Menu
2019-10-29T17:45:00+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nada vai ser igual

Por que Apple e Disney estão prestes a chacoalhar o império da Netflix no mercado de streaming

Chegada de dois gigantes promete abalar as estruturas do mercado, do preço à qualidade dos serviços

29 de outubro de 2019
16:02 - atualizado às 17:45
Netflix
Imagem: Shutterstock

Quando você pensa em serviço de streaming, muito provavelmente virá à sua cabeça, no máximo, quatro nomes: Netflix, Amazon Prime Video, HBO e Hulu. Mas daqui a poucas semanas essa lista seguramente estará maior e completamente reformulada.

Isso porque a chegada de dois gigantes promete abalar as estruturas desse mercado, do preço à qualidade dos serviços. Na sexta-feira (1), a Apple lança seu Apple TV Plus nos Estados Unidos, com uma programação exclusiva e original. Já daqui duas semanas é a vez da Disney lançar o Disney Plus, também em terras do Tio Sam, um serviço que contará com as produções de renome como Pixar, Marvel, National Geographic e Fox. Ambos os serviços já tem planos de lançamento para outros países (incluindo o Brasil) nos próximos meses.

Os dois novos concorrentes devem esquentar a competição pelos adeptos do streaming, elevando o nível de exigência dos clientes. Mas como isso deve ocorrer na prática? Separamos alguns detalhes do Disney Plus e da Apple TV Plus que explicam essa teoria.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Preços

Esse é, sem dúvidas, um divisor de águas para qualquer cliente. Vejamos primeiramente o cenário atual. A Netflix possui três planos nos Estados Unidos:

  • "Básico": limita o usuário a uma tela por vez e apresenta uma definição padrão. Custa US$ 9 por mês.
  • "Padrão": com vídeo de alta definição e possibilidade de duas telas ao mesmo tempo, custa US$ 13 por mês.
  • "Premium": oferece suporte a 4K e o usuário você pode assistir em quatro telas ao mesmo tempo. O preço é US$ 16 por mês.

A HBO Now, referência por suas séries cinematográficas, custa US$ 15 por mês. Já a faixa de preço de uma pacote Hulu fica entre US$ 6 e US$ 12 mensais. Por fim, O Amazon Prime Video, por sua vez, custa US$ 9 por mês e costuma ser gratuito para os membros do Amazon Prime.

Agora vejamos as novidades. A mudança de padrões começa com os preços da Apple TV Plus, que custará US$ 5 a mensalidade. Além disso, o cliente Apple que comprar um produto, como um iPhone ou um MacBook, terá um ano de streaming gratuito. Já o Disney Plus custará US$ 7 mensais, com a oferta de promoções durante todo o ano.

Esse novo padrão de preços tem um propósito: com a grande oferta de produtos e serviços, os clientes tenderão a selecionar apenas alguns deles para fechar negócio. E, na lógica do mercado, vence aquele que tiver os melhores produtos pelo menor preço.

Produtos

E por falar em produtos, tanto a Apple como a Disney prepararam um arsenal de produções a serem disponibilizados em seus streamings.

No Apple TV Plus, séries como "The Morning Show" e "See" já estão no cardápio. Além disso, outros nomes de peso já estão comprometidos com produções para a Apple, entre eles Steven Spielberg, Steve Carrell, Chris Evans, Kevin Durant, Kristen Bell, Rashida Jones e Oprah Winfrey.

Já no caso da Disney, a artilharia será pesada. Além do arsenal de produções Disney já concluído, o serviço também contará com produções da Pixar, Marvel, National Geographic e Fox, incluindo clássicos como "Os Simpsons" e a série Star Wars.

Sucessos à parte, o fato é que muitas dessas produções terão o mesmo nível e qualidade daquelas disponíveis pela Netflix e HBO. O ponto-chave está no volume e na capacidade de Apple e Disney atraírem talentos de grandes nomes de Hollywood, algo que sem dúvidas pressiona os produtores concorrentes.

Só o futuro dirá

Se os dois serviços a serem lançados vão cair no gosto do público, ainda é cedo para cravar. Mas se por um lado a concorrência promete grandes feitos, por outro tanto HBO quanto Netflix desfrutam de uma estrutura monumental, com séries e filmes já bastante consolidados pelos usuários. Basta olhar para sucessos como "Watchmen", "Euforia", "Vale do Silício", da HBO, ou "Stranger Things" da Netflix.

Com tanta concorrência, uma coisa é certa: a pressão para produzir mais e produzir o melhor só tende a crescer com a chegada de gigantes como a Apple e a Disney.

*Com informações da Business Insider.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements