender seu domínio das telas de cinema aos serviços de streaming tem sido um importante fator de valorização para as suas ações. Afinal, a empresa mostra-se focada em cumprir seu plano — e tem dado passos para garantir a sustentabilidade de seu modelo no longo prazo.

E a sombra gerada pela Disney já começa a ser sentida pela Netflix: a empresa reportou na semana passada seus resultados trimestrais — e viu sua base de assinantes crescer bem menos que o projetado no período. Com isso, as ações da Netflix (NFLX) acumulam três sessões em queda e já aparecem abaixo perto do nível de US$ 310 — patamar que não era visto desde janeiro.

Para os concorrentes da Disney, tempos difíceis parecem estar por vir. Mas, para os acionistas da casa do Mickey, há apenas duas palavras: Hakuna Matata.

Ações da Netflix em 2019
Ações da Netflix em 2019 - Imagem: Seu Dinheiro
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fila andou

Sem Bolsonaro, Alcolumbre e Maia assinam promulgação da reforma da Previdência

Na mesa da sessão, estavam apenas parlamentares, entre eles integrantes dos comandos da Câmara e do Senado e líderes do governo. Novas alíquota entram em vigor em março de 2020

Turbulência

A Embraer deu prejuízo e cortou a projeção de dividendo. O mercado não gostou do que viu

O balanço da Embraer no terceiro trimestre ficou abaixo das expectativas do mercado, pressionado pelos custos ligados à transação com a Boeing. Como resultado, as ações caem forte

Balanços

Caixa tem no 3º tri lucro líquido contábil de R$ 8 bi, alta de 66,7% em um ano

Nos nove primeiros meses do ano, o lucro da Caixa foi de R$ 16,2 bilhões, aumento de 40,9% comparado o mesmo intervalo do ano passado

Câmbio

Quer entender a alta do dólar por aqui? Dê uma olhada no Chile

Dólar opera em alta, na linha de R$ 4,18, refletindo movimento de aversão ao risco regional puxada pelo Chile, onde o peso cai mais de 4%

Digerindo a sopa de números

Yduqs cai forte na bolsa após balanço do 3º trimestre, mas não deveria ser tudo isso

Os resultados da empresa de educação pegaram mal entre os investidores, mas analistas apontam um trimestre de neutro a positivo

Voltando ao positivo

Volume de serviços sobe 1,2% em setembro, a maior alta mensal em mais de um ano

Resultado ficou acima do teto das estimativas dos analistas, que previam desde uma queda de 0,30% a um avanço de 1,10%

no ritmo do balanço

Eletrobras reverte prejuízo e tem lucro de R$ 716 milhões no trimestre

Divulgação dos números é feita num momento em que as ações da Eletrobras ostentam uma alta da ordem 60% no ano

Tensão na América Latina

Ibovespa cai mais de 1%, pressionado pela cautela local; dólar sobe a R$ 4,17

Após uma sessão mais tranquila na segunda-feira, o Ibovespa opera em baixa, mostrando uma postura mais cautelosa em relação ao cenário global

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Lula solto — e agora? (Ou, por uma dose de nacionalismo)

Talvez estejamos diante de um caso de antifragilidade clássico. Há uma possibilidade de sairmos não somente iguais depois desse choque aparentemente negativo, mas também de sairmos melhores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements