2022-07-07T12:33:44-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
QUEDA DE APORTES

Crise dos unicórnios e demissões em massa têm explicação: investimentos em startups caíram 44% no primeiro semestre

Inflação global, escalada da alta de juros e a Guerra da Ucrânia geraram incertezas no mercado e “seguraram” os investimentos; as mais afetadas são as startups de late stage e unicórnios

6 de julho de 2022
16:18 - atualizado às 12:33
startup
Imagem: Shutterstock

O cenário de inflação global e alta de juros, somado à surpresa com a Guerra da Ucrânia, em fevereiro, trouxeram novas perspectivas e desafios para as startups — e as mais maduras, em estágio pré-IPO, e os unicórnios foram as que mais sentiram o impacto.

Pois esse sentimento de que a torneira secou — que antes era apenas uma percepção dos investidores e especialistas do mercado — ganhou números. O volume de investimentos em startups caiu 44% no primeiro semestre deste ano, comparado com o mesmo período do ano passado. 

Nos primeiros seis meses de 2022, cerca de US$ 2,92 bilhões foram investidos em 327 startups; de janeiro a junho do ano passado, o volume foi de US$ 5,25 bilhões, alocados em 416 negócios. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (6), no relatório semestral da Distrito

Vale ressaltar que 2021 foi o melhor ano para as empresas de tecnologias em todos os estágios: semente (seed), estágio inicial (early stage) e estágio final (late stage). O ano terminou com volume de US$ 10 bilhões investidos — o que não deve se repetir em 2022, segundo Gustavo Araújo, co-fundador e CRO da Distrito.

Segundo o relatório, a queda no número e volume de investimentos foi alavancada, sobretudo, pelas empresas em estágio final, que são os unicórnios (companhias avaliadas em mais de US$ 1 bilhão) e em fase pré-IPO. As rodadas caíram 68% no primeiro semestre comparado ao mesmo período do ano anterior. 

Já as companhias em estágio seed e early conseguiram crescer, mesmo diante do cenário macroeconômico incerto. Elas registraram um aumento de 86% e 14%, respectivamente, em aportes. 

Por fim, a queda de 44% ainda não foi maior por um motivo: “o ano começou com rodadas que já estavam negociadas no ano passado, mas que só foram divulgadas no primeiro trimestre”, afirmou Araújo. 

Demissões em massa nos unicórnios

As empresas de tecnologia mais robustas, que estão no estágio final (late stage), pré-IPO e unicórnios sentiram mais a “fuga” dos investimentos. 

Um dos motivos para esse movimento é a mudança de critérios dos investidores. Segundo Araújo, “agora não é mais só crescer de maneira agressiva, mas ter mais sustentabilidade de crescimento”. 

Além disso, com menos rodadas e volume menor de investimentos, as startups precisam investir com mais cautela, já que é preciso lidar com o dinheiro por mais tempo. 

Por isso, as reduções no quadro de funcionários e em marketing são as primeiras ações das empresas. O setor imobiliário, por exemplo, era um dos mais “desejados” entre os investidores no ano passado — agora, nem tanto. 

As incertezas econômicas ainda devem atingir as empresas em late stage no segundo semestre deste ano. Ou seja, a onda de demissões pode continuar nos próximos meses.

E existe uma solução? Para Araújo, essas startups ainda devem ser penalizadas, a não ser que o cenário macroeconômico mude.

O que é pouco provável, já que não se sabe quando a China retomará a produção no nível pré-pandemia, por quanto tempo a Guerra da Ucrânia deve durar e a quando acabará a escalada de juros do Federal Reserve (Fed, equivalente ao Banco Central do Brasil). 

Logo, o reequilíbrio das contas (breakeven) é o que deve ser feito pelos unicórnios e empresas em late stage nesse momento. 

Por fim, as eleições presidenciais, por aqui, terão pouco impacto no mercado de venture capital, independentemente de quem leve a faixa presidencial. Isso porque o ecossistema de startups brasileiras tem maturidade, além de termos o Banco Central independente e autônomo. 

Nubank vai sobreviver à alta de juros?

Apesar das quedas bruscas das ações na bolsa de valores, o Nubank deve respirar com fôlego no mercado brasileiro nos próximos anos. 

Embora esteja em um dos setores mais dependentes de crédito e liquidez, a onda de fintechs ainda está longe de ter mudança nos próximos anos. “O Brasil ainda tem problemas estruturais grandes e é um dos países do mundo com mais inovações em tecnologia financeira”, explica Araújo. 

As fintechs continuam dominando os aportes, ainda que com um volume menor do que o ano passado. Em seguida, as Retail Techs — startups de tecnologia do varejo, a VTEX por exemplo— e RHTechs — voltadas para recursos humanos, como a Gupy e a Kenoby — foram as empresas que receberam o maior número de aportes nos primeiros seis meses de 2022. 

Startups: o que vem aí no segundo semestre

A onda de unicórnios e IPOs observados nos anos anteriores, sobretudo entre 2018 e 2020, deve dar uma trégua neste ano. 

Não há expectativas, segundo o relatório do Distrito, pelo surgimento de novas empresas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão neste segundo semestre. 

Por sua vez, o cenário continuará sendo de cautela, ainda muito imprevisível. 

Nos próximos meses, a Distrito ainda espera uma redução de aportes, chamando também de correção, em startups em estágio early, em razão das quedas registradas no primeiro semestre nas companhias em late stage. 

Contudo, o impacto não deve ser tão forte, já que estão em outro estágio de amadurecimento — de validação e escalabilidade do negócio. 

Veja também — Startups e unicórnios estão sofrendo com os juros americanos: sem lucros nem financiamento, é o fim?

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um mundo tomado pela inflação: entenda ao que é preciso prestar atenção para saber se os preços vão finalmente parar de subir

9 de agosto de 2022 - 6:10

O processo de normalização dos preços será fundamental para que consigamos ter maior previsibilidade quanto ao futuro dos ativos de risco

COMBUSTÍVEIS

Mudou de ideia? Bolsonaro diz que política de paridade de preços da Petrobras (PETR4) pode ser mantida como está

8 de agosto de 2022 - 20:43

Bolsonaro anunciou que vai manter os impostos federais dos combustíveis zerados no próximo ano

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) perde um pouco de tração, mas segue operando em alta; saiba o que mexe com a maior criptomoeda do mundo

8 de agosto de 2022 - 20:04

O destaque do dia foi para o ethereum (ETH), mas não pela alta de preços e sim pelo volume negociado nas últimas 24h

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro alfineta banqueiros e diz que ações do governo contam mais do que “assinar cartinha”; confira o recado enviado pelo presidente

8 de agosto de 2022 - 18:49

Chefe do Planalto fez referência aos manifestos em defesa da democracia articulados em reação à ofensiva sem provas do governo sobre a lisura do sistema eleitoral brasileiro — e que contou com a assinatura de banqueiros

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Os melhores FIIs do mês, cinco razões para comprar Weg (WEGE3) e o prejuízo do Softbank; confira os destaques do dia

8 de agosto de 2022 - 18:40

Depois que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a Selic a 13,75% ao ano e deixou claro que, caso um novo aumento ocorra, será apenas um ajuste residual, o mercado financeiro comprou a ideia de que o ciclo de aperto monetário chegou ao fim e já começa a sonhar até […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies