🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
NAS FALADAS DO FUNDO

Adeus, dólar (ou não): para diretora do FMI, é cedo para um ‘beijo de despedida’ na moeda norte-americana

A chefe do fundo internacional descartou a possibilidade de um calote da dívida por parte dos EUA, mas não é nisso que os operadores dos mercados no exterior acreditam

Renan Sousa
Renan Sousa
24 de maio de 2023
13:45 - atualizado às 12:55
Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, defende dólar
Imagem: Montagem Seu Dinheiro / Divulgação

Os assíduos leitores do Seu Dinheiro devem ter estranhado o título acima — afinal, temos aqui uma série de reportagens dedicada apenas ao fim da dominância do dólar como moeda padrão internacional. Mas há quem discorde dessa teoria. 

Uma das vozes contra a “desdolarização” do mundo é a da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva. Em evento do Fórum Econômico em Doha, no Catar, ela ainda afirmou que os Estados Unidos não devem dar um calote na dívida caso o teto de gastos do país não seja expandido.

“Ainda não dê o beijo de despedida nos seus dólares”, disse Georgieva. “Nós não esperamos uma mudança imediata das reservas internacionais porque o dólar é justamente uma reserva de valor por causa da resiliência da economia dos Estados Unidos e a profundidade do seu mercado de capitais”.

Mas até mesmo a diretora-gerente do FMI precisou admitir que o debate sobre o abandono do dólar ganhou espaço nos últimos anos. O exemplo mais notável é o da crise na Argentina, que passou a adotar o yuan como padrão para trocas internacionais em detrimento da moeda norte-americana. 

Como fica o dólar com um calote da dívida?

A chefe do fundo internacional descartou a possibilidade de calote, mas não é isso que os operadores dos mercados no exterior acreditam. Nesta quarta-feira (24), as bolsas pelo mundo reagem — com ceticismo — aos debates envolvendo o teto da dívida dos EUA.

Os encontros entre o presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, e o chefe da Câmara dos Representantes, o republicano Kevin McCarthy, têm sido “positivos”, mas sem sucesso para ampliar o limite de gastos de US$ 31,4 trilhões até 1º de junho.

Segundo a Secretária do Tesouro norte-americano, Janet Yellen, o país pode ter problemas para pagar suas dívidas a partir dessa data caso não seja atingido um acordo.

A proximidade da data limite para resolução do impasse coloca os investidores em posição defensiva. Um possível calote seria algo sem precedentes na história norte-americana, podendo ter consequências desastrosas para a economia global. 

  • Imposto de Renda sem complicações: não passe perrengue na hora de declarar o seu IR em 2023. Baixe de forma GRATUITA o guia completo que Seu Dinheiro preparou com todas as orientações que você precisa para fazer sua declaração à Receita sozinho. [É SÓ CLICAR AQUI]

Do outro lado da moeda

Georgieva minimizou as chances de calote, afirmando que os EUA encontrarão uma resolução “na última hora” para os problemas com a dívida.

Contrariando os pessimistas de plantão, o índice do dólar (DXY) — que mede a força da moeda norte-americana contra uma cesta de outras moedas fortes do mundo — tem corroborado com a tese de Georgieva. 

O indicador que mede a “força” do dólar contra outras moedas opera em leve alta de 0,25% nesta quarta-feira. Em relação a maio do ano passado, o índice se manteve em alta de 1,63%, o que mostra que a moeda norte-americana segue firme no pódio com as demais.

Por que abandonar o dólar?

Não é de hoje que os países buscam se livrar da hegemonia internacional do dólar. O movimento ganhou força com a exclusão parcial da Rússia do sistema de pagamentos internacionais, o Swift.

O cerco de sanções e a dificuldade de pagar e receber de outros países obrigaram a nação do presidente Vladimir Putin a buscar alternativas, o que fez a Rússia a usar o yuan em 70% das suas transações comerciais

Corrobora com essa tese o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva. Em visita à China, ele reforçou a necessidade de uma moeda comum para trocas comerciais dos BRICS— grupo de países emergentes que inclui Brasil, Rússia, Índia, a própria China e a África do Sul (o “S” vem do inglês South Africa).

Abandonar o dólar seria uma alternativa desses países para fortalecer as trocas comerciais e reduzir a influência da moeda dos Estados Unidos em suas economias. Como foi dito, a Argentina passa por uma escassez severa de dólares, o que fez a inflação por lá superar os 104% ao ano, o que explica a busca por alternativas viáveis.

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Pseudoconciliação e promessa de deportação em massa: o que você precisa saber sobre o último discurso de Trump

19 de julho de 2024 - 11:10

Donald Trump discursou no fim da noite de quinta-feira ao aceitar a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA em novembro

UNINDO FORÇAS

O “quarteto mortal”: os países que vão tirar o sono dos EUA e da Europa e podem levar a uma nova guerra global

18 de julho de 2024 - 19:58

Especialistas destacam o poder econômico do Ocidente, mas reconhecem que a missão de conter o avanço do grupo de quatro países não é fácil

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

ELEIÇÕES NOS EUA

Lula sobre Trump: “Vai tentar tirar proveito”. A declaração do petista sobre a campanha nos EUA após o tiro em comício

16 de julho de 2024 - 19:57

Nas primeiras entrevistas após o atentado, o agora candidato republicano à presidência disse que foi salvo “por sorte ou por Deus”

Grandes demais para quebrar

Bancões americanos ganham mais com área de investimento e gestão de ativos do que com juros

16 de julho de 2024 - 15:04

BofA teve queda na receita com juros de 3%, enquanto o Morgan Stanley amargou redução de 17% nesse item

TÁ CHEGANDO A HORA

Toda unanimidade é burra? Mercado passa a ver 100% de chance de corte de juros nos EUA em setembro

16 de julho de 2024 - 14:38

Há um mês, as probabilidades de que os juros fossem reduzidos em setembro eram de cerca de 70%; entenda o que mudou de lá para cá e entenda se a redução ds juros está mesmo garantida

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar