Menu
2019-10-14T14:29:37+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Um ativo que vale por uma carteira

Investir num ETF é mais fácil e prático do que você imagina

Um ETF nada mais é que um ativo negociado em bolsa que replica o desempenho de um índice. Se você está começando agora a investir, esse produto pode ser uma boa alternativa para a carteira

8 de outubro de 2019
5:19 - atualizado às 14:29
ETF
ETFs, ou fundos de índice, são alternativas interessantes para quem está começando a investir na bolsaImagem: Shutterstock

No abecedário dos mercados, temos A de ação, B de bolsa, C de corretora, D de dividendo e E de... bom, E só pode ser de Exchange Traded Fund — ou fundo de índice, em bom português. Talvez você não reconheça pelo nome de batismo, mas certamente já ouviu seu apelido por aí: trata-se do famoso ETF.

Sim, eu sei, a alcunha é intimidadora e a sigla é zero intuitiva. Mas não é preciso ter medo: no meio dessa sopa de letrinhas, há um ativo bastante interessante para você, investidor pessoa física que está começando a dar os primeiros passos na bolsa de valores.

ETFs não são mecanismos obscuros de investimento, restritos apenas aos grandes gestores ou pessoas com profundo conhecimento do mercado acionário. O nome pode ser pomposo, mas, na prática, os fundos de índice foram criados para simplificar uma operação complexa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Peguemos, por exemplo, o Ibovespa. Você certamente deve saber que o principal índice da bolsa brasileira apresenta um desempenho bastante positivo em 2019 — para ser preciso, um ganho de mais de 14% até o dia 7 de outubro. Um retorno atraente, não é mesmo?

Pois bem: se você quiser replicar o Ibovespa, terá que administrar uma carteira com 68 ações de 66 empresas diferentes — um portfólio que conta com papéis de companhias e setores bastante variados, como Itaú Unibanco, Petrobras, MRV, Taesa, Kroton, JBS e Weg, apenas para citar algumas.

É claro que tomar conta de tantos ativos — e de perfis tão variados — exige uma boa dose de dedicação e um montante razoável a ser investido. E olha que nem entramos na questão das ordens de compra, taxas de corretagem, declaração de Imposto de Renda...

Se você ficou com preguiça só de pensar nisso tudo, os ETFs foram feitos sob medida para te atender. Eles são ativos que replicam o desempenho de um determinado índice, poupando todo esse trabalho de administrar uma carteira ampla de ações.

O ABC do ETF

Usando o mesmo exemplo: se você quiser um investimento com o exato mesmo rendimento do Ibovespa, pode comprar toda a cesta de ações de uma vez só ou, simplesmente, adquirir um ETF que reproduza o desempenho do índice.

"Basicamente, ETF é um fundo negociado em bolsa", diz Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de renda variável do BTG Pactual Digital. "Tem um gestor, uma pessoa capacitada que cuida da administração para que, do outro lado, o investidor possa comprar um índice inteiro num único ativo".

Há vários fundos de índice diferentes que replicam o Ibovespa. O BOVA11, da BlackRock, é o mais famoso deles, mas também há o BOVV11, do Itaú, o BOVB11, do Bradesco, e outros — a diferença entre eles está na taxa de administração, no preço do ativo em si e na estratégia de administração no longo prazo.

Mas, independente de qual ETF você escolher, todos têm um ponto em comum: um investimento inicial mais baixo que o necessário para comprar toda uma cesta de ações. No momento, cada um desses três fundos de índice que replicam o Ibovespa são negociados pouco acima da linha dos R$ 100 na B3.

"ETFs são uma porta de entrada interessante para o pequeno investidor", diz Bruno Madruga, sócio da Monte Bravo Investimentos, destacando a praticidade do ativo. "Não necessariamente são as opções com a maior rentabilidade, mas são um bom pontapé inicial para quem está começando".

Voltando às comparações com o Ibovespa: enquanto o índice como um todo tem ganhos de cerca de 14% no ano, há muitas ações que compõem o índice que apresentam desempenhos bem superiores — os papéis ON da JBS (JBBS3), por exemplo, dispararam mais de 160% desde o início de 2019.

Assim, ao comprar um ETF que replica o Ibovespa, você estará adquirindo um ativo que te dá exposição à carteira de ações do índice, mas que também possui potencial de valorização limitado. Cabe a você, então, decidir qual opção é mais adequada para o seu perfil de investidor.

Caso você não não queria estar sujeito a imprevistos relacionados a uma empresa ou setor específico ou ainda não tenha confiança para mexer diretamente no portfólio, os ETFs são boas opções; caso tolere melhor os riscos associados ao investimento em renda variável e queira fazer apostas específicas em algumas empresas que te parecem ter mais potencial, talvez a compra direta de ações podem ser mais adequadas para você.

Mas mesmo quem tem um perfil mais arrojado deve olhar com carinho para os ETFs. Afinal, uma carteira de ações tende a apresentar uma volatilidade menor que um papel isolado — assim, um ETF pode ser um investimento de caráter mais defensivo dentro do seu portfólio.

'As easy as 1-2-3'

Gif de Michael Jackson em apresentação do The Jackson 5

Não há apenas ETFs que replicam a carteira do Ibovespa. Outra opção popular é o SMAL11, que reproduz o portfólio do índice de small caps (SMLL) da B3 — uma carteira que, atualmente, conta com 74 ações de empresas de baixa capitalização na bolsa.

Tais companhias, em geral, têm um potencial de crescimento mais rápido e, com isso, suas ações podem registrar valorizações expressivas ao longo do tempo. Por outro lado, essas empresas também são mais vulneráveis às oscilações econômicas — assim, seus papéis também podem passar por ondas intensas de queda. Para saber mais sobre as small caps, é só acessar esta matéria especial.

Desta maneira, caso você não queira ter que lidar com as preocupações relacionadas aos investimentos nas ações desse tipo de companhia, basta comprar o SMAL11 — em 2019, por exemplo, o índice de small caps acumula ganhos de cerca de 27%.

A lista de ETFs negociados na bolsa brasileira inclui muitas outras opções, que buscam atender aos mais diversos perfis de investidores. Se o seu negócio for replicar a carteira de ações do índice dividendos da B3 (IDIV), há o DIVO11; se você quiser reproduzir a rentabilidade do S&P 500, a pedida é o IVVB11.

Por fim, caso a sua praia seja o investimento em um segmento específico, também é possível recorrer aos ETFs setoriais: o FIND11, por exemplo, replica uma carteira com ações do setor financeiro; o GOVE11 tem como base um portfólio que leva em conta critérios de governança corporativa; o MATB11, por sua vez, é focado nos papéis de empresas que atuam na área de materiais básicos, e assim por diante.

"Comprar toda uma carteira de ações, ativo por ativo, envolveria várias ordens de compra — um processo muito complexo, quase impossível para o investidor comum", diz Zanlorenzi, do BTG digital. "O ETF nasceu para simplificar".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Sopa de letrinhas

Entenda como funciona o rating, a nota de crédito dos países e das empresas

A avaliação sobre a capacidade financeira de países e empresas de uma maneira padronizada serve para que os investidores conheçam o nível de risco a que estão se expondo na hora de comprar títulos de dívida. Eu conto para você o conceito que está por trás dessas notas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements