🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
CADÊ O DINHEIRO?

Deu ruim para as startups: aportes em venture capital no Brasil caem 62% no segundo trimestre; investidor muda foco para o private equity

Os investidores que estão em campo procuram empresas já estabelecidas e com resultados mais robustos; startups ainda estão no radar

Liliane de Lima
25 de julho de 2022
14:55 - atualizado às 16:00
dinheiro, fundos de investimentos em startups e empresas de tecnologia; venture capital e private equity
Imagem: Shutterstock

O fato de que os investimentos estão mais escassos e os investidores mais rigorosos não é novidade. A crise econômica mundial, resultante da pandemia, e as consequências dela — como a alta da inflação e a escalada de juros — trouxeram volatilidade ao mercado. 

Por isso, os investidores que estão em campo mudaram o foco e agora procuram empresas já estabelecidas e com resultados consistentes.

O volume de recursos investidos em venture capital — startups empresas em estágio inicial — recuou 51,8%, no período entre o primeiro semestre de 2021 e de 2022. Em números, os aportes caíram de R$ 22,4 bilhões para R$ 11,6 bilhões. 

Nesse cenário, os investimentos em private equity — empresas de maior porte e em geral de capital fechado, ou seja, sem ações na bolsa — se tornaram os preferidos no primeiro semestre de 2022.

Apesar dos ventos contrários, o mercado permanece aquecido. Os investimentos em private equity e venture capital somam, juntos, R$ 28,1 bilhões foram alocados entre janeiro e junho. 

Desse montante, mais da metade, ou seja, R$ 16,5 bilhões foram realizados no segundo trimestre deste ano. O valor representa um aumento de 17,8% em relação ao mesmo período do ano passado — que foi de R$ 14 bilhões. 

Os dados são da pesquisa realizada pela KPMG e a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (Abvcap). 

Setores que estão na mira dos investidores 

Entre abril e junho, quase 50% dos aportes foram realizados em empresas de serviços financeiros, tecnologia da informação e do setor de varejo. 

A pesquisa da KPMG e Abvcap ratifica o que o relatório da Distrito, divulgado no início do mês, aponta: o Brasil segue sendo um país atrativo para os investimentos em empresas de tecnologia, sobretudo, as startups. 

Private equity: o investimento da vez 

A preferência ao private equity demonstra, entre outros fatores, que os investidores estão focados em companhias com resultados mais consolidados. 

Os aportes em fundos dessa modalidade saltaram de R$ 2,3 bilhões no primeiro semestre de 2021 para R$ 16,5 bilhões no mesmo período deste ano.  Mas foram principalmente os últimos três meses que contribuíram para o avanço. 

Entre abril e junho, as alocações em private equity foram de R$ 11,3 bilhões, uma alta de 2,17% em relação aos meses de janeiro a março. 

VEJA TAMBÉM - RISCOS PARA A ECONOMIA NO 2° SEMESTRE: Lula x Bolsonaro, inflação e JUROS | RECESSÃO NOS EUA?

Cenário mais complicado para startups

Os tempos estão mais difíceis para as startups. A volatilidade do mercado faz com que os investidores pensem mais de duas vezes antes de alocar capital com risco relativamente elevado — que é o caso dessas empresas iniciantes. 

A exemplo disso, vemos o aperto nos gastos e a constante onda de demissões nas startups, que começaram em abril e seguem sem previsão de acabar

Entre abril e junho, o valor investido em venture capital foi de R$ 5,2 bilhões, uma queda de 62% em relação ao mesmo período do ano passado. 

Por fim, as startups do setor financeiro (fintech), do varejo (retailtech) e da saúde (healthtech) atraíram juntas cerca de 44% dos volumes de venture capital. 

Compartilhe

ATENÇÃO, DEVEDOR

Desenrola Brasil: este é o último fim de semana para aderir à Faixa 1 do programa de renegociação de dívidas; veja como

18 de maio de 2024 - 15:38

Dados do Ministério da Fazenda apontam que, até a semana passada, 14,75 milhões de pessoas já haviam renegociado cerca de R$ 51,7 bilhões em dívidas

DURANTE ENCONTRO

Após 30 anos do Plano Real, ex-presidentes do Banco Central criticam condução da política fiscal

18 de maio de 2024 - 10:19

Ao mesmo tempo, Roberto Campos Neto evitou comentários sobre a condução da política fiscal atual, mas voltou a defender o projeto que concede autonomia financeira ao BC

Mudanças climáticas

Investimento verde é coisa de gringo, mas isso é bom para nós: saiba quais são as apostas ESG do investidor global no Brasil

17 de maio de 2024 - 6:33

Saiba para quais segmentos e tipos de negócios o investidor global olha no Brasil, segundo Marina Cançado, idealizadora de evento que aproximará tubarões internacionais com enfoque ESG do mercado brasileiro

LOTERIAS

Mega-Sena e Quina decepcionam de novo, mas Lotofácil faz 2 meio-milionários — e eles apostaram de um jeito diferente

17 de maio de 2024 - 5:42

Nenhum dos ganhadores da Lotofácil apostou em uma casa lotérica; na Mega-Sena e na Quina, os prêmios acumulados têm oito dígitos

E VEM MAIS POR AÍ

Uma ajuda extra da Receita: lote de restituição do Imposto de Renda para o Rio Grande do Sul supera R$ 1,1 bilhão

16 de maio de 2024 - 19:46

Além de incluir os gaúchos no primeiro lote de restituição, a Receita promoverá medidas para ajudar o contribuinte do estado castigado pelas enchentes

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 meio-milionários, Quina acumula de novo e Mega-Sena oferece prêmio turbinado

16 de maio de 2024 - 5:58

Lotofácil sai para uma aposta comum e para um apostador “teimoso”; concurso de final 5 turbina prêmio da Mega-Sena

LOTERIAS

Bolão fatura Lotofácil e faz 4 milionários de uma vez só; Mega-Sena acumula e prêmio dispara

15 de maio de 2024 - 6:02

A Lotofácil estava acumulada ontem, o que engordou o prêmio da “máquina de milionários”; Quina acumulou de novo

MULTIMERCADOS

Ex-colega de Campos Neto no BC, gestor da Itaú Asset aposta em Copom mais rígido com os cortes na Selic daqui para frente

14 de maio de 2024 - 19:58

Ex-diretor de política monetária do BC entre 2019 e 2023 — sob o comando de RCN —, o economista Bruno Serra revelou o que espera para os juros no Brasil

LANCE REVISADO

Ata do Copom mostra divisão mais sutil entre Campos Neto e diretores escolhidos por Lula

14 de maio de 2024 - 10:18

Divergência entre os diretores do Banco Central se concentrou no cumprimento do forward guidance, mas houve concordância sobre piora no cenário

DE OLHO NAS REDES

Adeus, Campos Neto: logo a presidência do Banco Central deve ir para as mãos de um indicado de Lula — “o telefone vermelho vai tocar”

13 de maio de 2024 - 18:06

Campos Neto logo deixará a presidência do Banco Central. Quais são os riscos de um indicado de Lula tomar o lugar?

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar