Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-03-03T19:45:05-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O Fed derrubou os juros e as manchetes

3 de março de 2020
19:44 - atualizado às 19:45
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A expressão “parem as máquinas” é usada quando acontece uma notícia de última hora capaz de derrubar a manchete que já estava pronta para o jornal do dia seguinte.

A última vez em que me deparei com um fato de tal magnitude foi em maio de 2017, na noite em que foram revelados os diálogos nada republicanos entre o ex-presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista.

No mercado financeiro, é comum que o noticiário do dia guie ou mude o curso dos negócios. Mas poucas vezes com tamanho impacto como hoje.

O Banco Central dos Estados Unidos pegou os investidores de todo o mundo de surpresa ao anunciar uma redução extraordinária da taxa de juros em 0,50 ponto percentual, para um intervalo entre 1% e 1,25%.

Trata-se de uma ação com poucos precedentes. A última vez em que o Fed mexeu nas taxas fora do calendário das reuniões foi em outubro de 2008, no olho do furacão da crise financeira.

A medida do BC americano só não vai parar as rotativas dos jornais impressos porque aconteceu por volta do meio dia, no horário de Brasília. Logo após o anúncio, o Ibovespa chegou a subir 2,04% na máxima do dia.

A onda de euforia, no entanto, logo se tornou preocupação. A atitude tão proativa do Fed passou a ser vista como um sinal de que os impactos do surto do coronavírus na economia podem ser maiores do que o esperado. Durante a tarde, a bolsa voltou a cair e o dólar cravou um novo recorde, agora na casa de R$ 4,51.

O Victor Aguiar acompanhou mais um dia tenso nos mercados e, depois de mudar várias vezes a manchete ao longo da cobertura, traz para você um panorama completo de como a decisão do Fed mexeu com os ânimos dos investidores.

O PIBinho voltou?

A economia brasileira já não vinha empolgando mesmo antes do surto do coronavírus. Mas diante dos impactos da doença em todo o mundo o Goldman Sachs decidiu reduzir a projeção para o PIB do país neste ano, de 2,2% para 1,5%. E se nos Estados Unidos o Banco Central já cortou os juros, por aqui a expectativa também é de redução nas taxas. Confira todas as projeções revisadas pelo banco americano.

Vale investir?

Pouco mais de um ano após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, a situação da empresa pode estar a caminho de uma melhora. Depois de um prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019 e da forte queda dos papéis, o Morgan Stanley avalia que a mineradora está "muito barata para ser ignorada". Saiba as razões nesta matéria.

A hora e a vez de Júnior Friboi

O irmão de Joesley e Wesley Batista quer um IPO para chamar de seu. José Batista Júnior pretende vender parte de suas ações na Prima Foods, 4ª maior produtora de carne bovina do Brasil, em uma oferta na B3. Conhecido como Júnior Friboi, o empresário é réu em uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Distrito Federal. Conheça mais sobre a empresa e o processo movido pelo MP.

Menos super

O “superministro” Paulo Guedes ficou um pouco menos “super” hoje. O presidente Jair Bolsonaro retirou por prazo indeterminado a competência delegada ao ministro da Economia de decidir sobre algumas ações orçamentárias. A mudança acontece em meio à discussão no Congresso sobre o veto de Bolsonaro à proposta que torna obrigatória a execução das emendas parlamentares.

O apressado sai (mesmo) na frente 

Na declaração do IR deste ano, quem se apressar e entregar logo os documentos vai se dar melhor do que quem esperar para a última hora. Isso porque os atrasados vão receber depois o dinheiro da restituição, corrigido por uma Selic que deve ficar ainda mais baixa nos próximos meses. A nossa especialista Julia Wiltgen conta tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

Beleza brasileira

É difícil ficar bravo, quando há tanta beleza no mundo. O nosso colunista Matheus Spiess cita o protagonista do filme Beleza Americana no texto de hoje ao contar por que segue otimista com a bolsa apesar das perdas recentes. Além de comentar sobre o cenário para o mercado de ações em tempos de coronavírus, ele ainda traz um papel que todo investidor “responsavelmente ousado” deveria ter.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Bitcoin popular

Goldman Sachs e Citibank anunciam novos investimentos em bitcoin

A ideia é tentar oferecer a maior variedade de serviços e evitar as oscilações, típicas e comuns no mundo das criptomoedas

Movimentação societária

CCR em disparada: por que a saída da Andrade Gutierrez do bloco de controle ajuda as ações?

As ações ON da CCR lideram os ganhos no Ibovespa após a Andrade Gutierrez receber proposta para a venda de sua fatia na companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies