🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
A hora e a vez da renda fixa

Onde os brasileiros investem: CDBs ultrapassam ações no 1º semestre, e valor investido em LCIs e LCAs dispara

Volume investido em CDBs pelas pessoas físicas superou o valor alocado em ações no período; puxado pelo varejo, volume aplicado por CPFs cresceu 2,8% no período, totalizando R$ 4,6 trilhões

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
2 de agosto de 2022
18:40 - atualizado às 18:43
Ilustração sobre melhores investimentos na renda fixa em 2019
Alta dos juros atraiu os investidores para a renda fixa no primeiro semestre, sobretudo os do varejo. Imagem: POMB/Seu Dinheiro

A aversão a risco que tomou conta dos mercados globais na primeira metade de 2022 levou os investidores a correrem para a renda fixa e desvalorizou os ativos mais arriscados, como as ações. E esse movimento ficou bem claro na carteira dos investidores pessoas físicas brasileiros, como mostra levantamento da Anbima publicado nesta terça-feira (02).

O volume investido pelas pessoas físicas no primeiro semestre totalizou R$ 4,6 trilhões, um crescimento de 2,8% no período, considerando investidores de varejo tradicional, varejo alta renda e private banking, num total de 140 milhões de contas - lembrando que um mesmo CPF pode ter mais de uma conta.

A participação da renda fixa neste montante subiu de 57,5% em dezembro de 2021 para 61,3% em junho de 2022 (R$ 2,8 trilhões), enquanto a da renda variável caiu de 19,5% para 16,7% (R$ 775,9 bilhões) no mesmo período.

Fonte: Anbima

A caderneta de poupança continuou sendo, como era de se esperar, o principal investimento dos brasileiros, com quase R$ 1 trilhão em volume. No entanto, o valor poupado diminuiu ao longo do primeiro semestre, caindo de R$ 988,8 bilhões em dezembro para R$ 966 bilhões em junho.

“Isso se deve ao aumento do consumo pós-pandemia. Durante a pandemia, vimos um acúmulo grande de recursos pelos poupadores, que foram consumidos no primeiro semestre”, explica Ademir Correa, presidente do Fórum de Distribuição da Anbima.

Volume em CDBs ultrapassa ações

Mas entre os demais investimentos de renda fixa, o grande destaque foram os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs), cujo volume investido em junho totalizou R$ 647,7 bilhões, uma alta de 13,6%.

A cifra ultrapassou o volume alocado em ações (R$ 576,9 bilhões), que recuou 10,7% no semestre, por conta da migração para ativos mais seguros e a desvalorização dos papéis. Em dezembro de 2021 e 2020, o volume investido em ações pelas pessoas físicas superava o valor alocado em CDBs.

O crescimento do volume alocado nestes títulos de renda fixa, por sua vez, foi puxado pelos investidores do varejo tradicional e do varejo alta renda, uma vez que, no private, o investimento em CDBs caiu no semestre. A alta da Selic, que aumenta a rentabilidade desses papéis, também ajudou a engordar o volume.

Outro destaque na renda fixa foram as LCIs e LCAs, cujos volumes investidos saltaram dois dígitos no semestre, tanto no private quanto nos segmentos de varejo. No total, o valor alocado em LCIs cresceu 25,4%, para R$ 162,4 bilhões, enquanto o volume de LCAs subiu 38,5%, para R$ 249,6 bilhões.

São percentuais maiores do que os crescimentos dos dois tipos de ativos em todo o ano passado, que foram de 12,3% para as LCIs e 24,2% para as LCAs.

Fonte: Anbima

O investidor conservador saiu ganhando

Os investidores de varejo e varejo alta renda brasileiros fizeram jus ao seu perfil conservador no primeiro semestre e se deram bem com isso. Eles mantêm 81,7% dos seus investimentos em renda fixa, sendo a poupança o principal produto (32,9%), seguida dos CDBs (19,9%).

No private, por sua vez, a renda fixa representa apenas 27,5% do volume; esses investidores mais abastados concentram a maior parte dos seus recursos em renda variável (30,5%), que é seguida dos produtos híbridos (28,1%), onde os fundos multimercados (aqueles que investem em diversas classes de ativos) se destacam, com 24,2% do volume.

Fonte: Anbima

Esses perfis de alocação explicam o crescimento do volume investido pelo varejo e a queda dos volumes do private no primeiro semestre.

Enquanto a alta concentração em renda fixa e o aumento dos juros levou o volume do varejo tradicional a crescer 5,9% e o do varejo alta renda a subir 5,4%, as incertezas globais, como o risco de recessão nos países ricos, a guerra da Ucrânia e a escalada de juros nos EUA, impactaram negativamente a renda variável e fizeram o volume do private cair 1,7% na primeira metade do ano.

“Essa queda semestral do private se explica pelas carteiras mais expostas a ativos de alta volatilidade nesse público”, explica o presidente do Fórum de Distribuição da Anbima.

Veja também: A RENDA FIXA É A CAMPEÃ DO 1° SEMESTRE I Ganhar 1% ao mês ficou FÁCIL

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar