Menu
2020-10-22T07:15:50-03:00
Ricardo Gozzi
Esquenta dos mercados

Aversão generalizada ao risco aponta para abertura em queda do Ibovespa

Falta de acordo nos EUA, avanço da pandemia e politização de vacina azedam o humor dos investidores

22 de outubro de 2020
7:15
Risco
Imagem: Shutterstock

A aversão ao risco observada no exterior soma-se à ausência de notícias locais capazes de dar outro rumo aos mercados financeiros para sinalizar uma abertura em queda do Ibovespa nesta quinta-feira.

Na véspera, o principal índice de ações da B3 chegou a subir mais de 1% e romper a barreira dos 101 mil pontos. O Ibovespa permaneceu acima dessa marca durante grande parte da sessão, mas a incerteza diante de um acordo bipartidário em torno de um novo pacote de estímulo à economia norte-americana antes das eleições de 3 de novembro derrubou a bolsa de Nova York e fez o Ibovespa apagar toda a alta anterior e avançar mísero 0,01%. O dólar também fechou de lado, avançando 0,02% e permanecendo na faixa dos R$ 5,61.

De novo, de novo...

É válido notar que os investidores têm superestimado a magnanimidade de democratas e republicanos ao acreditarem, restando apenas duas semanas para as eleições presidenciais nos Estados Unidos, na possibilidade de um acordo bipartidário em torno de um tema sobre o qual as visões e as prioridades de cada lado são bastante antagônicas.

Com a Casa Branca em jogo, o prazo para que democratas e republicanos cheguem a um meio-termo tem sido sistematicamente empurrado com a barriga. No mais recente adiamento, anunciado ontem, o prazo foi estendido por mais 48 horas. E daqui a 48 horas, se tudo der certo, já será fim de semana.

Hoje à noite, enquanto isso, as atenções estarão voltadas para o último debate entre o democrata Joe Biden e o presidente republicano Donald Trump previsto para antes do pleito.

E a vacina?

No cenário local, a ausência de notícias ruins vindas de Brasília até deu um bem-vindo alívio recente para o Ibovespa, que acumula um avanço consistente em outubro.

Entretanto, a persistente politização da pandemia pode cobrar seu preço em breve. Se a Europa e os Estados Unidos se debatem no momento com o avanço de uma nova onda de covid-19, no Brasil a primeira onda ainda nem passou e os números da doença caem simultaneamente à redução da testagem.

Para piorar, a recusa do presidente Jair Bolsonaro em autorizar a compra da Sinovac – vacina contra o novo coronavírus em desenvolvimento pela China e cuja produção contará com a parceria do Instituto Butantan – pegou mal até mesmo entre seus fiéis seguidores e piora consideravelmente qualquer prognóstico de superação da pandemia pelo Brasil, seja em termos sanitários ou econômicos.

Diante deste cenário, as bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em queda, os principais mercados de ações da Europa estão no vermelho e os indicadores futuros de Nova York sinalizam abertura em baixa.

A agenda, enquanto isso, segue fraca. No Brasil, não há indicadores econômicos nem balanços corporativos relevantes previstos.

Nos EUA, saem hoje os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA, os números setor imobiliário em outubro e os indicadores antecedentes do país em setembro. Entre os resultados trimestrais, destaque para os números da AT&T e da Coca-Cola.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies