Menu
2019-06-07T18:53:25+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Piada ou profecia?

‘Sell in May and go away’: o que fazer em maio, o mês amaldiçoado do mercado?

A série histórica do Ibovespa mostra que maio é um mês em que o índice costuma ter desempenho negativo. É melhor mesmo vender tudo e ir embora, ou é tudo uma questão de compreender melhor os riscos que se desenham no horizonte, tanto no Brasil quanto no exterior?

5 de maio de 2019
10:30 - atualizado às 18:53
Palavra maio em inglês com efeito de chamas
Maio costuma gerar um frio na espinha do mercado - Imagem: Shutterstock

Eu tenho alguns hábitos no período da manhã. Acordo sempre por volta das 7h, tomo banho, como alguma coisa e levo o Tambor — meu cachorro recém-adotado — para dar uma volta no quarteirão. E, entre uma atividade e outra, eu começo a trocar as primeiras mensagens com analistas e operadores do mercado financeiro.

Pois bem: na última quinta-feira, dia 2, eu estava repetindo essa rotina — talvez um pouco mais sonolento que o normal, afinal, estávamos voltando de um feriado. Mas um detalhe me chamou a atenção: todas as respostas que eu recebi naquela manhã incluíam, em algum ponto, a mesma frase:

"Sell in May and go away" — algo como "venda em maio e vá embora".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Eu explico: o quinto mês do ano, segundo a mitologia do mercado financeiro, marca o início de um período de desempenho ruim das bolsas. E, coincidência ou não, o Dow Jones, o S&P 500, o Nasdaq e o Ibovespa abriram maio com o pé esquerdo.

A origem desse jargão é incerta. Há quem diga que tudo está conectado com o início do verão no hemisfério norte — quando muitos investidores saem de férias e optam por vender ações para fazer dinheiro (e não se estressar com o sobe e desce dos ativos).

Uma segunda linha de pensamento diz que maio é a época o pagamento de bônus do mercado financeiro — e que, ano após ano, os montantes ficam abaixo do esperado, o que obriga os agentes a venderem seus papéis para cobrir uma necessidade de caixa.

Há muitas teses, mas poucas justificativas racionais. E, embora a maior parte das mensagens fosse em tom de piada, algumas também assumiam um certo viés de profecia. Afinal, quando é o seu dinheiro que está em jogo, não há muito espaço para dar risada.

No vermelho

Eu levantei a série histórica do Ibovespa para ver se esse provérbio tinha alguma sustentação. Em maio do ano passado, o índice acumulou baixa de 10,9%, afetado fortemente pela greve dos caminhoneiros.

E em 2017? Bem, em 17 de maio daquele ano, vieram a público os áudios da delação do empresário Joesley Batista que envolviam diretamente o então presidente Michel Temer. E a espiral negativa gerada pelo "Joesley Day" fez o Ibovespa cair 4,12% naquele mês.

Maio de 2016 também foi negativo para o índice, com uma queda de 10,1%. O mês foi marcado pelo afastamento da então presidente Dilma Rousseff — o Ibovespa já havia subido mais de 24% no ano até abril e o mercado realizou os ganhos.

A sequência vai longe e só para em 2009, quando o índice teve ganho acumulado de 12,5%. Assim, caso feche esse mês no vermelho, teremos dez anos consecutivos de desempenho negativo em maio.

É claro que é impossível dizer, de maneira racional, que maio atrai algum tipo de mau presságio. Só que, passados dois pregões, o Ibovespa acumula perda de 0,36% no mês. Não quer dizer nada, mas...

Nervos de aço

Há muitas cascas de banana no caminho do Ibovespa e dos mercados como um todo daqui para frente. Vamos começar pela mais óbvia: a reforma da Previdência.

Aos trancos e barrancos, o texto passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e, agora, será analisado pela comissão especial da casa — uma etapa muito mais perigosa para as pretensões do governo.

Em primeiro lugar, a comissão especial é a fase em que os deputados poderão realizar as maiores mudanças na proposta — e, assim, reduzir o potencial de economia a ser gerado pela reforma, um dos maiores temores do mercado.

Em segundo, a atual etapa é mais longa e passível de atrasos: de acordo com o cronograma oficial, as discussões no colegiado devem se estender pelos meses de maio e junho. Assim, é melhor apertar os cintos: o noticiário político trará muita volatilidade aos mercados daqui para frente.

É bom lembrar que, apesar de ter se afastado da marca histórica dos 100 mil pontos, o Ibovespa ainda acumula alta de mais de 9% no ano — portanto, há espaço para movimentos de correção mais intensa.

Balanços em foco

Maio também conta com noticiário corporativo intenso, uma vez que a temporada de balanços do primeiro trimestre termina no dia 15 deste mês.

Assim, é bom manter os olhos atentos aos relatórios financeiros e os ouvidos ligados nas teleconferências de resultados nos próximos dias. Afinal, surpresas positivas e negativas com os balanços podem mexer com as ações de empresas e até de setores como um todo

A lista de companhias que ainda vai divulgar seus números trimestrais é extensa e inclui alguns pesos pesados da bolsa, como Petrobras, Vale, Banco do Brasil e Ambev. Preste atenção ao noticiário político, mas não deixe de lado a análise individual de cada empresa.

Atenção ao exterior

Sim, eu sei: o cenário local tem fatores até demais para gerar volatilidade nos preços. Mas é bom não descuidar do exterior, já que, lá fora, também há perigo na esquina.

Um primeiro fator de risco é o simples fato de as bolsas americanas estarem muito perto das máximas históricas, abrindo espaço para movimentos de correção.

Basta lembrar o que ocorreu no fim do ano passado: em novembro, os índices acionários dos Estados Unidos tocaram recordes, mas entraram em forte rota de correção em dezembro — na ocasião, os mercados questionavam o estado da economia americana e a condução da política monetária do país pelo Federal Reserve.

E veja só: na última quarta-feira (1º), o Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq tiveram quedas expressivas após o presidente do Fed, Jerome Powell, sinalizar que a instituição será "paciente", não se comprometendo com mudanças na taxa de juros do país no curto prazo.

Parte do mercado apostava num corte de juros ainda neste ano — assim, as declarações de Powell contrariaram essa expectativa e geraram uma correção generalizada nos primeiros dias do mês. É claro que o cenário atual e o de dezembro não são idênticos, mas a semelhança é, no mínimo, curiosa.

Um segundo risco no horizonte diz respeito às negociações comerciais entre Estados Unidos e China. O diálogo entre as partes segue em andamento, mas parece haver dificuldade para que um entendimento final seja celebrado — e, quanto mais demorado for esse processo, maiores são as preocupações de impacto na economia chinesa e do mundo.

Volatilidade?

Até agora, demos ênfase apenas aos cenários potencialmente negativos. No entanto, é importante ressaltar: volatilidade implica em movimentos de queda e de alta de preços.

Assim, os passos dos principais atores da cena de Brasília estarão nos holofotes: cada gesto pode fazer a diferença, inclusive positiva. Sinais de maior articulação política entre o governo e o Congresso, bem como uma eventual rapidez nas discussões na comissão especial, podem trazer otimismo à bolsa.

Uma safra surpreendente de balanços corporativos também pode dar um gás inesperado ao mercado. E, no exterior, sinais de retomada do crescimento econômico global ou de resolução dos conflitos entre Washington e Pequim podem trazer liquidez aos mercados como um todo.

E o que fazer? Bom, tudo depende do seu apetite ao risco. O “sell in May and go away” funcionou nos últimos anos no Ibovespa, mas não há nenhuma evidência de que esse fenômeno vá se repetir em 2019 — seria fácil demais.

Um conselho: esteja atento ao noticiário. A política, os balanços, o exterior e muitos outros fatores atuam em conjunto, criando um ambiente único e que muda dia a dia. Caso você domine as variáveis que mexem com o mercado, ficará muito mais fácil para entender o comportamento do Ibovespa.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

aporte de peso

Microsoft anuncia investimento de US$ 1 bi em iniciativa de inteligência artificial associada a Elon Musk

Empresas planejam estender os recursos do serviço de nuvem corporativo Microsoft Azure em sistemas de IA em larga escala

Balanço

Santander tem lucro de R$ 3,635 bilhões no segundo trimestre e rentabilidade bate em 21,3%

Tanto o lucro líquido, que aumentou 20,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado e ficou mais uma vez acima das projeções, como a rentabilidade representam o maior patamar histórico para o Santander

Operação lava Jato

Juiz condena delator e valida acordos de R$ 700 mi da Lava Jato

Para fraudar a competitividade de procedimentos licitatórios da Petrobras, um cartel composto pelas maiores empreiteiras do Brasil, incluindo a Construtora Camargo Corrêa, pagava propina para Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento da estatal.

a bula do mercado

O inevitável afrouxamento monetário se aproxima

Dados do IPCA-15 serão decisivos para calibrar expectativas sobre corte de juro

Ah, poxa vida!

Em nova proposta, governo agora quer limitar saques do FGTS a R$ 500 em 2019

O público-alvo da medida são 100 milhões de contas do fundo (um trabalhador pode ter mais de uma conta)

O Seu Dinheiro na sua noite

Atrás do trio elétrico

Questionado certa vez sobre quem seria o “novo Caetano Veloso”, o cantor e compositor baiano respondeu: “o novo Caetano Veloso sou eu.” Na época, a música popular brasileira apresentava uma renovação com nomes como Lenine, Zeca Baleiro e, principalmente, Chico César. O paraibano era apontado como o principal candidato a herdar o trono do baiano, […]

Vish!

CVM suspende atuação irregular de empresa que tem Ronaldinho Gaúcho como garoto-propaganda

A empresa oferece produtos por meio de site, de eventos presenciais e de redes sociais como Facebook e Twitter

Medidas

Multa de 40% sobre o saldo do FGTS não será tratada agora, diz secretário de Fazenda

Waldery Rodrigues não apresentou detalhes, mas afirmou que a diretriz das medidas que serão apresentadas na semana é melhorar o acesso aos recursos do fundo

Hakuna Matata

Os críticos não gostaram muito do novo Rei Leão. Mas, para os mercados, a Disney segue com cinco estrelas

Com O Rei Leão, a Disney emplacou um sexto sucesso de bilheteria somente em 2019, apesar das críticas mornas ao novo filme. E o mercado mostra-se cada vez mais confiante em relação à empresa

Olha só...

Indicada para o FED, Judy Shelton é a favor de corte de juros em 50 pontos-base já neste mês

As informações são do jornal Washington Post. Em declarações feitas por e-mail, ela ressaltou que defenderia um corte já na reunião feita em junho em que o banco optou por manter o juro entre 2,25% e 2,5% ao ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements