Menu
2019-08-08T12:50:41+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Recuperação em bloco

Com a demanda aquecida, os balanços das construtoras têm tudo para ser fortes neste trimestre

As expectativas dos analistas em relação ao balanço das construtoras são bastante positivas, em especial para a Cyrela e a EZTec. Com as vendas mais fortes de unidades recém-lançadas, as empresas do setor de média e alta renda tendem a ir particularmente bem; já as companhias do segmento de baixa renda têm potencial para continuar saudáveis, mas mostrando uma evolução menos intensa

8 de agosto de 2019
5:30 - atualizado às 12:50
Prédios em construção
Prédios em construção - Imagem: Shutterstock

Ao falar sobre as construtoras e incorporadoras, sempre é conveniente separá-las em dois grupos: o das voltadas ao segmento de baixa renda e o das dedicadas às faixas de média/alta renda. Afinal, no passado recente, essas categorias tiveram desempenhos bastante distintos.

Enquanto as companhias do primeiro time conseguiram atravessar os últimos anos sem maiores turbulências, sustentadas pelos incentivos governamentais do programa 'Minha Casa, Minha Vida' (MCMV), as da segunda equipe sofreram com as condições mais restritas de crédito e, consequentemente, com a demanda em queda.

Só que, em meio à retomada gradual da confiança dos consumidores e empresários, à perspectiva de reaquecimento da economia e aos juros potencialmente mais baixos no futuro, as construtoras de média e alta renda estão conseguindo reagir. E os balanços do segundo trimestre deste ano tendem a mostrar uma recuperação mais forte dessas empresas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Dando nome aos bois: Cyrela e EZTec aparecem como as melhores posicionadas nesse grupo, enquanto a Even fica um pouco para trás nas preferências. A Cyrela e a Even têm tudo para reverter o prejuízo visto no segundo trimestre de 2018 e reportar lucro entre abril e junho deste ano; a EZTec tende a multiplicar seus ganhos.

E as construtoras e incorporadoras da baixa renda? Bom, para elas, o jogo segue igual: a demanda nesses segmentos continua forte, dando sustentação às operações dessas companhias — e mantendo seus balanços saudáveis, embora sem o potencial de evolução a ser mostrado pelas companhias citadas acima.

Neste grupo, destaque para Direcional e Tenda — a MRV, contudo, também deve apresentar resultados interessantes neste trimestre.

Eu compilei as projeções e opiniões de cinco grandes instituições financeiras a respeito dos resultados dessas seis empresas — a saber: Bradesco BBI, BTG Pactual, Itaú BBA, Credit Suisse e uma quinta casa que pediu para não ser identificada nesta matéria. E, fazendo uma média das estimativas, dá para ver que o tom é de otimismo em relação às construtoras e incorporadoras.

Três dessas companhias reportam seus números já nesta quinta-feira (8): MRV, Cyrela e Tenda. A Direcional publica seus resultados na próxima segunda-feira (12), enquanto Even e EZTec soltam os balanços na quarta (14).

As médias das estimativas das instituições — e as comparações com os dados do segundo trimestre de 2018 — estão mais para baixo. No entanto, antes de pular diretamente aos números, é importante que você entenda um pouco sobre o atual momento das construtoras e incorporadoras que atuam nesses dois segmentos.

Média e alta renda aquecendo

Em relatório, as instituições identificam uma situação recorrente nas empresas do setor de média e alta renda: apesar de as vendas de imóveis prontos que estão no estoque permanecerem lentas, o comércio de unidades recém-lançadas está bastante aquecido.

"Claramente, os laçamentos estão dando suporte à evolução nas métricas operacionais do setor de média renda", escreve o analista Victor Tapia, do Bradesco BBI, em relatório. "Esperamos que essa dinâmica continue assim por um tempo, com os estoques finalizados mantendo um ritmo mais lento, a não ser que a recuperação macroeconômica seja bem mais rápida que o esperado".

O BTG Pactual destaca que o ritmo mais elevado de vendas de lançamentos é benéfico para as construtoras e incorporadoras desse segmento porque tais imóveis possuem margens superiores as das unidades em estoque.

"O setor de média e alta renda deve ser a estrela dessa temporada", escrevem Gustavo Cambauva e Elvis Credendio, analistas do BTG, apontando a Cyrela e a EZTec como as empresas com maior potencial para apresentarem bons resultados nesse trimestre.

O Itaú BBA também coloca Cyrela e EZTec em destaque: para a equipe liderada pelo analista Enrico Trotta, a primeira deve ser beneficiada pela combinação de crescimento da receita e geração sólida de caixa, enquanto a segunda aparece bem posicionada para apresentar uma sólida expansão na rentabilidade.

Baixa renda ainda forte

Quanto ao segmento de baixa renda, os analistas não esperam grandes surpresas: em linhas gerais, as expectativas para o trimestre são positivas — no entanto, o desempenho de empresas como MRV, Direcional e Tenda pode ser ofuscado pelo potencial recuperação das empresas de média e alta renda.

Para o BTG Pactual, as construtoras e incorporadoras desse segmento são menos voláteis e, assim, não há expectativa quanto a uma evolução expressiva nos resultados. "Mas essas empresas permanecerão muito rentáveis", destacam Cambauva e Credendio.

O Itaú BBA pondera que as companhias de baixa renda tendem a se beneficiar da base de comparação mais fraca do segundo trimestre do ano passado. "Mas o crescimento da receita dessas companhias deve ser parcialmente ofuscado por alguma compressão na margem bruta, refletindo o arcabouço menos favorável aos subsídios no MCMV".

Por fim, o Bradesco BBI destaca os players desse setor entregaram um desempenho operacional bastante forte no trimestre, impulsionados pelo foco de tais companhias na construção de unidades com preços mais acessíveis — o banco elege Tenda e Direcional como suas favoritas nesse segmento.

Aos números

Comecemos as projeções pelo setor de média e alta renda, já que, nas palavras do BTG, tais empresas tendem a ser as estrelas da temporada de balanço. Os dados de receita, Ebitda e lucro estão sempre denominados em milhões de reais:

Cyrela

Segundo a média das estimativas das cinco casas consultadas pelo Seu Dinheiro, a receita líquida da Cyrela tende a aumentar 56,4% em relação ao segundo trimestre de 2018, chegando a R$ 1,001 bilhão. A média das projeções ainda aponta para um lucro líquido de R$ 93,8 milhões, revertendo a perda de R$ 28 milhões vista há um ano.

Pontos para ficar atento: a geração de caixa no trimestre, que deve prosseguir sólida, conforme visto no primeiro trimestre deste ano

EZTec

Os analistas também projetam uma forte evolução nos resultados da EZTec: a receita irá mais que dobrar e o lucro líquido, mais que quadruplicar em relação ao segundo trimestre do ano passado, de acordo com a média das estimativas.

Pontos para ficar atento: a potencial expansão da margem bruta; no entanto, a empresa tende a registrar uma queima de caixa no trimestre

Even

A receita líquida da Even irá crescer num ritmo menor que a da EZTec e da Cyrela, de acordo com os analistas. A empresa, contudo, conseguirá reverter o prejuízo líquido do segundo trimestre de 2018.

Pontos para ficar atento: margens brutas e retorno sobre o patrimônio (ROE)

Direcional

A Direcional é outra empresa que tem potencial para reverter o prejuízo líquido do segundo trimestre do ano passado, de acordo com os analistas. A receita líquida e o Ebitda tendem a crescer num ritmo forte.

Pontos para ficar atento: margem Ebitda ajustada — BTG e Bradesco BBI projetam 16% e 15,2%, respectivamente.

Tenda

Os analistas projetam que a Tenda irá reportar crescimentos relativamente constantes na receita, no Ebitda e no lucro líquido — este último chegará a R$ 57,8 milhões no trimestre.

Pontos para ficar atento: a relação entre geração de caixa e despesas

MRV

O lucro líquido da MRV deve aumentar 18% na base anual, chegando a R$ 195,8 milhões no segundo trimestre deste ano, de acordo com as projeções dos analistas. Mas o Ebitda — isto é, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — deve subir apenas 4,1%, para R$ 258,2 milhões.

Pontos para ficar atento: a possível queda na margem bruta em função do mix menos favorável, com mais projetos no 'MCMV 1,5'.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Posição gerou polêmica

Presidente da CCJ da Câmara diz que vai pautar PEC da regra de ouro na quarta-feira

Decisão atropela um entendimento feito entre Maia e a equipe econômica de esperar a proposta do governo para avançar na discussão no Parlamento

Seu Dinheiro na sua noite

A pergunta que não quer calar

Como jornalista, estou acostumado a fazer perguntas, mas de vez em quando me vejo em uma situação em que sou obrigado a respondê-las. Na sexta-feira à noite fui a Santos fazer uma palestra na faculdade onde estudei sobre a profissão e os livros que escrevi, inclusive o primeiro deles – que surgiu do meu trabalho […]

Paralelo à reforma principal

Presidente da comissão especial na Câmara quer votar reforma da Previdência dos militares nesta semana

Na reunião de terça-feira, marcada para as 14h, deve ser iniciada a discussão que antecede a votação

Amigos, amigos...

OCDE diz que Brasil já é um parceiro-chave da OCDE, que já está perto da organização

Diretor para a América Latina na Organização diz que o Brasil se destaca em pesquisas no sentido de competitividade global

vestuário na bolsa

IPO da C&A: começa hoje a reserva de ações da varejista

Faixa de preço dos papéis — que serão negociados sob o código CEAB3 — ficará entre R$ 16,50 e R$ 20,00; montante mínimo a ser solicitado é de R$ 3 mil

Saiu perdendo

Firjan diz que mudança nos royalties pode trazer perda de R$ 30 bilhões em 4 anos ao Rio de Janeiro

O Estado, maior produtor brasileiro de petróleo e gás natural do Brasil (60% do total), perderia R$ 6,4 bilhões por ano

Me segue!

Ex-ministro da Fazenda, Meirelles diz que grande mérito do atual governo é manter diretrizes econômicas de Temer, mas aponta erros

Secretário da Fazenda paulista afirmou que muitos dos pontos da MP da Liberdade Econômica foram traçados durante sua gestão no Ministério da Fazenda

admirável mundo novo

Economia digital vira gargalo para tributação

Na era dos aplicativos de serviços, impressoras 3D, robôs, moedas virtuais e marketplaces, o sistema tributário ficou obsoleto e tem tirado o sono do Fisco

mudança de cenário

Com queda nos juros, busca por crédito tem o maior crescimento em 9 anos

Desde janeiro, o aumento do número de pessoas que buscaram crédito foi de 10,3%, em relação a igual período do ano passado, segundo a Serasa Experian

dia de otimismo

Ações do Banco Inter sobem forte após possível parceria com Uber

No mês, as units ainda acumulam queda de 7%; segundo a Coluna Broadcast, conversas envolveriam a entrega pela empresa brasileira de estrutura para que a Uber possa oferecer serviços bancários

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements