Menu
2019-06-21T19:04:45+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
O fim da maldição de maio?

Após “pacto” de Bolsonaro, Ibovespa sobe mais de 1,5% e vira ao campo positivo no mês

Tanto o Ibovespa quanto o dólar tiveram uma sessão de alívio, com o mercado reagindo bem aos esforços do governo para melhorar a articulação política

28 de maio de 2019
10:28 - atualizado às 19:04
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa retornou à faixa dos 96 mil pontos; dólar caiu a R$ 4,02, apesar da pressão no mercado de câmbio no exterior - Imagem: Seu Dinheiro

Pense num jogo de baralho — pode ser pôquer, truco, buraco, tranca, tanto faz. As regras mudam, mas uma coisa permanece constante: receber boas cartas é meio caminho andado para ter sucesso na partida.

Os mercados brasileiros vinham passando apuros no placar de maio — a guerra comercial dificultava a formação de pares ou de sequências, e o cenário político doméstico parecia misturar os naipes. Parecia que, ao fim do mês, os agentes financeiros deixariam o jogo com muito menos dinheiro do que quando entraram.

Mas a sorte virou desde a semana passada, quando um novo crupiê assumiu a mesa. Agora, quem dá as cartas é o clima mais pacífico em Brasília — e esse novo crupiê tem dado ânimo aos mercados locais. E tanto o Ibovespa quanto o dólar à vista abriram um sorriso assim que receberam a mão para a partida desta terça-feira (28).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A rodada de hoje teve como pano de fundo a articulação política. Afinal, o presidente Jair Bolsonaro convidou os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia; do Senado, Davi Alcolumbre; e do Supremo, Dias Toffoli, para um café da manhã, de modo a melhorar as relações entre os poderes — e as notícias de um "pacto" firmado entre as autoridades serviram para dar mais uma injeção de confiança nos mercados.

Nesse cenário, os agentes financeiros se sentiram à vontade para colocar mais fichas nos ativos locais. O Ibovespa fechou o dia em alta de 1,61%, aos 96.392,76 pontos e, com isso, zerou as perdas acumuladas em maio — agora, o índice acumula ganho de 0,04% no mês.

É uma virada impressionante: no dia 17, o Ibovespa aparecia na faixa dos 89 mil pontos — em sete pregões, ganhou quase 6.500 pontos. Será que a "maldição de maio", que mantém o índice no vermelho em maio desde 2010, finalmente será quebrada?

Já o dólar à vista caiu 0,29%, a R$ 4,0235 — pode não parecer muito, mas vale ressaltar que, no exterior, a moeda americana se valorizou ante a maior parte das divisas globais, tanto as fortes quanto as de países emergentes.

Cartas na mesa

O Ibovespa começou a ganhar força a partir das 11h, quando as primeiras notícias referentes à reunião entre as autoridades começaram a circular. Ficou acertado que presidentes dos três poderes irão assinar um "pacto pelo Brasil" para a retomada do crescimento, possivelmente na semana de 10 de junho.

Mas não foi só isso. Pouco depois, Rodrigo Maia veio à público e deu declarações num tom conciliador — e a fala do presidente da Câmara também foi determinante para aumentar o otimismo dos agentes financeiros.

Entre outros pontos, Maia disse que irá pedir ao relator da reforma da Previdência na comissão especial da casa, Samuel Moreira, que apresente o seu parecer antes do dia 15 de junho — a intenção é permitir que a proposta seja votada também no plenário da Câmara ainda no primeiro semestre.

"Aparentemente, o Congresso vai se empenhar para aprovar as medidas defendidas pelo governo. Isso traz um sentimento bom ao mercado", diz Mário Battistel, gerente de câmbio da Fair Corretora. Para ele, o noticiário de hoje gerou uma melhoria nas expectativas dos agentes financeiros, que começam a desmontar parte das posições mais defensivas — sobretudo no câmbio e nos juros.

Para o mercado, quanto mais harmonioso for o convívio entre os poderes, melhor: a leitura é a de que qualquer esforço para reduzir os atritos em Brasília tende a jogar a favor da reforma da Previdência, diminuindo a chance de desidratação da proposta ou de atraso no cronograma de tramitação.

Blefe no exterior?

A sessão desta terça-feira também foi marcada pelo reabertura dos mercados americanos, que estiveram fechados ontem por causa de um feriado local. As bolsas de Nova York iniciaram o dia em alta, mas perderam força e fecharam o pregão no campo negativo.

O Dow Jones (-0,93%) e o S&P 500 (-0,84%)  e o Nasdaq (-0,39%) recuaram em bloco. E isso porque, no exterior, segue a apreensão dos mercados quanto à guerra comercial, já que as negociações entre Estados Unidos e China parecem em ponto morto, ficando apenas no campo das ameaças e reaproximações entre os governos.

"Lá fora, a música segue a mesma. Muita gente acha que esses entraves podem demorar bastante tempo para serem resolvidos", diz um operador, ressaltado que, nesse cenário, há uma corrida por ativos de segurança — no caso os títulos de 10 anos do governo americano e o dólar.

O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta com as principais divisas do mundo, operou em alta desde o início do dia. Na comparação com as emergentes, o tom foi semelhante: o dólar se fortaleceu ante o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno e o rand sul-africano, entre outras.

O real, por outro lado, conseguiu se sustentar em queda — e a chave esteve no cenário político local, que deu confiança aos mercados domésticos. Essa percepção também trouxe alívio à curva de juros, tanto na ponta curta quanto na longa.

Os DIs para janeiro de 2021, por exemplo, fecharam em baixa de 7,51% para 6,61%. Entre as curvas com vencimentos de maior prazo, as para janeiro de 2023 caíram de 7,91% para 7,73%, e as para janeiro de 2025 recuaram de 8,52% para 8,36%.

Para Battistel, da Fair, diversos agentes financeiros tinham a percepção de que a reforma da Previdência e outras pautas do governo poderiam se arrastar por muito tempo sem um apoio mais concreto do Congresso — mas os sinais vindos hoje de Brasília diminuem a tensão no ar e quebra as correntes mais pessimistas.

Alianças...

Um dos destaques do Ibovespa nesta terça-feira foi a ação ON do Magazine Luiza (MGLU3). Os papéis apareceram entre as maiores altas do índice, com o mercado reagindo bem à parceria firmada pela empresa com o Carrefour para a venda de eletroeletrônicos.

Como resultado, os ativos do Magalu fecharam em alta de 6,18% — fora do Ibovespa, as ações ON do Carrefour Brasil (CRFB3) também tiveram ganhos firmes, em alta de 5,41%.

O bom desempenho dos papéis do Magazine Luiza acabou puxando outras ações do setor, como B2W ON (BTOW3), que subiu 6,57% e liderou os ganhos do índice. Lojas Renner ON (LREN3) (+3,58%) e Via Varejo ON (VVAR3) (+3,52%) também subiram forte.

... e acordos

Outra integrante do Ibovespa que apareceu nos holofotes foi a Braskem — na noite de ontem, a petroquímica anunciou o fechamento de um acordo de leniência com a Controladoria-Geral da União e a Advocacia-Geral da União, estabelecendo um desembolso adicional de cerca de R$ 410 milhões.

Em meio ao noticiário envolvendo a empresa, as ações PNA da Braskem (BRKM5) tiveram alta de 2,13%.

Bancos na linha de frente

As ações do setor bancário aparecem como grande motor do Ibovespa nesta terça-feira. Os papéis ON do Bradesco (BBDC3) lideram o grupo, avançando 3,35%, seguidos por Itaú Unibanco PN (ITUB4), com valorização de 2,81%; Bradesco PN (BBDC4), em alta de 2,76%; units do Santander Brasil (SANB11), com ganho de 2,15%; e Banco do Brasil ON (BBAS3),  que subiu 1,3%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novidades à vista

Bolsonaro anuncia a aliados saída do PSL e que trabalhará para criar novo partido

A deputada Bia Kicis (PSL-DF) disse esperar que Bolsonaro presida o novo partido. Segundo ela, a primeira convenção da sigla será realizada em 21 de novembro. Ainda de acordo com ela, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) sairá de imediato do partido.

Seu Dinheiro na sua noite

Um buraco na estrada do céu

Uma súbita perda de altitude, seguida por uma forte turbulência, me pegou durante um voo com a família para a Europa, em 2015. Eu já havia passado por instabilidades do tipo antes, mas essa foi a primeira sem o aviso prévio do piloto. Éramos 20 pessoas entre adultos e crianças que partiam para celebrar as […]

Depois do fracasso

Área não arrematada no leilão de petróleo e gás deverá ser apreciada pelo PPI

De acordo com o governo, os parâmetros de bônus de assinatura e de lucro-óleo deverão ser revistos para baixo

Novidades

Fundação de Bill Gates e esposa estão de olho em projeto que cria metal que flutua

A iniciativa da Universidade de Rochester envolve o desenvolvimento de uma estrutura que pode ser utilizada para construir navios ou cidades flutuantes. As informações são da Business Insider

Relação mais que abalada

Trump volta a atacar Fed e diz que BC americano coloca EUA em desvantagem competitiva

Trump voltou a dizer que o Fed, que reduziu a taxa dos Fed funds três vezes neste ano, foi “muito lento” ao cortar juros

Tema mais do que esperado

CAE do Senado aprova projeto de autonomia do Banco Central

Relatório, do senador Telmário Mota (PROS-RR), confere a chamada autonomia formal ao BC, para execução de suas atividades

Comércio

Trump: Acordo com China está próximo, mas só aceitamos se for bom para os EUA

Presidente Donald Trump disse que não culpa a China pelas trapaças no comércio internacional, mas sim seus antecessores que não fizeram nada

Já que não vale PEC...

Alcolumbre levanta possibilidade de Assembleia Constituinte para discutir prisão em 2ª instância

Parlamentares pressionam o presidente do Senado a pautar uma Proposta de Emenda à Constituição autorizando a prisão após segundo julgamento

caso na justiça

Santander ganha causa no TST contra analista demitida por texto contrário a Dilma

Em junho de 2014, a funcionária do banco foi responsável por um documento divulgado a um grupo de clientes que afirmava que a reeleição da então presidente seria negativa para os mercados

Projeção do Fausto

Se passar dos R$ 4,20, dólar pode ir a R$ 5

Neste vídeo, o analista gráfico faz projeções para Ibovespa, S&P 500, dólar, ouro e petróleo, além de falar de 16 ações para ficar de olho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements