Menu
2020-03-03T16:48:13-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
URGENTE

Banco central dos EUA faz corte de juros surpresa de 0,50 ponto diante do coronavírus

A decisão surpresa do BC norte-americano acontece depois da forte queda do mercado de ações na semana passada diante do agravamento do surto do coronavírus no mundo

3 de março de 2020
12:10 - atualizado às 16:48
coronavírus
Em reunião extraordinária, Fed decide reduzir taxa para um intervalo de 1% a 1,25% ao ano; mercados reagem instantaneamenteImagem: Shutterstock

O Federal Reserve (Fed, Banco Central dos Estados Unidos) nem sequer esperou a próxima reunião para reagir aos efeitos do coronavírus na economia e anunciou um corte extraordinário de 0,50 ponto na taxa de juros, para um intervalo de 1% a 1,25% ao ano.

Como esperado, o mercado financeiro reagiu instantaneamente. O Ibovespa virou após a notícia e passou a subir. Mas o alívio durou pouco e na parte da tarde as bolsas passaram a operar em queda expressiva. Leia nossa cobertura completa de mercados.

A decisão surpresa do BC norte-americano acontece depois da forte queda do mercado de ações na semana passada diante do agravamento do surto do coronavírus no mundo. O grande receio dos investidores que é o de que a doença empurre a economia global para uma recessão.

"Os fundamentos da economia dos EUA continuam fortes. No entanto, o coronavírus apresenta riscos crescentes para a atividade econômica", informou o Fed, no comunicado em que anunciou a decisão.

A próxima reunião do Fed estava prevista apenas para o dia 18 de março, mesma data, aliás, em que acontece o encontro do Banco Central brasileiro que decide a taxa básica de juros (Selic).

A última vez que o BC norte-americano havia cortado os juros de forma extraordinária foi em outubro de 2008, no auge do terremoto financeiro provocado pela crise do mercado imobiliário subprime. O Fed também tomou decisões fora dos encontros previstos em momentos como os atentados terroristas de setembro de 2001 e na crise da Rússia, em 1998.

Além de reduzir os juros, o Fed informou que vai continuar adquirindo títulos do Tesouro dos EUA pelo menos até o segundo trimestre de 2020, a fim de manter as reservas em níveis iguais ou acima do nível de setembro do ano passado.

*Este conteúdo está em atualização.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

'CALCINHA BEGE' DA ALOCAÇÃO DE ATIVOS

Conheça o método 60/40, uma estratégia simples e eficiente para montar seu plano de aposentadoria

Estratégia perfeita exatamente para quem sabe que precisa investir, mas não têm muito saco para fazê-lo.

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements