Menu
2020-03-03T14:56:13-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
recomendação

Um ano após Brumadinho, Morgan Stanley diz que Vale está ‘muito barata para ser ignorada’

Banco norte-americano aponta que um forte fluxo de caixa livre e uma melhoria nas práticas ambientais são razões para otimismo com as ações da mineradora

3 de março de 2020
14:39 - atualizado às 14:56
Navio da Vale
Imagem: Agência Vale

Pouco mais de um ano após o rompimento de uma barragem da Vale em Brumadinho (MG), o Morgan Stanley diz que a ADR da mineradora está "muito barata para ser ignorada". O banco recomenda a compra do recibo que representa ações na Bolsa de Valores de Nova York, estimando que eles podem chegar US$ 13,50 — uma alta de 31,45% em relação a cotação de ontem.

Com a avaliação, as ADRs sobem 3,12%, a US$ 10,59, por volta das 14h desta terça-feira (3), pelo horário de Brasília. As ações negociadas na bolsa brasileira avançam 2,83%, a R$ 47,67, naturalmente acompanhando a alta — as ADRs no Estados Unidos equivalem aos papéis de negociação brasileira.

Desde de 25 de janeiro do ano passado, quando o rompimento da Barragem 1 da Mina do Córrego de Feijão matou 257 pessoas, a Vale mergulhou em uma crise de imagem e registrou sucessivos prejuízos trimestrais. Até ontem, a desvalorização dos papéis era da ordem de 13% em relação ao dia anterior ao desastre de Brumadinho. Mas chegou a ser de mais de 20%.

Para o Morgan Stanley, há razões para acreditar que a empresa vai superar a crise na qual entrou. Eles apontam o forte fluxo de caixa livre (FCF) e uma melhoria nas práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) para reavaliar os papéis da mineradora com recomendação de compra.

Os analistas do banco dizem que o Capex (investimentos em capital fixo) e o nível de alavancagem da mineradora permanecem baixos. "Em nosso modelo, a companhia geraria um fluxo de caixa de cerca de US$ 10 bilhões nos próximos dois anos — o que representa 20% do seu valor de mercado".

Os especialistas mantêm a projeção mesmo assumindo que o preço do minério de ferro fique abaixo da estimativa do próprio Morgan Stanley — hoje em US$ 83/t em 2020, US$ 68/t em 2021 e US$ 61/t em 2022 vs. $84/t — e que a empresa desembolse US$ 7 bilhões entre este ano e 2022 com os acidentes de Brumadinho e Samarco.

"Nós acreditamos que a Vale deve manter a disciplina na alocação de capital focando no retorno ao acionista", dizem os analistas. Para eles, a companhia deve retornar US$ 9,6 bilhões em dividendos até 2022. "Nossas conversas com autoridades sugerem que elas não vão se opor a um retorno financeiro aos acionistas, se a empresa tiver dinheiro suficiente para cobrir Brumadinho".

A instituição americana acrescenta que espera uma melhora nas métricas de ESG da Vale em um ritmo mais rápido do que seus pares. "Além disso, a empresa continua melhorando a segurança de suas operações, e desenvolvendo alternativas seguras e sustentáveis ​​de gerenciamento de rejeitos", diz o banco.

Reparação

Na segunda-feira (2), a Vale divulgou um relatório do Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apoio e Reparação. O documento não faz preço aos mercados, mas é uma nova peça de esclarecimento em relação ao que a empresa fez após o rompimento da barragem.

Segundo o relatório, do total de 84 recomendações ao conselho e 11 sugestões à diretoria da mineradora para reparar os acontecimentos de Brumadinho, apenas 7% foram concluídas até agora. As ações envolvem indenizações, cuidados humanitários e medidas em outras frentes.

O documento ainda aponta que 47% das ações propostas estão em andamento e 33% não começaram. Segundo o comitê, o maior progresso foram em ações emergenciais e de compromisso de não repetição de casos semelhantes.

Prejuízo

A Vale terminou o ano passado com um prejuízo líquido de US$ 1,7 bilhão — em 2018, a companhia obteve um lucro líquido de US$ 6,86 bilhões. As provisões e despesas ligadas à ruptura da barragem somaram US$ 7,4 bilhões ao longo do ano passado — essa quantia já inclui a descaracterização de estruturas e acordos de reparação.

A empresa também promoveu a paralisação em diversas barragens ao longo do ano, teve maiores despesas com segurança e manutenção e incertezas quanto ao ritmo de produção.

Do ponto de vista de administração de caixa e gestão do endividamento, a mineradora conseguiu mostrar evoluções importantes ao longo do ano passado.

A Vale gerou US$ 8,1 bilhões em fluxo de caixa livre em 2019, quantia que foi utilizada para pagar dívidas, recomprar compromissos futuros e aumentar o nível dos cofres da empresa, entre outros pontos.

Ao fim de 2019, a dívida líquida da mineradora era de US$ 4,88 bilhões, uma baixa de 8,3% em relação aos níveis vistos em setembro. Apesar disso, os níveis de alavancagem da Vale permaneceram inalterados em 0,5 vez.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

medida anticrise

Governo calcula que 25 milhões terão salário reduzido para evitar alta acentuada do desemprego; entenda

Num cenário sem as medidas, o governo estima que as demissões poderiam atingir até 12 milhões de trabalhadores; país já tem 12,3 milhões de desempregados

crise nos eua

EUA registram 6,648 milhões de pedidos de auxílio-desemprego, novo recorde

Leitura da semana anterior, que até então havia sido recorde, foi revisada de 3,283 milhões para 3,307 milhões de pedidos

Na contramão do exterior

Alta do petróleo impulsiona o Ibovespa, mas cautela com o coronavírus limita os ganhos

O Ibovespa destoa das bolsas externas e opera em alta, sustentado pelo bom desempenho das ações da Petrobras em meio ao salto nas cotações do petróleo. No entanto, a cautela por causa da Covid-19 pressiona os ativos globais e impede que os ganhos sejam maiores por aqui

diante da crise

Cortes de emprego nos EUA disparam em março com coronavírus

Número saltou de 56.660 em fevereiro para 222.288 em março

dinheiro no caixa

Petrobras fecha acordo com Sete Brasil e vai reverter provisão de R$ 634 milhões

Anúncio dá mais fôlego para a companhia, que deve ter uma redução de receitas por conta da crise do coronavírus e da disputa de preços

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Se o coronavírus colocou a população sob isolamento domiciliar, também levou quem estava “isolado” a abrir as portas. Estou falando de diversos fundos de investimento que estavam fechados para novos investidores e agora estão reabrindo para captação. Uma das gestoras que entrou nessa onda foi a Truxt, que tem R$ 12 bilhões na carteira. Em […]

efeitos da crise

BCE adia revisão de estratégia política monetária para 2021

Eventos públicos do BCE e dos bancos centrais nacionais do Eurosistema que estavam planejados para o primeiro semestre deverão ocorrer apenas na segunda metade de 2020

Conteúdo Patrocinado

De volta ao jogo: Ivan Sant’Anna retorna para a bolsa

A volta do Ivan é algo como se o Michael Jordan voltasse hoje a jogar na NBA, ou se o Fenômeno retornasse ao futebol nesta semana.

esquenta dos mercados

Esperança com resolução para crise do petróleo anima mercados, mas covid-19 segue no radar

Mesmo com o alívio das bolsas do exterior, os investidores seguem monitorando os números de casos de covid-19 e as medidas do governo para suporte da população

expectativa

Acredito que Rússia e Arábia Saudita farão acordo sobre petróleo, diz Trump

Republicano confirmou que se encontrará com empresas petrolíferas nesta sexta-feira, 3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements