Menu
2021-06-04T18:26:13-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mais um recorde

Ibovespa crava a sétima alta seguida e passa voando pelos 130 mil pontos

O Ibovespa renovou os recordes de fechamento pelo quinto pregão consecutivo; no câmbio, o dólar foi às mínimas em quase um ano

4 de junho de 2021
18:26
bolsa Ibovespa 130 mil
Imagem: Shutterstock

Mais uma sessão, mais um recorde — essa tem sido a rotina do Ibovespa nos últimos dias. Nesta sexta-feira (4), contudo, o principal índice da bolsa brasileira chegou a uma marca especial: pela primeira vez na história, encerrou um pregão acima dos 130 mil pontos, coroando uma sequência de sete avanços consecutivos.

A nova máxima em termos nominais, no entanto, não foi conquistada com facilidade. O Ibovespa passou boa parte do dia em queda, virando para o campo positivo apenas no meio da tarde. Foi o suficiente para que o índice encerrasse em alta de 0,40%, aos 130.125,78 pontos.

Somente nesta semana, o Ibovespa acumulou ganhos de 3,64%; em 2021, o salto já chega a 9,33%.

Essa sequência de recorde atrás de recorde tem sido sustentada por dois fatores, um interno e um externo. Por aqui, a surpresa positiva com o PIB do primeiro trimestre elevou as expectativas em relação ao desempenho da economia brasileira em 2021, dando impulso à bolsa.

E, lá fora, a percepção é a de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não vai mudar de postura tão cedo. Com o mercado de trabalho americano ainda fragilizado, os estímulos econômicos e os juros baixos devem continuar como estão por mais tempo.

Essa combinação também foi bastante benéfica para o mercado de câmbio: o dólar à vista caiu 0,95% hoje, indo às mínimas em quase um ano. Os R$ 5,0356 de hoje representam a menor cotação de fechamento desde 10 de junho de 2020, quando a moeda americana valia R$ 4,9355.

Confiança doméstica

Comecemos a análise pelo primeiro dos fatores: a expectativa mais favorável em relação à economia brasileira. A alta de 1,2% do PIB nacional no primeiro trimestre ficou acima das expectativas do mercado e desencadeou uma onda de revisões positivas nas projeções para o ano.

É verdade que os dados de produção industrial em abril ficaram abaixo das previsões. No entanto, os números da indústria não foram suficientes para jogar água no chope da bolsa, que continuou sendo impulsionada pelo otimismo com a economia no curto prazo.

  • Logo após a divulgação do PIB, na última terça-feira, eu conversei com Rafaela Vitória, economista-chefe do Banco Inter, para entender melhor o resultado da economia no trimestre:

Especialistas alertam, no entanto, que há inúmeros fatores de risco no radar ainda em 2021. A pandemia segue fora de controle no país e o ritmo de vacinação continua lento; além disso, a crise hídrica em diversos estados aumenta o temor quanto a um novo colapso no sistema elétrico — o que, obviamente, causaria grandes impactos aos níveis de atividade do país.

Mas, ao menos por enquanto, o Ibovespa não quer saber de colocar esses riscos na conta. As revisões do PIB para cima e o discurso de que o ambiente político em Brasília está mais calmo, com avanços na pauta econômica (a CPI da Covid não tem feito preço na bolsa), são suficientes para dar força ao mercado de ações.

Ibovespa bolsa 2021

Dólar em queda firme

O segundo fator, de origem externa, foi particularmente importante para o comportamento do dólar, embora também tenha tido influência na bolsa.

Nesta sexta-feira, foi divulgado o relatório de empregos dos EUA em maio — e a expectativa era elevada, considerando os dados mais animadores do mercado de trabalho divulgados ontem.

No entanto, o payroll decepcionou: ao todo, foram criados 559 mil novos postos de trabalho nos EUA no mês passado, número que ficou abaixo das expectativas do mercado. A taxa de desemprego, por outro lado, ficou em 5,8% — o consenso era de um indicador mais próximo de 6%.

Com os dados de emprego ainda sem indicar uma retomada firme, o mercado acredita que o Fed continuará de braços cruzados, sem nem pensar em tirar estímulos da economia ou sinalizar um cronograma para a alta da taxa de juros.

E por que isso é importante? Com o entendimento de que os juros dos EUA devem ficar no nível de 0% a 0,25% ao ano por um período prolongado, o rendimento dos títulos do Tesouro americano também ficará contraído num horizonte mais longo.

E, com esses investimentos rendendo muito pouco, muitos investidores começam a partir para ativos mais arriscados, especialmente nos mercados emergentes — o que anima a bolsa e as moedas desses países.

É nesse contexto que o dólar à vista acumulou baixa de 3,39% na semana e aproximou-se ainda mais do nível dos R$ 5,00. E, para ajudar, muitas empresas brasileiras estão captando recursos no exterior e trazendo-os para o país, aproveitando a percepção de que a economia tende a se recuperar.

Por fim, há ainda a expectativa do mercado em relação à Selic. Com a inflação ganhando força e o risco hídrico lançando uma sombra nos índices de preço, acredita-se que o Copom irá aumentar a taxa de juros num ritmo mais rápido.

Com isso, os investimentos no país ficarão ainda mais atrativos em relação aos títulos do Tesouro americano — mais um fator que ajuda a explicar a queda tão brusca do dólar.

Dólar 2021

Altas e baixas do Ibovespa

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta sexta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇOVARIAÇÃO
CVCB3CVC ONR$ 27,117,41%
BRKM5Braskem PNAR$ 58,915,35%
IGTA3Iguatemi ONR$ 45,585,02%
MULT3Multiplan ONR$ 27,514,80%
BRML3BR Malls ONR$ 11,754,35%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇOVARIAÇÃO
GOAU4Metalúrgica Gerdau PNR$ 14,51-3,20%
EMBR3Embraer ONR$ 17,26-3,14%
GGBR4Gerdau PNR$ 32,46-2,79%
USIM5Usiminas PNAR$ 19,05-2,76%
BRFS3BRF ONR$ 28,65-2,48%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ESTRADA DO FUTURO

Duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro com ações tech

Existe um elemento em comum entre as big tech que as fizeram crescer tanto nas últimas duas décadas. Será que você acerta qual é?

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies