Menu
2018-11-30T10:08:00+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Restaurantes

Dona do Viena e Frango Assado propõe “pílula de veneno” para barrar oferta hostil da Sapore

A pedido de minoritários, IMC vai propor a inclusão de uma cláusula no estatuto para obrigar qualquer investidor que atingir uma participação de pelo menos 30% na empresa a fazer uma oferta a todos os acionistas.

29 de novembro de 2018
14:49 - atualizado às 10:08
frango-assado IMC
Frango Assado - Imagem: Facebook/Divulgação

A oferta feita pelo dono da empresa de refeições coletivas Sapore por parte das ações da IMC, dona das redes de restaurantes Frango Assado e Viena, poderá (com o perdão do trocadilho) ir para o vinagre.

A IMC convocou uma assembleia de acionistas para votar uma mudança no estatuto que, se aprovada, vai inviabilizar os planos do empresário Daniel Mendez, dono da Sapore.

A pedido de cinco gestoras de fundos, a empresa vai propor a inclusão de uma cláusula para obrigar qualquer investidor que atingir uma participação de pelo menos 30% na empresa a fazer uma oferta a todos os acionistas, pelo mesmo preço por ação.

A proposta da assembleia foi feita pelas gestoras Neo, Equitas, XP Gestão, Miles Capital e Brasil Capital. Elas detêm em conjunto 18,3% do capital da empresa.

Esse tipo de condição estabelecida em estatuto é chamada no mercado de "poison pill" (pílula de veneno). O objetivo é justamente dificultar a tomada do controle em companhias com o capital pulverizado na bolsa, como é o caso da IMC.

O que está em jogo

Conforme você leu primeiro aqui no Seu Dinheiro, o dono da Sapore lançou neste mês uma oferta pública de aquisição (OPA) por pouco mais de 40% das ações da IMC na bolsa. O objetivo do empresário é posteriormente promover uma fusão das empresas.

Ele decidiu voltar à carga depois que o primeiro acordo para a união entre as empresas fracassou. A fusão criaria uma empresa com faturamento de R$ 3 bilhões e 1,4 mil pontos de venda em cinco países, com aproximadamente 25 mil funcionários.

Embora faça sentido do ponto de vista operacional, o negócio deu para trás na fase da auditoria dos números da Sapore, que não tem capital aberto, segundo uma fonte que acompanhou o processo.

Sem acordo, o dono da Sapore decidiu lançar uma proposta diretamente na bolsa por parte da IMC, a chamada "oferta hostil", no jargão dos investidores.  O empresário conta com a assessoria da Riza Capital, do ex-BTG Pactual Marco Gonçalves.

Mendez oferece R$ 8,63 por ação da dona do Viena e Frango Assado na operação. Esse valor é 24% maior que as cotações das ações da empresa na bolsa hoje e o equivalente a quase R$ 600 milhões.

Desde o começo, a administração da IMC resistiu à nova investida da Sapore, que também contrariou boa parte dos minoritários. Um sinal disso foi o fato de a cotação das ações na bolsa não convergir para o preço da oferta.

No tarde de hoje, as ações da IMC eram negociadas a R$ 6,96 na bolsa, em alta de 2,35%.

Assim não quero

A assembleia da IMC foi marcada para 13 de dezembro, apenas seis dias antes da data da oferta. Mas para barrar os planos da Sapore, a reunião deverá contar com a presença de pelo menos dois terços dos acionistas.

Se a pílula de veneno for aprovada, o dono da Sapore terá de desembolsar R$ 1,357 bilhão para estender a oferta a todos os acionistas. Mas ele já disse que vai cancelar o negócio se os acionistas aprovarem a mudança no estatuto.

O empresário também fez ajustes na oferta, em uma tentativa de diminuir a resistência dos minoritários da IMC. Ele se comprometeu a contratar um banco de investimento para avaliar a Sapore e a IMC no processo de fusão entre as companhias. E a escolha desse banco seria feita pelos minoritários.

A mudança nas condições não melhora muito as condições para os acionistas da IMC, a menos que o dono da Sapore concordasse em não votar na futura assembleia que decidisse sobre a fusão, segundo uma fonte.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

ninguém mais embarca

Anac anuncia suspensão das operações da Avianca Brasil

Com a medida, estão suspensos todos os voos até que a empresa comprove capacidade operacional para manter as operações com segurança.

Calma, gente

Fala de Guedes sobre eventual saída do cargo não tem tom de ameaça

Ministro Paulo Guedes fez as colocações à “Veja” de forma tranquila, como se disse que: “se não querem meu trabalho, vou-me embora”. Não tem alarme nenhum para ele sair.

Mercado de capitais

Bancos têm R$ 40 bilhões “contratados” em ofertas de ações de empresas na bolsa

Número considera tanto ofertas públicas iniciais de ações (IPO) como de empresas já listadas (follow ons) e pode ser ainda maior, dependendo da aprovação da reforma da Previdência

Deu ruim

Venda da Braskem à Lyondell emperra e complica a situação da Odebrecht

Fator número um para a reticência da Lyondell em comprar a Braskem seria a incerteza gerada pelo projeto de extração de sal-gema em Alagoas

será que ele acertou?

De volta para o futuro: as previsões de George Soros para a política e a economia

Amado e odiado por diferentes grupos, o investidor é o tipo de figura que, ao longo do tempo, adquiriu ares míticos; confira o que Soros já “previu” ao longo do tempo — e o que ele acertou

Próxima etapa do Minha Casa Minha Vida

União doará terrenos para construtoras

Empresa interessada num imóvel do governo terá de se comprometer a bancar a administração condominial de um Minha Casa Minha Vida por 20 ou 30 anos

bateu o martelo!

Cade aprova fatia maior da CaixaPar no Banco Pan

A operação corresponde ao exercício de opção de compra; o BTG, que antes tinha 50,6%, passa a deter também o mesmo porcentual de 41,7%; outros 16,6% do Banco Pan estão distribuídos entre acionistas minoritários.

uma queda atrás da outra

Confiança do comércio cai 54 pontos em maio ante abril, revela FGV

Sondagem do Comércio da FGV também identificou o ambiente político como principal problema a atrapalhar o ambiente de negócios

Exile on Wall Street

Você compraria o seu passado? Ou um portfólio para qualquer maio; ou, ainda, cadê Tereza?

Todos nós sabemos que retornos passados não são garantia de retorno futuro. Um único erro e a gente pode explodir esse negócio — o que, inclusive, me dá um medo avassalador

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements